Um trabalhador de uma exploração de visons na Holanda pode ter sido infetado com o novo coronavírus através do contacto com estes animais, segundo avança esta quarta-feira o El País. Estes animais, muito semelhantes a uma doninha, são criados para alimentar a indústria das peles. De acordo com investigadores citados por este jornal espanhol, esta infeção pode ter sido de um animal para o humano e é a primeira vez que se regista uma possível transmissão do SARS-CoV-2 nestas condições.

“Provavelmente, neste caso concreto, trata-se de contágio de animal para pessoa porque as sequências do genoma do vírus de ambos são quase idênticas”, afirmou Wim van der Poel, investigador da Universidade de Wageningen, citado pelo “El País”. “Para estarmos completamente seguros, teríamos de fazer o mesmo: sequenciar o código genético do vírus, com amostras extraídas de todas as pessoas que trabalham ou estão relacionadas com a exploração e que também tenham adoecido”, referiu ainda.

No final do mês de abril o Ministério da Agricultura da Holanda, liderado por Carola Shouten, tinha confirmado que pelo menos em duas explorações destes animais tinham sido registados casos positivos entre os animais — que apresentaram problemas respiratórios como sintomas. Agora, num novo comunicado, foi o próprio Governo a comunicar que numa dessas explorações, onde havia animais positivos, um trabalhador tinha sido também infetado, levando a uma tomada de medidas. Agora todos entram com fatos de proteção e não há visitas a estas fazendas. Há cerca de 140 espaços destes nos Países Baixos e todos serão sujeitos a testes.

No entanto, o governo que acredita que os gatos é que podem ter desempenhado um papel na disseminação do vírus entre as fazendas. É que, segundo afirma, a Covid-19 foi encontrada em três dos 11 gatos numa dessas empresas “Com base nos novos resultados da investigação em curso sobre infeções por Covid-19 em fazendas de martas, é plausível que uma infeção tenha ocorrido de um mustela vison para humanos”, lê-se no comunicado.

O Governo holandês quer perceber mais sobre esta possível transmissão de animais para humanos. A porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Fadela Chaib, disse em abril que até agora as evidências apontam para que o coronavírus tenha tido origem em morcegos, que poderão eventualmente ter transmitido o vírus a outros animais. Recorde-se que o epicentro da doença foi no mercado chinês de Wuhan, onde se vendem animais vivos, e cujo consumo de carne de animais selvagens acaba de ser banido nos próximos cinco anos.

Wuhan proíbe consumo de carne de animais selvagens durante cinco anos