Com muitos milhões de pessoas em quarentena no mundo por causa do novo coronavírus, os serviços de internet estão a ser mais usados do que o habitual em alguns países — tanto por quem está a trabalhar a partir de casa como por quem se quer entreter, acedendo a plataformas de jogos, streaming e lojas online. A utilização da internet da Vodafone, por exemplo, aumentou até 50% em alguns países europeus.

“A Covid-19 já está a ter um impacto significativo nos nossos serviços e a levar a um aumento da procura da nossa rede”, referiu a empresa ao jornal britânico The Guardian, acrescentando que já foi registado “um crescimento do tráfego em alguns mercados de cerca de 50%”.

Com muitas famílias dentro de portas e escolas e universidades fechadas, os mais novos têm de aceder a material educativo online e as horas de entretenimento baseiam-se essencialmente em jogos digitais, filmes e séries em plataformas de streaming e outro tipo de atividades feitas no mundo online. Face a este aumento de utilização, a Comissão Europeia pediu à Netflix e a outras plataformas de streaming para exibirem imagens com menor definição e, assim, evitarem o colapso da rede devido a um elevado congestionamento. Entretanto, a Netflix anunciou que aceitou o pedido.

O pedido e a “responsabilidade para garantir o bom funcionamento da internet”

O comissário europeu Thierry Breton tinha revelado esta quarta-feira no Twitter que esteve ao telefone com Reed Hastings, presidente da Netflix, e que pediu para que fosse reduzida a definição da plataforma quando não é necessário ver em alta definição. Objetivo: garantir o acesso de todos à internet. “O teletrabalho e as plataformas de streaming ajudam muito, mas as infraestruturas podem estar em dificuldades”, explicou o também responsável pelo mercado interno da União Europeia.

As plataformas de streaming, as operadoras de telecomunicações e os utilizadores têm uma responsabilidade conjunta em adotar medidas para garantir o bom funcionamento da internet durante esta batalha contra a propagação do novo coronavírus”, referiu ainda o comissário europeu em comunicado.

Segundo a CNN, que citava um porta-voz da Netflix, o comissário europeu e o líder da plataforma de streaming iam voltar a discutir o assunto esta quinta-feira. “O comissário Breton está correto ao destacar a importância de garantir que a internet continua a funcionar sem problemas durante este período crítico”, referia o mesmo porta-voz, acrescentando que a plataforma está “focada na eficiência da rede há muitos anos, incluindo fornecer o serviço de ligação aberta gratuitamente a empresas de telecomunicações”. A Netflix dizia ainda que já ajustava a qualidade do serviço de streaming de acordo com o fluxo de utilização.

Mas não são apenas as plataformas de streaming que estão a adaptar-se ao elevado uso da internet. Esta quarta-feira, o Facebook reconhecera que os efeitos desta pandemia também estão a desafiar a capacidade da rede social. Mark Zuckerberg referia, citado também pela CNN, que os serviços estavam a enfrentar “grandes ondas” no uso, uma vez que o novo coronavírus está a forçar milhões de utilizadores a ficarem em casa.

No caso de Portugal, as operadores prometeram um reforço das redes para garantir internet. A Altice, dona da MEO, dava conta à agência Lusa do registo de “um progressivo aumento do tráfego de dados na rede fixa”, essencialmente devido ao número de pessoas em teletrabalho. Para minimizar o impacto destas alterações na vida dos portugueses, a empresa disse também em resposta ao Observador que tem “trabalhando na otimização, robustez e melhoria da rede”. Também a NOS assegurou que a prioridade tem sido “manter Portugal ligado e a comunicar”.

A resposta da Netflix: sim

Através de um comunicado oficial, a plataforma de streaming de filmes e séries de televisão Netflix anunciou ter acedido ao pedido da Comissão Europeia para reduzir a qualidade de transmissão dos seus produtos para evitar mais falhas no acesso à internet, que aumentou muito com as medidas de contenção (como o isolamento social) face ao novo coronavírus.

O período de redução de definição com o qual a Netflix se compromete é de 30 dias. “Estimamos que isto vai reduzir o tráfego da Netflix nas redes europeias em cerca de 25%, ao mesmo tempo que se garante um bom serviço de qualidade para os nossos membros [subscritores]”, lê-se num comunicado citado pela estação norte-americana CNN.