Rádio Observador

Comissão Europeia

Bloco critica traços de “extrema-direita” na Comissão Europeia

253

O BE foi o único a deixar de lado a campanha eleitoral e a usar o seu discurso na comissão permanente do parlamento para criticar a futura Comissão, onde deteta traços de "extrema-direita".

Mariana Mortágua, deputada bloquista, subiu à tribuna para falar na comissão permanente, órgão que substitui o plenário da Assembleia da República em período de férias

NUNO FOX/LUSA

O Bloco de Esquerda (BE) foi esta quarta-feira o único a deixar de lado a campanha eleitoral e a usar o seu discurso na comissão permanente do parlamento para criticar a futura Comissão Europeia, onde deteta traços de “extrema-direita”.

Mariana Mortágua, deputada bloquista, subiu à tribuna para falar na comissão permanente, órgão que substitui o plenário da Assembleia da República em período de férias, e expressar a sua “enorme preocupação” com a proposta de composição da Comissão Europeia, anunciada na terça-feira pela presidente, a alemã Ursula von der Leyen.

A parlamentar do Bloco detetou uma “linha dura da extrema-direita” europeia, com a influência dos partidários de Viktor Orban, que ganha poder na comissão, face à proposta de criar uma comissão para “proteger o nosso modo de vida na Europa”.

É “errado”, sintetizou, dado que “nem a Europa está sob ameaça nem partilha um único modo de vida” e “preocupante” porque “se trata da recuperação de antigas expressões dos movimentos xenófobos europeus, ao melhor estilo de Marine le Pen”, dirigente francesa da extrema-direita.

Também não deixa de ser “irónico” e “preocupante” que um dos comissários propostos seja o letão Valdis Dombrovskis, que, recordou, “defendia sanções contra Portugal” e “a perder fundos” por “não aplicar a austeridade” suficiente durante os anos de intervenção da “troika” (2011-2014).

E não é o facto de estar uma portuguesa no elenco, Elisa Ferreira, que “fará a diferença” numa comissão que é “má para Portugal e para a Europa”. “As instituições valem mais do que as pessoas. O problema não é pessoal, é político”, alertou Mariana Mortágua, para quem Elisa Ferreira “não vai mudar a Comissão Europeia” como o ministro da Finanças “Mário Centeno não mudou a Eurogrupo”, apesar de ser presidente.

Esta foi a última reunião da comissão permanente antes das eleições, tendo os restantes partidos optado por abordar temas de campanha para as legislativas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)