Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A necessidade de controlo do número de casos de infeção com SARS-CoV-2 na região de Lisboa e Vale do Tejo obriga a implementação de medidas específicas nesta região, anunciou o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales.

Como a região de Lisboa e Vale do Tejo tem uma menor percentagem da população vacinada (32%) com, pelo menos, uma dose da vacina contra a Covid-19, quando comparada com a região Centro (38%), por exemplo, uma das medidas passa pelo reforço da testagem e pela colocação de postos móveis para aumentar a testagem por oportunidade. O governante anunciou ainda que seria feita uma aceleração da vacinação no concelho, começando para os maiores de 40 anos a 6 de junho e para os maiores de 30 a 20 de junho. Essas datas, porém, já estavam previstas pela task force da vacinação para todo o país, não sendo a capital uma exceção. Assim, a grande novidade está na testagem.

Lisboa, afinal, não vai ser exceção. Vacinação para maiores de 30 e 40 arranca na mesma altura em todo o país

Antecipação da próxima fase de testagem regular dos alunos, docentes e não docentes:

  • 27 de maio — testagem de alunos, docentes e não docentes no ensino secundário no concelho de Lisboa;
  • entre 31 de maio e 1 junho — testagem de docentes e não docentes nos estabelecimentos do pré-escolar, do primeiro ciclo do ensino básico e do ensino secundário, nos concelhos com mais de 120 novos casos por 100 mil habitantes a 14 dias;
  • entre 14 e 18 de junho — testagem dos docentes e não docentes nos estabelecimentos do segundo e terceiro ciclo do ensino básico, nos concelhos com mais de 120 novos casos por 100 mil habitantes a 14 dias;
  • 26 de maio — testagem de alunos, docentes e não docentes nos estabelecimentos do ensino superior — 23 instituições já disseram estar disponíveis para participar na testagem;
  • 26 de maio — testagem e sensibilização nas residências universitárias, públicas e privadas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Programa de testagem regular e sensibilização para as medidas de proteção:

  • reforço do programa a partir de 27 de maio para migrantes e requerentes de asilo;
  • reforço do programa a partir de 31 de maio para populações vulneráveis, com recurso a unidades móveis;
  • ações a partir de 28 de maio para os prestadores de serviços de entregas, serviços de táxi e TVDE, na proximidade de pontos de colheita;
  • postos móveis de testagem, a partir de 28 de maio, entre as 19 e as 22 horas, nas zonas de concentração de convívio de jovens e adultos, como no Bairro Alto e Cais do Sodré;
  • postos móveis de testagem, a partir de 31 de maio, no interface de transportes e zonas de grande circulação, como na Gare do Oriente;
  • a partir de 31 de maio haverá postos móveis nas zonas com grandes aglomerados de estabelecimentos de comércio, restauração, hotelaria, mercados e feiras.

A região de Lisboa e Vale do Tejo continua a ser aquela em que se registam mais novos casos, com um aumento de 175 contágios nas últimas 24 horas. A percentagem também voltou a subir, enquanto que na segunda-feira o número de casos nesta região representava 40% dos do país, no boletim da Direção-Geral da Saúde desta terça-feira aumentou para 46,7%.

Na conferência de imprensa estiveram presentes o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, o presidente do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, Fernando Almeida, e com o Diretor de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde, André Peralta Santos.

Sendo o motivo principal a região de Lisboa, estiveram também presentes o coordenador da resposta à Covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT), Duarte Cordeiro, do vereador da Proteção Civil da Câmara Municipal de Lisboa, Miguel Gaspar, do presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), Luís Pisco, e do delegado regional de Saúde Pública de LVT, António Carlos da Silva.

*Artigo atualizado às 20h48 com a indicação de que a anunciada aceleração da vacinação para maiores de 40 e 30 anos não representa, afinal, uma medida excecional para Lisboa