760kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

RODRIGO MENDES/OBSERVADOR

RODRIGO MENDES/OBSERVADOR

As notas do debate. Mariana Mortágua ou Rui Tavares, quem foi o melhor?

Mariana Mortágua e Rui Tavares partilham "objetivos comuns". Sem grandes distâncias, divergiram em pontos de alguns temas, como o Rendimento Básico Incondicional ou a venda de casas a não residentes.

Rui Tavares teve o segundo frente a frente consecutivo. Depois de se estrear com Rui Rocha, da Iniciativa Liberal, teve como opositora Mariana Mortágua, do Bloco de Esquerda, que já debateu com Luís Montenegro, da AD. Discutiram a NATO, o Rendimento Básico Incondicional — que Tavares defende, mas Mortágua considera financeiramente incomportável —, divergiram na venda de casas a não residentes e ainda falaram da avó e da mãe. Logo no arranque, o porta-voz do Livre ironizou sobre a questão dos debates com a AD: disse que estava “chateado” com Mariana Mortágua, porque “depois do debate que fez com o Montenegro, ele não quer debater” consigo.

Esta sexta há dose tripla de debates: começam às 18h00, na SIC Notícias, com Rui Rocha, da IL, frente a Inês Sousa Real, do PAN; seguem-se, às 21h00, na RTP1, Pedro Nuno Santos, do PS, e Rui Tavares, do Livre; e, para terminar, às 22h00, na CNN, André Ventura, do Chega, e Paulo Raimundo, do PCP. Pode ver o calendário completo de todos os debates neste gráfico.

Quem ganhou cada um dos debates? Ao longo destes dias, um painel de avaliadores do Observador vai dar nota de 1 a 10 a cada um dos candidatos por cada um dos frente a frente. E explicar porquê. A soma vai surgindo a cada dia, no gráfico inicial.

Mariana Mortágua (Bloco) – Rui Tavares (Livre)

Ana Sanlez —Dois amigos de esquerda entram num bar… Só faltaram as cervejas e os tremoços neste debate entre Mariana Mortágua e Rui Tavares. Bloco e Livre disputam o mesmo eleitorado, apesar de Rui Tavares afirmar o contrário. Foi preciso arrancar a ferros divergências entre os dois candidatos. O tema da habitação foi aquele em que ambos defenderam melhor as suas ideias, e o esforço por discordar foi tanto que lá se percebeu que, a custo, é possível encontrar algo que os separa. Ambos foram muito vagos sobre possíveis soluções para manter jovens no país. Mariana perdeu pontos no início quando questionada sobre a história da avó, ao dizer que “não faz sentido discutir questões particulares”, quando foi a própria a trazer um caso particular para os debates.

Miguel Pinheiro —Depois de ter trazido a avó para o debate com Luís Montenegro, e depois de terem surgido dúvidas sobre se essa mesma avó cumpria ou não os requisitos para ter problemas com a chamada “lei Cristas”, depois de tudo isto, Mariana Mortágua descobriu agora que “não faz muito sentido discutir as questões particulares”. Foi o maior tiro no pé desde que se inventaram os tiros. Já Rui Tavares invocou a sua própria mãe a propósito de este ser o dia em que se pagam as rendas. Esquecendo as famílias dos debatentes, estiveram ambos esforçadamente à procura de temas em que pudessem discordar. Verdadeiramente, não os encontraram.

