A família do homem de 52 anos que morreu com os seus dois filhos na piscina do resort Club La Costa World, em Espanha, desmente a Guarda Civil e diz que todas as vítimas sabiam nadar. Na sexta-feira, em comunicado, as autoridades espanholas tinham lamentado o “trágico acidente” no hotel, na localidade de Mijas, Málaga, afastando qualquer possibilidade de falha mecânica na estrutura da piscina e apontando, como causa, “a falta de perícia das vítimas a nadar”. No mesmo dia, avançavam à imprensa espanhola e britânica que as vítimas, de origem britânica, não sabiam nadar “corretamente”, o que explicaria aquele desfecho.

Essa informação teria vindo, aliás, da filha mais velha da família. Um porta-voz do sindicato policial Associação Unida das Guardas Civis, citado pelo The Guardian, disse aos jornalistas que, no seu testemunho, “a irmã que sobreviveu disse que eles não sabiam nadar. Com essa informação, somada ao facto de a água na piscina estar muito fria, o mistério do que causou esta terrível tragédia começa a revelar-se”.

Pai e filhos que se afogaram em Espanha não sabiam nadar. A piscina não tinha problemas

Agora, segundo o El Mundo, a viúva e mãe das crianças vem dizer o contrário. Também em comunicado, Olubunmi Diya garante que todos sabiam nadar e que em nenhum momento foi dada outra informação às autoridades. A família diz que explicou à Guarda Civil espanhola que a criança mais nova até estava a ter aulas de natação no Reino Unido. Mais: reafirma que nem o pai nem os filhos conseguiram sair da piscina por causa de um problema na própria estrutura, que lhes dificultou os movimentos.

Alguma coisa fez com que fossem arrastados para o centro da piscina, que é a zona mais profunda, da qual, infelizmente, não conseguiram sair com vida”, insiste Olubunmi Diya.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As perícias à piscina não encontraram, porém, qualquer problema no sistema de filtragem e bombeamento de água — onde tinham sido colocadas as primeiras suspeitas. O Grupo Especial de Atividades Subaquáticas examinou a estrutura, incluindo as válvulas e motores, e “não detetou qualquer irregularidade”.

O acidente aconteceu na terça-feira, véspera de Natal. A polícia acredita que a criança mais nova, Comfort, de 9 anos, estava a brincar na piscina e escorregou para uma zona em que já não tinha pé, por volta das 14h00. Para a ajudar, o seu irmão, de 16 anos, terá saltado para a água, seguido pelo pai. Os três acabaram por morrer.

Pai e filho tentaram salvar outra filha e morreram todos afogados em piscina no sul de Espanha