Rádio Observador

Acordo Nuclear

Presidentes francês e russo vão tentar salvar acordo nuclear com Irão

O acordo de 2015, concluído após vários anos de esforços diplomáticos, prevê uma limitação do programa nuclear iraniano em troca do levantamento das sanções internacionais contra o país.

Teerão anunciou o aumento do limite imposto às suas reservas de urânio enriquecido para 4,5%, que ultrapassa o máximo autorizado pelo acordo (3,67%)

MICHAEL KLIMENTYEV / SPUTNIK / KREMLIN / POOL/EPA

O Presidente francês e o seu homólogo russo acordaram nesta quinta-feira a “consolidar esforços” para salvar o acordo sobre o programa nuclear iraniano, abandonado pelos Estados Unidos no ano passado e violado este ano por Teerão, anunciou o Kremlin.

Numa conversa telefónica realizada nesta quinta-feira por iniciativa francesa, Emmanuel Macron e Vladimir Putin “sublinharam que o acordo é um facto importante para a segurança no Médio Oriente e assegurar o regime de não-proliferação nuclear”.

Os dois presidentes concordaram na importância de “consolidar esforços de todos os Estados interessados na preservação da totalidade do acordo” concluído em 2015.

O acordo de 2015, concluído após vários anos de esforços diplomáticos e assinado entre Teerão e o chamado grupo dos Seis (Estados Unidos, China, Rússia, França, Reino Unido e Alemanha), prevê uma limitação do programa nuclear iraniano em troca do levantamento das sanções internacionais contra o país.

No entanto, em maio de 2018, os Estados Unidos decidiram retirar-se unilateralmente do acordo e restabeleceram sanções punitivas contra o Irão, impedindo a recuperação económica pretendida por Teerão.

Um ano depois, em maio deste ano, e após ter aguardado sem sucesso que as outras partes do acordo ajudassem o país a contornar as novas sanções norte-americanas, o Irão anunciou que ia alterar progressivamente alguns dos compromissos assumidos.

No início deste mês, Teerão anunciou o aumento do limite imposto às suas reservas de urânio enriquecido para 4,5%, e que ultrapassa o máximo autorizado pelo acordo (3,67%).

Os chefes de Estados francês e russo abordaram também o conflito na Síria e Macron aceitou o convite de Vladimir Putin para estar em Moscovo em 09 de maio próximo e assistir às comemorações do 75.º aniversário da derrota da Alemanha nazi na II Guerra Mundial, adiantou o Kremlin.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)