288kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

i

Está marcada para esta segunda-feira nova reunião de peritos e responsáveis políticos no Infarmed. Modelo da Universidade de Washington poderá ser um dos analisados

NurPhoto via Getty Images

Está marcada para esta segunda-feira nova reunião de peritos e responsáveis políticos no Infarmed. Modelo da Universidade de Washington poderá ser um dos analisados

NurPhoto via Getty Images

11 mil, 8 mil ou 4 mil mortes no próximo dia 1 de janeiro. São estas as projeções da Universidade de Washington para a Covid-19 em Portugal /premium

Modelo americano assenta em dados recolhidos em tempo real. Previsões foram divulgadas pelo social-democrata Ricardo Baptista Leite, em vésperas do retomar das reuniões de peritos no Infarmed.

Os três cenários são maus — mas alguns são bastante piores do que outros. Atualizadas na passada quinta-feira, as projeções para a Covid-19 do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME), um centro de investigação sobre saúde mundial da Universidade de Washington, traçam um futuro muito pouco auspicioso para Portugal no que à pandemia diz respeito.

Na melhor das hipóteses — que pressupõe que 95% da população passe a usar máscara já nos próximos dias e que, depois de um período de alívio das medidas de restrição, seja decretado um novo confinamento de seis semanas quando ou se o número de mortes diárias atingir o rácio de 8 por cada milhão de habitantes —, a previsão aponta para que no próximo dia 1 de janeiro de 2021 haja um total acumulado de 4.016 mortes em Portugal, consequência da atual e de uma segunda vaga da pandemia.

No pior cenário possível — não há alteração na utilização de máscaras, mas as medidas de restrição são aliviadas, e um segundo confinamento nunca chega a ser decretado — o número de mortos em solo nacional à mesma data poderá disparar, segundo as previsões, para os 11.253.

Os três cenários prevêm resultados consideravelmente diferentes no que respeita ao número de mortes por Covid-19 em Portugal

A chamada “projeção atual” fica no meio. Se tudo continuar a correr como até agora — este modelo prevê que as máscaras sejam obrigatórias em espaços públicos fechados, mas não na rua, e que as medidas de restrição social continuem a ser aliviadas por agora, mas que o País volte a fechar-se por seis semanas, assim que o número de casos disparar, exatamente como no primeiro cenário —, o número de mortes expectável para Portugal a 1 de janeiro do próximo ano será de 8.113. Até este domingo, e desde dia 16 de março de 2020, tinham morrido em todo o País por complicações associadas à Covid-19 1.840 pessoas.

Calculadas através de um modelo híbrido, que assenta sobretudo em dados recolhidos em tempo real, cruzados com elementos estatísticos e modelos de transmissão de doenças, as projeções do IHME para Portugal foram partilhadas este fim de semana, via Twitter, por Ricardo Baptista Leite, médico, deputado social-democrata e porta-voz do partido para as questões relacionadas com a área da Saúde.

Na véspera do regresso das reuniões de peritos e responsáveis políticos no Infarmed, marcado para esta segunda-feira, no Porto (recorde-se que no início de julho os encontros foram subitamente cancelados pelo Governo, apesar dos protestos da oposição), o deputado do PSD mostrou-se expectante relativamente às “recomendações dos especialistas” para o inverno que se aproxima. E partilhou as previsões, que considera “muito preocupantes”, da conceituada universidade americana para os próximos meses em Portugal.

Quinta-feira, 3 de dezembro, o pico das infeções em Portugal?

Por muito que não passem disso mesmo — de projeções —, os modelos do IHME têm como objetivo mostrar aos decisores políticos de todo o mundo quão díspares podem ser os resultados obtidos neste contexto de doença associada à Covid-19, dependendo das medidas de restrição implementadas. O site, onde estão visíveis todas as previsões, listadas por regiões e países, tenciona funcionar justamente como uma ferramenta à disposição de governantes e especialistas em saúde.

Eis os mesmos três cenários, mas aplicados a nível global, ao mundo inteiro: a “projeção atual” prevê um total de 2.811.777 mortes no próximo dia 1 de janeiro de 2021; a projeção para o uso universalizado de máscara calcula 2.041.906 óbitos no total; e a projeção em que o novo confinamento não é opção atira para as 4.033.870 mortes. Até este domingo, de acordo com o site Worldometers, o número global de mortes decorrentes de complicações relacionadas com a Covid-19 vai em 885.022.

Pior cenário possível prevê mais de quatro milhões de mortes em todo o mundo. Até este domingo já morreram 885 mil pessoas

A partir do modelo aplicado, o IHME prevê que o número de infetados em Portugal (com e sem teste feito) atinja o pico na quinta-feira, 3 de dezembro de 2020. E 19.980 é o valor de casos acumulados previsto para esse dia, tanto no cenário da “projeção atual” como no que não admite a hipótese de novo confinamento — só no modelo que trabalha a possibilidade do uso universal de máscara é que o número de casos baixa para os 3.873.

O modelo prevê que pico de infeções seja atingido a 3 de dezembro. A partir daí tudo poderá mudar

De acordo com as projeções, é partir do dia seguinte, 4 de dezembro, que tudo poderá mudar. Se os ajuntamentos de pessoas forem proibidos; se as escolas, universidades e estabelecimentos não essenciais forem encerrados; e se a população for intimada a ficar em casa, calcula a projeção, a 1 de janeiro haverá 5.366 casos de infeção por dia. Se não houver novo confinamento, prevê o modelo aplicado pelo IHME, serão mais de 85 mil. Sobre a projeção associada à mortalidade em cada um dos cenários já discorremos no início do texto.

Os números de infetados em Portugal a 1 de janeiro para cada um dos modelos

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.