Rádio Observador

Ambiente

Vencedores do “Nobel do Ambiente” em Gaia para debater sustentabilidade

O Fórum Internacional de Gaia volta esta semana para falar de Desenvolvimento Sustentável e recebe quatro dos vencedores do chamado “Nobel do Ambiente”.

Goldman Environmental Prize

Vila Nova de Gaia recebe esta quarta feira, dia 11 de setembro, a terceira edição do evento que pensa o Ambiente e a Sustentabilidade. O Fórum Internacional de Gaia volta este ano sob o mote Colaboração em Português e traz onze dias de debates e de performances artísticas sobre o ambiente e sobre a língua.

A abrir logo na quinta-feira, dia 12 (10h, na Biblioteca Municipal de Gaia), surge aquele que é considerado o ponto alto das sessões dedicadas ao pensamento. Vão estar em Vila Nova de Gaia quatro das personalidades que receberam os prémios Goldman, conhecidos como os prémios Nobel do Ambiente, assim como o diretor do galardão, Mike Sutton.

Vêm de continentes diferentes e representam estas pessoas que foram distinguidas por se manifestarem e desenvolverem projetos de luta e de preservação do ambiente e do planeta” Ana Carvalho, coordenadora do evento.

Criado em 1990 pelos líderes civis e filantropos Richard N. Goldman e sua esposa, Rhoda H. Goldman, há 30 anos que o prémio Goldman distingue e homenageia pessoas com esforços sustentados e significativos, muitas vezes com grande risco pessoal, que conseguiram proteger e melhorar o ambiente.  Goldman Prize – 30 anos a mudar o Mundo será a primeira conferência europeia do prémio em 30 anos e convidará a conhecer as histórias de alguns dos que se debateram, sem se conformarem, contra constrangimentos ambientais nas zonas onde viviam.

Entre outros momentos de debate, focados também na cooperação entre países de língua portuguesa, destaca-se a conferência E depois do conflito – A missão dos construtores de paz, com o objetivo de “abordar os processos de reconciliação em países que já viveram a experiência de justiça transacional”, lê-se no comunicado.

O painel conta com Ramos Horta, político e jurista, ex-presidente de Timor-Leste e atual presidente do Painel Independente de Alto Nível para as Operações de Paz da ONU; Osiris Ferreira, juiz do Supremo Tribunal da Guiné-Bissau e secretário da Comissão Organizadora da Conferência Nacional (COCN), nomeada pela Assembleia Nacional Popular com o mandato de preparar o processo de reconciliação nacional; e o sul-africano John Volmink, atual presidente da MIET Africa.

Mas não só de debates se faz o Fórum Internacional de Gaia e por isso, este ano a maior parte do programa de onze dias é dedicado às artes.

A expressão da canção em português de outros continentes é uma das propostas do FIGaia 2019, com Tiganá Santana e Lura a interpretar sons tipicamente brasileiros e africanos, numa celebração das tradições musicais que unem os distintos povos do mundo lusófono.

Mas há também destaques na programação musical que remetem para a década de 90 em Portugal, com os Três Tristes Tigres a revisitar alguns dos temas mais icónicos, como O Mundo a meus pés. Adolfo Luxúria Canibal, autor e músico português que ficou conhecido por ser fundador e membro dos Mão Morta, leva Estilhaços ao Auditório Municipal.

Outras das apostas é a poesia. Pedro Lamares apresenta o espetáculo Ode Marítima, numa leitura integral do poema de Álvaro de Campos, um dos heterónimos de Fernando Pessoa.

Vai ser ainda publicado o livro Língua de Sal – Antologia Mínima de 100 Poemas em Língua Portuguesa, com o objetivo de unir vários países de língua oficial portuguesa com uma perspetiva singular sobre a poesia em português, mas que será também vertido sobre as ruas de Gaia através da iniciativa Tatuar a cidade.

Nesta edição, a câmara de Gaia decidiu alargar o número de dias para onze, mudar o evento para o centro da cidade, em vez da zona da beira-rio, e inaugurar sessões pagas, com preços que podem ir desde os 3 euros por algumas atuações artísticas até aos 10 euros em sessões de auditório.

“O objetivo de todo o fórum é convidar a uma cidadania ativa. Todos somos responsáveis por esta luta que temos de travar e que é emergente de salvar o planeta”, lembra Ana Carvalho, a coordenadora do evento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jascensao@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI /premium

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Minas

O lítio. Contra a desinformação marchar, marchar!

Filipe Anacoreta Correia
738

A extração do lítio não representa um retorno elevado e a acontecer seria o mais grave atentado à riqueza do nosso país: o desenvolvimento sustentável e a preservação do seu património natural.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)