Foram apanhados e detidos por furarem as restrições impostas durante o estado de emergência mas, afinal, eram suspeitos de outros crimes. Ao todo, as autoridades portuguesas detiveram 33 pessoas nessas circunstâncias durante o período excecional que o país viveu entre 22 de março e 2 de maio. A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias na sua edição impressa.

Durante pouco mais de um mês, as diferentes polícias realizaram ações de fiscalização para verificarem o cumprimento das diferentes regras do estado de emergência — que impunha a todos o dever de recolhimento domiciliário e obrigação de confinamento para doentes infetados ou em vigilância ativa. Foi neste contexto que casualmente as autoridades constataram que 33 dos cidadãos detidos eram, afinal, suspeitos de outros crimes.

A maior parte dos casos detetados está relacionada com tráfico de droga mas também foram detidas pessoas que estavam a conduzir carros roubados, sem carta ou alcoolizados, refere o JN.

Ao todo, foram apreendidas nestas operações de fiscalização do cumprimento das medidas do estado de emergência quase 15 mil doses individuais de droga, a maioria das quais de haxixe (8.100) e cocaína (6.400). E dessas 33 pessoas que polícias e militares abordaram no terreno e acabaram por deter por crimes alheios à violação do estado de emergência, pelo menos sete foram detidas na fronteira — quando tentavam entrar em Portugal para alegadamente consumar o crime de tráfico de estupefacientes.