802kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Sinceridade com sinceridade se paga. Rio conheceu um António Costa que não aprecia o presidente do PSD, mas está a gostar do candidato

300 metros de rua e Rio parte ao ataque: a Centeno, que tem o desplante de falar em rigor, a Costa, que tem o tique da dramatização, e aos críticos internos. Sobre Tancos, é "leviano" envolver PR.

Artigo em atualização durante o dia de campanha

Coincidência das coincidências: chamava-se António Costa. António Quadras Costa. Trata-se de um agricultor de uma pequena exploração entre Beja e Évora, que esta quarta-feira decidiu marcar presença num almoço com Rui Rio e empresários, na Vidigueira. Foi ao evento a convite do líder da distrital laranja, mas fez um ponto prévio. António [Rio não ouviu bem o apelido, é pena], apresentou-se como um não-militante do PSD e, na verdade, também como um não-simpatizante. Pelo menos, não-simpatizante de Rui Rio enquanto líder do PSD.

“Não sou militante do PSD, nem sequer tenho tido uma grande empatia com o presidente do PSD, se me permite a sinceridade. Mas tenho tido grande empatia com Rui Rio candidato a primeiro-ministro de Portugal, pela impressão de autenticidade serenidade e seriedade que tem mostrado aos portugueses. É um exemplo de seriedade, que é o que faz falta aos políticos”, disse o agricultor, explicando que talvez tenha sido por esta sua recente mudança de perceção que o líder da distrital de Beja o convidou para o convívio.

Sinceridade com sinceridade se paga, e se há coisa que Rui Rio não se esquece de dizer todos os dias é que vai dizer sempre o que pensa — mesmo que isso seja politicamente incorreto. Rui Rio até percebe bem a razão de este agricultor ter essa perceção e diz que essa é a perceção que a “média” dos portugueses tem de si, devido a algumas “estratégias que tem havido para tapar, esconder” quem ele verdadeiramente é.

Mas, explicou, Rui Rio é sempre o mesmo: a tal pessoa com “seriedade” que António Costa (o agricultor) referia. “O presidente do partido é o mesmo que é candidato a primeiro-ministro, e é o mesmo que esteve 12 anos no Porto, é exatamente o mesmo, só ligeiramente mais velho, e com um bocadinho mais de experiência, mas é o mesmo. A questão é haver condições para as pessoas verem exatamente de quem se trata e não haver estratégias para tapar, esconder, de tal maneira que produz nas pessoas o sentimento que produziu em si”, disse num almoço com poucas dezenas de empresários do setor agrícola do distrito de Beja.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

ANDRÉ DIAS NOBRE/OBSERVADOR

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

300 metros de rua, pouca gente, e Tancos: “É leviano envolver o Presidente da República”

“Temos de ganhar isto! Doutor Rui Rio, doutor Rui Rio?”. Uma senhora parava na Rua Capitão João Francisco de Sousa, em Beja, para cumprimentar o líder do PSD, que por ali passava, acompanhado de uma dúzia de ‘jotas’ cantantes. Mas Rui Rio preparava-se para limitar o contacto a um aceno e um sorriso. “Doutor Rui Rio?”. Perante a vontade da senhora para conversar, lá se aproximou e cumprimentou-a. “Prazer em conhecê-lo, temos de ganhar isto!”. Sorridente, Rui Rio disse que sim, agradeceu a força e seguiu.

A caravana do PSD está em Beja, terra fértil em comunistas e socialistas, e o dia começou frouxo para os sociais-democratas. Na agenda, estava marcado um “contacto com a população” às 10h, que começaria num café da cidade, mas a voltinha começou cerca de 15 minutos antes. Ao todo, da pousada onde estava hospedado à praça onde estava montado o Fórum TSF, onde Rui Rio iria participar, não foram mais do que 300 metros e duas canetas (plastic free) distribuídas. Para primeiro “contacto com a população” nesta reta final até às urnas, pouco contacto houve.

300 metros de contacto com a população numa rua de Beja. ANDRÉ DIAS NOBRE/OBSERVADOR

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Mas Rio, que tem dito que não quer uma campanha de “gritaria”, estava disposto a falar. Primeiro aos microfones da TSF, depois aos jornalistas, à margem de uma visita à Adega Ribafreixo, na Vidigueira. Havia assuntos que precisavam de ser esclarecidos: afinal, o aviso enigmático que lançou na noite passada, a antever uma nova “encenação” de António Costa, era mesmo sobre a acusação do caso Tancos que está prestes a ser conhecida? Rui Rio diz que não. “O que eu estava a dizer é que o líder do PS já nos habituou a dar espetáculo em momentos especiais, e a dramatizar quando as coisas não lhe correm de feição, por isso o que disse foi que, mais dia menos dia, pode acontecer outra vez”, afirmou, esclarecendo que o aviso não era concretamente sobre o caso Tancos.

