Aos poucos, novos dados sobre Natalia Grace, a ucraniana que os pais abandonaram acusando-a de ser uma sociopata mais velha do que aparenta, vão sendo conhecidos. E também as contradições são cada vez mais. Por um lado, os pais adotivos, defendem que Natalia não era uma criança, que tinha problemas mentais e que foram enganados. Do outro lado, a Justiça continua com Michael e Kristine Barnett nas mãos e a nova família de Natalia diz que ela é “uma adolescente encantadora”.

Vamos por partes: Natalia foi adotada por Kristine e Michael Barnett em 2010 com, alegadamente, seis anos. Já estava nos Estados Unidos há dois anos, tinha uma certidão de nascimento ucraniana de 4 de setembro de 2003 e precisava de uma casa urgentemente, uma vez que os pais adotivos anteriores a tinham devolvido por razões desconhecidas. Foi aí que começaram a surgir as dúvidas ao redor da idade da criança.

“A Natalia era uma mulher, era menstruada e tinha dentes de adulto. Nunca cresceu um centímetro, é certo, mas aconteceria o mesmo com qualquer outra criança que fosse anã”, contou a mãe adotiva de Natalia, Kristine Barnett, ao Daily Mail. Para a mulher, Natalia era uma adulta a fazer passar-se por uma jovem. E surge aqui a primeira contradição. Apesar das acusações da mãe da Natalia, há um documento médico, citado pelo El Confidencial, que indica que a rapariga sofria mesmo de displasia espondilometafisária congénita, uma doença que provoca uma baixa estatura e a impediria de andar. Esta doença pode também causar menstruações regulares, apesar da idade jovem, assim como o surgimento de outras características sexuais secundárias de um adulto.

Mas não foi só o problema com a alegada idade que terá feito com que Natalia tenha sido abandonada. De acordo com o El País, o filho biológico do casal, que tinha autismo e aos 17 anos já era formado em Física Quântica, conseguiu entrar numa das escolas mais prestigiadas do Canadá. A família decidiu, então, seguir viagem dos Estados Unidos para o Canadá.

Para trás terão deixado Natalia, pagando um ano da renda de um apartamento em Lafayette, cidade no estado norte-americano do Indiana. Não é claro como é que a criança sobreviveu, mas várias testemunhas explicaram que terá sido com a ajuda dos vizinhos. Também não é clara a razão para nunca terem alertado os serviços sociais, uma vez que quem fez a denúncia da situação terá sido um colega de turma de Natalia, que percebeu que tinha deixado de ir às aulas e viu-a “sozinha, suja, faminta e sem sapatos numa varanda”. “A minha filha começou a ir a fazer viagens diárias para cuidar dela. Até que a levou para casa”, disse a mãe da colega.

Além do abandono de uma criança, o casal — agora divorciado — poderá ser acusado de ter abandonado uma pessoa com deficiência mental ou física, um crime que pode levar até cinco anos e meio de prisão. O El Confidencial conta ainda que o pai adotivo já admitiu que Natalia era apenas uma criança quando, em 2012, ele e a mulher mudaram a idade da rapariga para 22 anos. Michael Barnett admitiu também que a ex-mulher começou a obrigar a criança a dizer a toda a gente que tinha essa idade, se lhe perguntassem.

Kristine Barnett disse, a dada altura, que Natalia tinha, pelo menos, 14 anos, devido a análises à densidade óssea da rapariga mostrando mesmo um documento médico que o El Confidencial põe em causa, uma vez que fazia mesmo parte da doença de Natalia.

Em 2o12, alguns órgãos de comunicação social norte-americanos citaram relatórios médicos que indicavam que Natalia tinha 11 anos. No mesmo ano, a mãe disse que a criança a empurrou contra uma cerca elétrica e que a tentou envenenar. Natalia foi, então, internada e começou a ser seguida por psicólogos. Nesta altura, terá começado a dizer que tinha mais de 18 anos. Foi também neste ano que os pais alteraram a idade da rapariga para 22 anos. O El Confidencial garante agora que os pais sabiam que Natalia não passava de uma criança quando fizeram esta alteração.

Natalia vive agora com uma nova família. As footografias do Facebook divulgadas mostram a criança sorridente e feliz com a nova família de acolhimento. Já os pais adoptivos de Natalia entregaram-se às autoridades de Lafayette este mês e aguardam a sentença por negligência infantil.

O advogado de defesa de Michael Barnett diz que o seu cliente é “um ser humano fantástico”: “Ele é um pilar na comunidade e tem um grande coração. Ele pensava que estava a fazer o mais certo há dez anos quando acolheu alguém na sua casa. Do seu ponto de vista, foi uma vítima como qualquer outra pessoa envolvida em todo este caso”, disse Terrance Kinnard, citado pela News 18.