A Escola Secundária do Lumiar, em Lisboa, foi encerrada na terça-feira, depois de ter sido identificado um segundo caso de infeção por novo coronavírus na comunidade escolar que tinha regressado às aulas presenciais. Os encarregados de educação dos alunos da escola foram informados através de um comunicado assinado pelo diretor da escola, João Martins, a que o Observador teve acesso.

Quanto a este caso, Pedro Delgado Alves, presidente de Junta de Freguesia do Lumiar (e também deputado pelo PS na Assembleia da República), afirmou à Rádio Observador: “O essencial da parte letiva estava concluído, portanto, já estavam, no fundo, a arrumar o semestre (…). Optaram por tomar essa decisão como aconteceu, aliás, noutros pontos do país em casos semelhantes”.

O político disse que todas as pessoas que contactaram com estes alunos estão a ser testadas. Além disso, Pedro Delgado Alves refere que a realização de exames não será afetada. “A escola é muito ampla, tem um complexo educativo [grande]”. Por isso, segundo Pedro Delgado Alves, há alternativas para continuarem a realizar-se os exames nesta escola.

Covid-19 fecha escola. “Semestre estava arrumado”

Segundo o comunicado, o primeiro caso de infeção com a Covid-19 foi identificado num aluno da turma B do 11.º ano, que terá sido infetado por algum elemento do “agregado familiar” e o segundo caso, identificado no dia em que foi determinado o encerramento da escola, é de um aluno do 12.º ano que, segundo o mesmo comunicado, também foi infetado em ambiente familiar. A direção da escola acrescenta que em ambos os casos se trata de “contágio exterior à escola” e não em ambiente escolar.

“Tivemos conhecimento desta situação hoje de manhã (dia 23) e de imediato contactámos a saúde escolar que nos informou dos procedimentos a observar, nomeadamente a determinação de isolamento profilático para todos os alunos (12o A e 11o B), professores e auxiliares que mais diretamente contactaram com o aluno afetado, a que se seguirá oportunamente o teste de rastreio”, escreve o diretor da escola no comunicado que acrescenta que a decisão de “encerrar as aulas presenciais em todas os anos de escolaridade” foi tomada em conjunto com a delegada de Saúde Pública e a direção do Agrupamento de Escolas Lindley Cintra que a Escola Secundária do Lumiar integra.

Ao Observador Paulo Vicente, adjunto do diretor da Escola Secundária esclareceu que as duas turmas e professores que estiveram em contacto com os dois casos positivos “já foram testados” e “haverá mais uma leva” de testes ainda a realizar a alguns elementos da comunidade escolar que estavam a ter aulas presenciais, totalizando 198 alunos. Em relação aos testes já efetuados, Paulo Vicente acrescenta que “foram todos negativos”.

No total, até terça-feira, tinham regressado à Escola Secundária do Lumiar oito turmas, com 198 alunos e 12 professores, com os respetivos auxiliares de educação (a funcionar em turnos rotativos). Todos estarão agora em casa, com as turmas do 11.ºB e 12.ºA a serem obrigadas a cumprir “isolamento profilático”, uma vez que os casos positivos foram identificados nessas turmas.

Recorde-se que a freguesia do Lumiar também chegou a estar referenciada pela DGS, devido aos casos detetados no Lar dos Inválidos do Comércio, mas o Governo entendeu que os casos estavam confinados ao espaço físico do lar, optando por não estender o estado de calamidade a esta freguesia do concelho de Lisboa (aplicando-se apenas na freguesia de Santa Clara).

Travão a fundo no desconfinamento. Governo impõe dever de recolhimento nas 19 freguesias mais afetadas

*Notícia atualizada às 10h03 de 26 de junho com declarações do presidente da Junta do Lumiar, Pedro Delgado Alves.