Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

Estado está a “fazer tudo” para ajudar português investigado por ajudar refugiados

342

Marcelo diz que é obrigação de Portugal ajudar quem "pensa na vida humana". Presidente da República garante que está a fazer os possíveis dentro da lei para ajudar Miguel Duarte.

JOÃO RELVAS/LUSA

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira que o Estado português está a “fazer tudo o que é possível”, a nível legal, para ajudar Miguel Duarte e outros ativistas investigados em Itália por suspeita de ajuda à imigração ilegal.

O Estado português está a fazer o que é preciso e possível, a nível legal, para proteger todos os cidadãos que estão nessa situação”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Respondendo a questões dos membros da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, na cidade francesa de Estrasburgo, Marcelo Rebelo de Sousa notou que Portugal “respeita a soberania de qualquer Estado”. “Mas é nossa obrigação diplomática apoiar, através de todos os meios aceites pela lei internacional, os nossos cidadãos”, sobretudo “quando achamos que eles estão a desempenhar uma importante função, quando pensam no valor da vida humana”, salientou.

Miguel Duarte e mais nove ex-tripulantes do Iuventa, um navio pertencente à organização não-governamental alemã de resgate humanitário no Mediterrâneo, foram constituídos arguidos e estão sob investigação em Itália por suspeita de ajuda à imigração ilegal.

Para Marcelo Rebelo de Sousa é necessário, contudo, “não esquecer que é preciso encontrar uma forma de definir e tomar medidas a nível europeu” no que toca à questão dos refugiados.

“As medidas unilaterais são importantes, a cidadania também, o papel dos cidadãos é vital porque mostra que a democracia está viva, mas acho que, ao mesmo tempo, os Estados devem considerar fazer um esforço em tomar medidas comuns”, salientou. Esta é, para Marcelo Rebelo de Sousa, a “melhor solução” para o “drama dos refugiados”, que Portugal “bem conhece”.

Apelando à promoção de valores como “tolerância, diálogo e compreensão”, que são defendidos pelo Conselho da Europa, o chefe de Estado pediu que se avance em instituições como estas, “onde há multilateralismo”. “O mundo está cheio de protecionismo e de unilateralismo”, lamentou.

A seu ver, Portugal é um país que sabe “aceitar, receber e incluir [migrantes] em todo o sentido das palavras”.

Já numa declaração escrita, a que a agência Lusa teve hoje acesso, nove deputados da delegação portuguesa no Conselho da Europa defendem que “a criminalização de pessoas que agem por razões humanitárias em situações em que a vida dos migrantes está em perigo não está em conformidade com o direito internacional”.

“É contrária ao princípio da solidariedade e da ajuda humanitária e uma violação da Convenção Europeia dos Direitos do Homem”, vincam os deputados Duarte Marques, Ana Catarina Mendes, Adão e silva, Luís Ramos, Edite Estrela, Carlos Gonçalves, Telmo Correia, António Filipe e Paulo Pisco, aludindo ao caso dos jovens ativistas portugueses.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)