Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A reforma do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) poderá vir a implicar a passagem para a Polícia Judiciária (PJ) das competências criminais relacionadas com as redes de imigração ilegal e do controlo das fronteiras terrestres para a Guarda Nacional Republicana (GNR).

Ao que o Observador apurou, essa é uma das ideias em cima da mesa do Governo para fazer cessar o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) como órgão de polícia criminal e focar esta entidade — que poderá vir a ter um novo nome — única e exclusivamente nas funções administrativas relacionadas com autorizações de residências, os vistos gold (as autorizações de residência para atividade de investimento) e os asilos. Uma hipótese que já foi igualmente noticiada pela TVI.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.