“A Espanha fez o que deve e agora abrem-se novos horizontes para todos. Chegou o momento de recuperar muitas das atividades quotidianas e a partir de 8 de junho volta a Liga”. Foi desta forma que Pedro Sánchez, primeiro-ministro de Espanha, anunciou o regresso do futebol no país, numa data até mais próxima do que era pensado, na medida em que todo o calendário de regresso à competição estava feito para haver um mês e meio de preparação – mas que pode não ser cumprida pela Liga, que já avisou que só volta com todas as condições.

Liga e federação espanhola acordam regresso aos treinos sob condições

“O futebol espanhol tem um seguimento massivo mas não será a única atividade recreativa que iremos recuperar porque também há os museus, os teatros… Devemos começar a reativar a atividade económica. Uma dessas atividades é a hotelaria e o turismo, que têm um papel fundamental para a criação de emprego. Chegou o momento. Anuncio também que vai haver época turística no verão e convido todos os estabelecimentos para que se preparem para reativarem as suas atividades em poucos dias”, referiu Pedro Sánchez, acrescentando: “A partir de julho será autorizada a entrada do turismo estrangeiro em Espanha. O nosso turismo terá dois novos selos, o da segurança e o da sustentabilidade. Quem nos visite pode ter a garantia de que vai pisar um terreno seguro.

Num dia marcado pela manifestação de protesto contra o governo convocada pelo Vox que contou com centenas de carros a entupirem as principais artérias rodoviárias de Madrid, o primeiro-ministro de Espanha traçou ainda um cenário de toda a evolução da pandemia no país, destacando que “o mais difícil já passou”. “Estamos a ver o final do túnel, agora o epicentro [da pandemia] passou para outros pontos do planeta, como está a acontecer por exemplo no continente americano. A resposta da população espanhola foi formidável, todos cumpriram a sua missão e uniram-se para fazer frente a esta pandemia”, salientou o líder do governo espanhol, anunciando ainda dez dias de luto pelas vítimas de Covid-19 que serão cumpridos a partir de terça-feira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O primeiro objetivo era dobrar a curva. O segundo objetivo era fazer com que os recuperados passassem os novos casos. O terceiro objetivo seria reduzir ao máximo a propagação do vírus. Ontem, o índice de reprodução [o R] era de 0.20. Hoje podemos dizer que conseguimos. Fizemos o caminho correto. Foi o povo espanhol que fez o vírus retroceder. A partir de segunda-feira todo o território já estará na fase 1 ou 2, já nos podemos reencontrar com os nossos familiares e amigos, o comércio vai abrir e as ruas vão recuperar a sua vitalidade. Estamos a um passo da vitória mas o vírus continua e é vital não relaxarmos”, completou em conferência de imprensa.

Pedro Sánchez anuncia plano de choque económico de 200 mil milhões de euros para fazer frente à crise do coronavírus

Entre muitas outras frases de incentivo ao turismo – para os turistas, a garantia de que não deve haver receio; para a atividade, o pedido para que não tenham problemas em regressar àquela que é nesta fase a normalidade possível –, o setor mais beneficiado pelo ERTE (equivalente ao layoff em Portugal) ao abranger 917.000 trabalhadores de 143.000 empresas e também aquele que mais beneficiou das linhas de crédito num total de 6,441 milhões de euros, Sánchez anunciou ainda o “Ingreso Mínimo Vital (uma “Renda Mínima de Vida”, na tradução possível), benefício da Segurança Social que irá chegar a 850.000 famílias e que começará a ser distribuído a partir de junho.

Espanha aponta para julho retoma do turismo estrangeiro em segurança