Ai Fen, a médica de Wuhan que alertou para o novo coronavírus na China, está desaparecida, avança o El Español. Os média internacionais avançam que Ai Fen pode ter sido detida.

Quando o novo coronavírus surgiu, as autoridades de segurança pública chinesas puniram 8 pessoas por “espalharem boatos” sobre a doença. Em março, depois de o novo coronavírus se alastrar um pouco por todo o mundo, a médica de Wuhan juntou-se a outros profissionais de saúde para denunciar as condições de saúde pública na cidade, numa entrevista à revista Renwu, depois de ter assistido à morte de vários colegas devido à Covid-19 e de ter criticado as autoridades por tentarem impedir alertas precoces do surto.

A entrevista foi rapidamente removida das redes sociais pelas autoridades. Numa tentativa de escapar à censura do governo chinês, a entrevista foi replicada em código morse e até através de emojis em inúmeras plataformas online.

Segundo o The Guardian, citado pelo jornal El Español, Ai Fen descobriu o primeiro caso da Covid-19 a 30 de dezembro, depois de ver vários doentes com sintomas de gripe que resistiam aos tratamentos de uma gripe normal e de ler, nos testes laboratoriais, as palavras “coronavirus Sars” . A médica foi alertada pelo hospital onde trabalhava de que não deveria divulgar a informação para evitar o pânico, mas aconselhou os colegas a usarem material de proteção, mesmo contra as indicações dos seus superiores.

Depois de tentar alertar o mundo para a propagação desta doença, a médica terá desaparecido sem deixar rasto. Rumores avançam que Ai Fen terá sido detida pelo governo chinês.