Os novos Clio e Captur vão passar a disponibilizar versões bi-fuel, a gasolina e GPL (Gás de Petróleo Liquefeito), reforçando a aposta do Grupo Renault em motorizações que conciliam uma menor pegada ecológica, por assegurarem menos emissões poluentes, e custos de utilização de inferiores, na medida em que o preço por litro do GPL é sensivelmente metade do valor praticado para a gasolina.

Utilitário e crossover vão, assim, passar a dispor do motor TCe 100 Bi-Fuel, equipado com válvula de retenção, limitador de enchimento a 80%, limitador de fluxo, electroválvula e válvula de segurança. Tudo isto à saída de fábrica, ou seja, com a Renault a garantir que não há quaisquer concessões em matéria de “qualidade, fiabilidade (os planos de manutenção e as garantias são em tudo idênticos às versões a gasolina ou diesel) e segurança”.

Face às versões equipadas com o mesmo motor a gasolina, o preço da alternativa bi-fuel agrava-se em 800€, diferença essa que pode facilmente ser recuperada, seja pela maior economia de utilização, seja por usufruir do programa de abate para veículos com mais de 12 anos lançado pela Renault. Neste último caso, o incentivo da marca à compra de um bi-fuel é de 1250€. Quanto à redução dos custos de utilização, a Renault estima que “para uma quilometragem anual de 20.000 km, realizada maioritariamente recorrendo ao GPL, a diminuição no custo do combustível ascende a quase 450€, quando comparado com o motor a gasolina com a mesma potência”.

O Renault Clio TCe 100 Bi-Fuel está disponível pelo valor de 18.610€, com o nível de equipamento Intens, enquanto o Captur (informação de produto aqui) é comercializado a partir de 20.790€, no nível de equipamento Zen, sendo o Exclusive proposto por 22.590€.