O primeiro-ministro português, António Costa, vai reunir-se na terça-feira com o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, à margem da sessão plenária da assembleia europeia em Estrasburgo, França, foi esta sexta-feira anunciado.

O encontro, que se inicia pelas 10:45 (hora local, menos uma Lisboa), decorre à margem da sessão plenária do Parlamento Europeu, que se realiza entre segunda e quinta-feira em Estrasburgo.

António Costa, que pediu a reunião, será recebido por David Sassoli no gabinete do presidente do Parlamento Europeu, naquele que é o primeiro encontro desde a reeleição do chefe de Governo português.

Para esta sessão plenária está prevista, na quarta-feira, a votação dos eurodeputados do novo colégio de comissários designados para a nova Comissão Europeia, escolhidos pela presidente eleita do executivo comunitário, Ursula von der Leyen. A votação surge depois de, esta quinta-feira, o Parlamento Europeu ter dado por concluído o processo de audições aos comissários.

Este foi um processo mais demorado do que inicialmente previsto, já que três Estados-membros tiveram de apresentar novos nomes para o colégio, depois de a assembleia ter rejeitado os primeiros nomes apontados por França (Sylvie Goulard), Hungria (László Trócsányi) e Roménia (Rovana Plumb).

Tal reprovação levou a um atraso no início de funções da Comissão Von der Leyen, forçando o atual executivo de Jean-Claude Juncker a prolongar o seu mandato por um mês.

Na semana passada, a assembleia europeia procedeu às audições dos novos comissários designados por Paris, Budapeste e Bucareste, acabando por dar “luz verde” aos novos nomes apresentados, respetivamente Thierry Breton (Mercado Interno), Olivér Várhelyi (Política de Vizinhança e o Alargamento) e Adina Vălean (Transportes).

A votação do colégio de Ursula von der Leyen, que inclui a comissária designada por Portugal responsável pela pasta da Coesão e Reformas, Elisa Ferreira, terá então lugar na próxima quarta-feira em Estrasburgo, e se, como tudo o indica, o voto for positivo, a nova Comissão entrará então em funções já em 1 de dezembro, com um mês de atraso à data inicialmente prevista.

Ausente deste colégio de comissários está o Reino Unido, que se negou até ao momento a apresentar um nome devido às eleições legislativas britânicas do próximo mês.