Miguel Santos Carrapatoso —Rui Tavares tem um talento enorme. Dois, aliás. Em primeiro lugar, a capacidade de dizer muitas palavras por segundo com a profunda convicção de que está a salvar o mundo. Depois, o dom de dizer coisas de que é difícil discordar. Sonho para o SNS? Entrar de “cabeça erguida” num hospital. Desígnio estrutural para o país? “Erradicar a pobreza”. O Rendimento Básico Incondicional que defende custaria qualquer coisa como 28 mil milhões de euros? Não faz mal, experimenta-se um bocadinho porque o “conhecimento em si tem valor”. Há problemas no acesso à Habitação? Cria-se uma sobretaxa para um fundo de emergência que deverá fazer qualquer coisa pelo assunto. Precariedade no mercado laboral? Testa-se a semana de quatro dias. Bloco e Livre disputam eleitorado? Não, porque, na verdade, “toda a esquerda precisa de ganhar”. Rui Tavares está apostado em ser o voto confortável para quem não quer votar nos socialistas. Não chateia muito, não incomoda nada e não hostiliza ninguém. Numas eleições que serão, em parte, sobre quem merece o voto dos descontentes com o PS, a estratégia pode ser útil. Se acrescenta alguma coisa ao debate? Nem por isso. Mariana Mortágua tem ideias e alguma coisa a dizer – concorde-se ou não com o que diz. Hoje, infelizmente, decidiu quase sempre mimetizar o candidato a mister simpatia que tinha à sua frente. Com a agravante de ter sido apanhada na curva logo ao início: afinal, depois de ter usado o caso da avó que vivia sobressaltada com um eventual despejo no frente a frente com Luís Montenegro, o ponta de lança da direita cruel que maltrata os velhinhos, descobriu agora que “não faz muito sentido discutir as questões particulares”. Talvez, mas só talvez, porque a “questão particular” que usou contra o adversário tenha sido algo exagerada no calor do momento. Ups.

Ricardo Conceição — Dois amigos entraram numa televisão e procuraram no fundo do seu ser o que os separa, mas não foi fácil. Mariana Mortágua foi confrontada pela moderadora com a história da avó e das rendas. Foi incapaz de dar uma explicação cabal sobre o “sobressalto” da avó ao receber a carta do senhorio e “não faz muito sentido discutir as situações particulares”, acrescentou. E logo de seguida ficámos a saber que hoje, 8 de fevereiro, a mãe de Rui Tavares vai ter de pagar a renda ao senhorio. Em meia hora, os líderes do Bloco de Esquerda e do Livre exploraram pequenas diferenças que, no fundo, os unem, num debate entediante entre dois elementos da mesma barricada. Foi de tal forma delicodoce que até houve direito a cafuné quando Tavares atirou a Mariana que estava “chateado” com a bloquista, porque depois do debate de Mortágua com Montenegro, “ele (Montenegro) não quer debater” com o líder do Livre.

Rui Pedro Antunes —O maior vencedor do debate foi quem não esteve nele: Pedro Nuno Santos. O líder do PS tem ali dois parceiros mortinhos por uma geringonça. De tal forma que evitaram atacar-se, numa espécie de pacto não-agressão. A líder do Bloco de Esquerda teve um ataque auto-infligido, uma vez que não quis explicar de forma clara a questão “particular” da avó — isto quando foi ela própria, no debate com Montenegro, que utilizou a situação da familiar como arma de arremesso. Rui Tavares continua com dificuldades em demonstrar os benefícios da experiência-piloto do Rendimento Básico Incondicional e viu Mariana Mortágua a utilizar o seu “multimilionário do Dubai” para destruir a proposta do Livre da sobretaxa do IMT. O discurso de que não quer tirar votos ao Bloco de Esquerda é poético, mas não tem correspondência na realpolitik. Tempos houve em que até “roubou” o terceiro deputado europeu (ele próprio) ao BE.

Pode ver aqui as notas dos debates de segunda-feira, terça-feira e quarta-feira.

As notas dos debates. Pedro Nuno Santos ou Rui Rocha, André Ventura ou Inês Sousa Real: quem foi o melhor na estreia?

Debates. As notas para os seis protagonistas desta terça-feira: entre estreias e repetentes, quem esteve melhor?

As notas dos debates. Arco-íris, escorregas e soluções de “laboratório” contra soluções de “fezada” na estreia de Rui Tavares com Rui Rocha

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.