Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A “nova variante do Nepal” (como lhe chamou o governo britânico) não é uma variante, nem tão pouco a referida mutação é nova ou desconhecida da comunidade científica, mas foi o suficiente para o Reino Unido tirar Portugal da lista verde das viagens.

A variante de base é a Delta (ou linhagem B.1.617.2 da variante indiana) com uma mutação que já tinha sido identificada na localização K417 nas variantes Beta (da África do Sul) e Gamma (de Manaus, Brasil). Nestes três exemplos, a mutação do gene 417 do SARS-CoV-2, ainda que equivalente, surgiu de forma independente em momentos e regiões geográficas distintas.

A mutação K417N, por si só, não tem um grande impacto na capacidade de o vírus infetar as células humanas, explica Maria João Amorim ao Observador, mas quando aparece associada a outras mutações, o impacto é muito maior. Por enquanto a prevalência da variante indiana e da mutação K417N associada a esta variante é baixa, mas a virologista defende que é preciso estar atento às hospitalizações e à presença da variante e da mutação entre os doentes internados.

Tem sentido fazer a sequenciação genética dos vírus de, pelo menos, 10% das pessoas hospitalizadas”, disse a investigadora do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Do que falamos quando nos referimos a esta variante e/ou mutação do Nepal?

A variante Delta, com origem na Índia, tornou-se dominante no Nepal e, alguns vírus já isolados desta variante (poucos), mostraram ter uma mutação adicional, a K417N. Isto não significa que tenha surgido uma nova variante e a Organização Mundial de Saúde (OMS) também não confirma que isso tenha acontecido, refere a BBC.

“O que sabemos dela [da mutação] até agora é que pode – atenção, pode – dar um pouco mais de transmissibilidade”, explicou João Paulo Gomes ao Público. “Não há qualquer evidência de que esta sub-linhagem seja pior. Os ingleses acham que ela se vai portar mal. Com 90 casos em todo mundo o que me ocorre dizer é que isto é uma tempestade num copo de água“, acrescentou o investigador do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (Insa).

K417N: a mutação que explica a decisão do Reino Unido e está a preocupar os cientistas

O que ganha (e perde) o vírus por ter esta mutação?

A mutação K417N, estudada inicialmente como parte da variante Beta, faz com que o vírus escape aos anticorpos, quer os produzidos naturalmente pelo organismo, quer os anticorpos monoclonais presentes nos tratamentos contra a Covid-19.

A questão é que a alteração na proteína, provocada por esta mutação, não permite apenas uma fuga ao sistema imunitário, também faz com que a proteína spike do vírus não se consiga ligar tão bem às células humanas — o que não é uma coisa boa para o vírus.

Assim, a mutação ajuda o vírus a escapar ao sistema imune, mas diminui a capacidade de infetar as nossas células, como demonstrado numa publicação do Journal of Medicinal Chemistry.

Quer isso dizer que não nos precisamos de preocupar com a mutação K417N?

Podíamos ser levados a pensar que as variantes Delta, Beta e outras com a mutação K417N seriam, assim, menos competitivas, por terem menor afinidade para se ligarem às células humanas do que o vírus original (de Wuhan). Até porque a capacidade que têm para escapar ao sistema imunitário não é assim tão grande, segundo os dados da equipa da virologista Maria João Amorim, disponibilizados na plataforma de pré-publicação bioRxiv.

Mas temos de ter em consideração a importância de existirem outras mutações na mesma variante. As mutações D614G, N501Y e L452R, por exemplo, estão associadas a um aumento da capacidade do vírus se agarrar às células humanas e de aumentar a transmissão.

Assim, a ação de umas mutações acaba por compensar as limitações das outras, diz da investigadora do IGC, dando um exemplo do próprio trabalho de investigação que conduziu. A mutação E484K, só por si, permite escapar ao sistema imunitário, mas quando combinada com as mutações K417N e N501Y, como acontece na variante Beta e na Gamma (ainda que a mutação seja ligeiramente diferente, K417T), o impacto é ainda maior.

Assim, a combinação permite escapar ao sistema imunitário e ligar-se às células humanas de forma mais eficaz.

Reino Unido, África do Sul e Brasil. Erik e Nelly, as mutações que fazem temer as três novas variantes do coronavírus

E o que acontece no caso da variante indiana?

