O mais recente caso de Covid-19 no Governo é o o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho. O seu gabinete anunciou este domingo que testou positivo para o novo coronavírus — é assim o sétimo ministro a ficar infetado, cinco dos quais em janeiro de 2021.

Em comunicado, o Ministério da Defesa adiantou que o governante apresenta sintomas ligeiros da doença, encontrando-se em confinamento e a trabalhar à distância. Dos sete ministros que já ficaram infetados, todos ficaram em confinamento e apenas quatro apresentaram sintomas, incluindo Cravinho. E praticamente todos terão continuado a trabalhar a partir de casa numa altura em que Portugal tem entre mãos a presidência da União Europeia.

Este número representa mais de um terço de todos os 19 ministros que compõem o elenco do segundo Governo liderado por António Costa. Por causa destas infeções houve também alguns titulares em confinamento preventivo como o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes. Já António Costa também esteve confinado, não por causa dos seus ministros, mas devido a um encontro com o Presidente francês Emmanuel Macrón.

Marta Temido a ministra da Saúde não faz parte do leque de infetados, mas a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, foi a primeira responsável por um alto cargo ligado ao combate da pandemia a ficar infetada.

Ainda há apenas dois dias, 22 de janeiro, foi anunciado que a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, estava infetada — também ela sem sintomas. Antes, no dia 19 de janeiro, o Governo confirmou que o ministro de Estado da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, também tinha testado positivo — ele, ao contrário dos seguintes, apresentava “alguns sintomas”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Siza Vieira testou positivo depois de ter estado em contacto com o ministro da Finanças, João Leão, que tinha testado positivo ao novo coronavírus três dias antes, a 16 de janeiro. João Leão não teve qualquer sintoma e no dia 19 presidiu, ainda infetado, ao Conselho de ministros das Finanças da União Europeia, a partir de Lisboa por videoconferência.

Dois dias antes, a 14 de janeiro, o Governo confirmou que a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, tinha testado positivo à Covid-19. A governante teve “sintomas ligeiros” e ficou em confinamento domiciliário, sendo substituída temporariamente nas suas funções pelo Secretário de Estado Adjunto, do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita.

No ano passado, já dois ministros tinham testado positivo ao novo coronavírus. Em novembro, o ministro do Planeamento, Nelson de Souza, recebeu um teste positivo depois de o secretário de Estado do Planeamento, Ricardo Pinheiro, ter sido diagnosticado com covid-19. Nelson de Souza teve também “sintomas ligeiros” — foram esses sinais, aliás, que o levaram a fazer o teste.

O primeiro ministro a testar positivo, ainda em outubro, foi o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor. Numa nota enviada no dia 12 desse mês, era dito que o governante não tinha sintomas.

Manuel Heitor. “Provavelmente fui infetado durante as refeições”