Um role-play, uma sala pequena (mas à pinha) e um enigmático aviso. A talk de Rio no Aliança

Garantindo não ter informações privilegiadas, o líder do PSD disse apenas que é preciso “esperar pela acusação”. Já sobre o “envolvimento” e as declarações de Marcelo Rebelo de Sousa, pede cuidado: “Temos de ter cuidado quando envolvemos o nome do Presidente da República, qualquer que ele seja”. Mais: “Eu acho que é leviano envolver o Presidente da República numa polémica destas, não o devemos fazer”, insistiu, referindo-se ao facto de Marcelo ter reagido à notícia da TVI a partir de Nova Iorque, reiterando que não foi informado sobre o alegado encobrimento na recuperação das armas de Tancos e dizendo mesmo que “é bom que fique claro que o Presidente não é criminoso”.

Portanto, o enigmático aviso da noite anterior, em plena campanha, era apenas um aviso sobre o “tique” que António Costa tem de dramatizar tudo quando as coisas não lhe correm bem. E que pode surgir a qualquer momento. “Foi o que fez com os professores, porque estávamos em pleno familygate“, disse, acusando Costa de fabricar casos mediáticos para encobrir outros que afetam o seu governo. Pode acontecer outra vez.

“Estamos a subir, tenho a certeza!”

Mas a campanha corre mal a António Costa? Rio acha que sim e que, ao mesmo tempo, corre bem ao PSD. No dia em que saiu uma sondagem da Pitagórica a encurtar a distância entre o PS (36%) e o PSD (28,5%) em 7,5 pontos percentuais, Rio, que não acredita em sondagens, não tem dúvidas de que, pelo que sente na rua, “o PSD está a subir e o PS a descer um bocado”. “Não tenho dúvidas nenhumas disso”, disse. E repetiu: “Estamos a subir! Tenho a certeza”. 

Rui Rio visitou a Adega do Ribafreixo, na Vidigueira. ANDRÉ DIAS NOBRE/OBSERVADOR

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Para Rio a sondagem da rua é melhor que as outras que, não tem dúvidas, muitas vezes são “encomendadas” — e “pagas” — tanto por “opositores de dentro como de fora”. “Por exemplo, antes do Conselho Nacional do golpe de Estado [quando Luís Montenegro o desafiou], apareceu uma sondagens que dava ao PSD 19%, e eu garanto-vos que o PSD nunca teve 19% dos votos, isso é tudo fabricado para desmoralizar uns partidos e moralizar outros”, disse, acrescentando que o PCP também sofre do mesmo mal. Quanto ao líder do PSD, garante não encomendar sondagens: “Não encomendo nem pago sondagens, tenho até ao dia 6 para fazer o melhor que posso e sei”.

Os “hipócritas” e o “desplante” de Centeno

As críticas aos críticos, contudo, não se ficaram pela insinuação de sondagens encomendadas. Rui Rio garante todos os dias que não se vai render ao politicamente correto e que vai dizer sempre o que pensa. Vai daí, teve de dizer o que lhe ia na alma, depois de Marques Mendes ter aparecido ontem a fazer campanha ao lado da cabeça de lista do PSD por Leiria: “As pessoas que durante um ano e tal procuraram destruir a minha liderança e a direção nacional e que agora aparecem a fazer campanha são hipócritas. É hipocrisia”, disse, recusando apontar nomes. “É uma questão de postura na política”, disse, admitindo que o politicamente correto seria dizer que o partido estava unido e pacificado. Quando não está.

Mas havia ainda mais um contra-ataque na manga: dirigido a Mário Centeno. Questionado no Fórum TSF sobre o ataque da noite passada do ministro das Finanças, no comício socialista, Rui Rio disse que não aceitava lições de rigor financeiro de Mário Centeno e acusou o ministro das Finanças de “desplante” quando disse que a direita pretende “gastar” o esforço dos portugueses com “mais uma temporada da série do choque fiscal”.

ANDRÉ DIAS NOBRE/OBSERVADOR

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Para Rio, “é quase anedótico” o ministro das Finanças socialista dar-lhe lições de rigor. “O dr. Mário Centeno chegou à política há muito pouco tempo. Pelos vistos não observou o que se passou nos últimos 20 ou 30 anos em Portugal. Vir explicar-me a mim o que é pôr as contas certas e arrumar as finanças — se tem o desplante de o dizer a mim — não sabe o que está a dizer. Não tem noção. Ensinar-me o que é rigor financeiro?”, atirou.

É o ataque e o contra-ataque que Rui Rio quer evitar, numa campanha que pretende que seja diferente das outras e mais focada no esclarecimento dos eleitores. Há dias, contudo, em que é difícil resistir.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa