O médio bielorrusso do Vilafranquense, Nikita Korzun, revelou este sábado à Lusa estar a cumprir o seu confinamento devido à pandemia de covid-19 em Minsk, enquanto a Liga bielorrussa de futebol prossegue normalmente.

“É um dos poucos países onde ainda se joga futebol. A federação decidiu parar as divisões inferiores e manter a primeira divisão, e os jogadores não podem fazer nada. As pessoas estão nas bancadas, muitas com máscara e com os devidos cuidados, mas os jogadores não se podem negar, pois a federação continua a entender que está tudo bem”, afirmou Korzun.

A Liga bielorrussa começou em 19 de março, numa altura em que a esmagadora maioria dos campeonatos de futebol na Europa foi suspensa, devido ao crescimento de infeções pelo novo coronavírus.

O primeiro registo de infeção na Bielorrússia ocorreu em 28 de fevereiro, e o país contabiliza 42 mortes num total de 4.778 casos.

Desde o início da pandemia, o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, tem apontado várias terapias para a doença, como frequentar saunas ou beber vodka.

“O presidente falou nisso, mas não estou de acordo. Sou desportista profissional e não bebo vodka, mas há quem goste de beber. Ir a uma sauna só se for com a família. Mesmo assim, nas ruas de Minsk, nota-se que há menos pessoas, que estão a ser compreensivas com a situação e, apesar de eu praticamente não sair, disseram-me que os centros comerciais também limitaram o acesso de pessoas”, salientou o médio de 25 anos.

Enquanto segue as instruções sanitárias, numa quarentena cumprida com a mulher e a filha, o jogador do emblema de Vila Franca de Xira assegurou estar a treinar para manter a forma.

“Corro cerca de 50 minutos de manhã cedo, para não encontrar outras pessoas, pela floresta perto de minha casa. Depois de almoço, treino no ginásio que tenho em minha casa, faço musculação e fitness para estar pronto. Mas raramente saímos de casa, porque gostamos muito de brincar com a minha filha”, descreveu.

Nikita Korzun, que conta 16 internacionalizações pela Bielorrússia, assinalou ainda as saudades da vida de futebolista: “Já sinto falta dos treinos, dos jogos e dos meus companheiros de equipa.

O médio formado no Dínamo Minsk chegou ao clube ribatejano no início desta época, por empréstimo do Dínamo Kiev, emblema pelo qual assinou em 2015/16 e que já o tinha cedido aos sauditas do Al Fateh.

O Vilafranquense ocupava o 16.º e antepenúltimo lugar da I Liga, com 24 pontos, quando a competição foi suspensa, em 12 de março, após 24 jornadas, enquanto na Bielorrússia se disputa este fim de semana a quinta ronda do principal campeonato do país.