Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A variante sul-africana do SARS-CoV-2 foi detetada em Portugal. Por enquanto ainda só foi registado um caso — diagnosticado a 7 de janeiro —, mas o próximo passo é rastrear os contactos desse cidadão sul-africano, residente em Lisboa, que regressou à capital pouco depois do Natal. Portugal regista, assim, a presença de duas das três variantes que mais atenção e preocupação estão a despertar no momento — a da África do Sul, a do Reino Unido e a do Brasil (esta última é a que ainda não foi detetada por cá).

A variante do Reino Unido pode vir a representar 60% dos casos positivos no início de fevereiro, revelou esta quarta-feira um relatório do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (Insa) com o laboratório Unilabs. E foi motivo suficiente para o primeiro-ministro, António Costa, decidir encerrar as escolas durante 15 dias. Mas a variante da África do Sul será “potencialmente mais perigosa”, disse João Paulo Gomes, investigador do Insa, esta sexta-feira, à RTP1.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.