Tudo começou quando a seleção inglesa recebeu uma exceção, por parte das autoridades de saúde da Islândia, para não cumprir os obrigatórios cinco dias de isolamento que todos os visitantes do país têm atualmente de acatar. Com jogo marcado para o passado sábado, Inglaterra conseguiu essa exceção, que indicava então que nenhum elemento da comitiva poderia ter contacto com qualquer pessoa do exterior da “bolha”. Segundo a Federação inglesa, nem os familiares dos jogadores poderiam viajar para a Islândia para acompanhar a seleção.

Ora, Inglaterra venceu (0-1) e volta a jogar já na terça-feira, na Dinamarca. Mas quem não fará parte das opções de Gareth Southgate será a dupla Phil Foden e Mason Greenwood. Os dois jovens jogadores, que tiveram ambos a primeira internacionalização com a Islândia (o primeiro na condição de titular, o segundo como substituto), já não treinaram esta segunda-feira de manhã e o selecionador confirmou, na conferência de imprensa de antevisão da partida, que foram suspensos da convocatória e vão regressar a Inglaterra. O motivo? O desrespeito pelas medidas de segurança que são obrigatórias devido à pandemia de Covid-19.

Ao que parece, e segundo o que foi reportado inicialmente pelo jornal islandês DV, na noite deste domingo os dois jogadores chamaram duas raparigas aos respetivos quartos de hotel, em Reiquiavique, algo que obviamente quebra as indicações iniciais da exceção permitida à seleção inglesa. As duas raparigas partilharam fotografias nas redes sociais — onde Foden, de 20 anos, e Greenwood, de 18, são claramente identificáveis — e essas mesmas imagens foram parar ao domínio público.

“Infelizmente, esta manhã, fui alertado para o facto de que dois dos rapazes tinham quebrado as regras de segurança da Covid-19 no que toca à nossa ‘bolha’. Tivemos de decidir muito rapidamente que eles não poderiam ter qualquer interação com a equipa. Não tinham condições para viajar para o treino. Tendo em conta o protocolo que têm de seguir, vão viajar de regresso a Inglaterra separadamente”, disse Southgate, detalhando também que a suspensão não foi um simples castigo mas sim uma medida de segurança face aos restantes jogadores. Questionado sobre se era verdade que os dois jovens tinham convidado raparigas para os quartos, o selecionador inglês voltou a recentrar a questão no ponto sanitário.

“Nada aconteceu nas áreas que ocupamos no hotel. Estamos a começar a chegar à profundidade de toda a informação. Só soube de tudo antes do treino. Foi uma clara quebra das regras da Covid-19. Não temos qualquer outra alternativa que não seja fazer aquilo que estamos a fazer. Foram ingénuos. Tenho noção da idade deles mas o mundo inteiro está a lidar com esta pandemia e existe a responsabilidade de todos os grupos etários de fazer a sua parte e não disseminar o vírus. Eles já pediram desculpa”, terminou Gareth Southgate. Entretanto, também o Manchester City — que esta segunda-feira confirmou testes positivos de dois jogadores, Mahrez e Laporte — e o Manchester United, os clubes de Phil Foden e Mason Greenwood, emitiram comunicados a condenar a atitude dos dois jovens.