A linhagem B.1.617.2 da variante indiana (Delta), considerada de preocupação pela OMS e Reino Unido, tem outras mutações, como a D614G, associada a um aumento a transmissibilidade, a L452R, também associada ao aumento da transmissibilidade e à redução da neutralização pelos anticorpos, e a P681R, que poderá também afetar a capacidade de entrada nas células humanas (mas ainda precisa de ser mais bem estudada).

As outras linhagens da variante indiana B.1.617.1 (Kappa) e B.1.617.3 também têm as mutações D614G e L452R. Além disso, têm a mutação E484Q — mas ainda não se sabe se a capacidade de escapar ao sistema imunitário é igual à da mutação E484K.

As vacinas continuam a proteger contra a variante indiana?

A quantidade de anticorpos neutralizantes contra a variante Delta é cinco vezes menor do que contra o vírus original (de Wuhan), mesmo em pessoas que tenham tomado as duas doses da vacina, revelam os dados do Instituto Francis Crick e do Instituto Nacional de Investigação em Saúde (Reino Unido) publicados na revista científica The Lancet.

Em relação às pessoas que tinham tomado apenas uma dose da vacina da Pfizer/BioNTech, 79% tinham uma quantidade considerável de anticorpos neutralizantes para a variante original, 50% para a variante britânica, 32% para a variante indiana (Delta) e 25% para a variante sul-africana. Estes resultados levam os investigadores a sugerir que se reduza o intervalo entre as doses da vacina da Pfizer-BioNTech (que no Reino Unido pode ir até 12 semanas).

“Contudo, estes dados não nos dizem se a vacina é menos eficaz na prevenção de doença graves, de internamentos e de morte [por Covid-19]”, lembra Eleanor Riley, professora de Immunologia e Doenças Infecciosas da Universidade de Edimburgo, que não fez parte do estudo. Pode ser que, mesmo em menor quantidade, os anticorpos consigam neutralizar as novas variantes, acrescenta.

Portugal sai da lista verde do Reino Unido. Governo lamenta “decisão cuja lógica não se alcança”

Quantos casos já se conhecem?

Já foram identificados, pelo menos, 90 casos da variante Delta com esta mutação adicional K417N. Destes, 12 foram identificados em Portugal e 36 no Reino Unido, reporta a BBC.

Em Portugal já foram identificados 74 casos da linhagem B.1.617.2 (Delta) e nove da linhagem B.1.617.1 (Kappa), segundo os dados do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, divulgados esta sexta-feira. A prevalência da variante indiana continua, assim, baixa (4,8%), segundo o instituto.

Uma mutação adicional é suficiente para se falar de uma nova variante?

A resposta mais simples é não. Basta olhar para o caso da variante Alpha, que teve origem em Kent (Reino Unido), e que, em determinado momento, foram encontrados casos da variante com uma mutação adicional, a E484K, que tornava a variante Beta (sul-africana) preocupante. Mas estes casos da variante britânica com a mutação adicional nunca ganharam expressão suficiente no país para se justificar considerar uma nova variante.

Por outro lado, a mutação D614G, que surgiu numa fase inicial da pandemia, tornou-se dominante na maioria dos países, incluindo na Europa e em Portugal (até ser substituída pela variante britânica). A variante Alpha pode mesmo ter descendido desta linhagem com a mutação D614G, à qual se juntaram uma série de outras mutações relevantes.

Quais as mutações mais importantes para o vírus?

As mutações podem acontecer sempre que os vírus se multiplicam. Entre elas, umas terão impactos negativos para o vírus, fazendo com que seja eliminado, outras não terão qualquer impacto (não trazem vantagens, nem desvantagens), mas outras haverá que trarão grandes mudanças. Assim, podem alterar a capacidade de replicação ou de transmissão, tornarem-se capazes de escapar ao diagnóstico ou ao sistema imunitário, aumentarem a severidade da doença ou serem capazes de mudar de hospedeiro, enumera Maria João Amorim.

No caso do SARS-CoV-2 há dois tipos de mutações que são particularmente importantes seguir: as que permitem que o vírus se escape ao sistema imunitário e as que aumentam a capacidade de replicação do vírus (como se multiplica mais, as pessoas terão mais vírus a atacar o próprio organismo e transmitirão mais a outras pessoas).