São rosés, feitos em parceria com produtores e, na sua grande maioria, originários do sul de França. O vinho e as celebridades é, por estes dias, uma união frequente, quase corriqueira: Cameron Diaz, Mary J. Blige, Jon Bon Jovi e Kylie Minogue são alguns dos famosos que mais recentemente apostaram no universo vínico (o entusiasmo é tanto que até a Wine Enthusiast questionou-se sobre a grande quantidade de rosés de celebridades).

O tema não vem ao acaso, até porque os vinhos de John Malkovich chegaram precisamente esta semana a Portugal, país pelo qual o ator e produtor de 66 anos tem grande estima. Antes, já Cliff Richards deixava a sua pegada no Algarve, com a Adega do Cantor (nome muito apropriado). Em jeito de balanço, contamos a história de alguns dos nomes e rostos famosos que quiseram fazer mais do que bebericar vinho — e são mesmo só alguns, pelo menos a julgar por esta lista.

John Malkovich

Que o ator gosta de Portugal já é um dado adquirido — John Malkovich foi até condecorado pela Câmara Municipal de Lisboa e o seu papel no Lux e na Bica do Sapato é bem conhecido. Mas a ligação ao país não se esgota aí: os vinhos que o ator produz em França passam agora a ser vendidos em solo nacional. A gama chama-se “Les Quelles de La Coste”, sendo também conhecidos pela abreviatura LQLC. São oriundos da propriedade que Malkovich comprou na década de 80 juntamente com a companheira de longa data, Nicole Peyran — está inserida na aldeia francesa de Lacoste, na região de Vaucluse, Luberon, “escondida entre Côtes du Rhône (a norte) e Côtes de Provence (a sul)”, tal como se lê no comunicado de imprensa.

© Les Quelles de la Coste / Instagram

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A propriedade em questão dispõe de uma área agrícola de 10 hectares, dos quais quase 5 são dedicados à vinha, plantada em baixa densidade. Nos vinhedos destaca-se a predominância das castas Cabernet Sauvignon, Pinot Noir e Carménère. Em Portugal, através da distribuidora Unlock Wines, vai ser possível adquirir cinco referências de Malkovich, a começar nos 15,50 euros e a terminar nos 141 euros.

Cameron Diaz

Aos 47 anos, Cameron Diaz é a mais recente celebridade a juntar-se à já longa lista de famosos que, de carreiras feitas, quiserem ir além de um copo de vinho. Juntamente com a empreendedora Katherine Power, a estrela de “Doidos por Mary” lançou uma marca de vinhos “limpos” (“clean” em inglês), expressão que já está a dar que falar e que fez o The Whashington Post dedicar todo um artigo ao termo que promete tanta polémica como o congénere “natural”. A marca Avaline consiste em dois vinhos orgânicos: o branco nasce num terroir espanhol e o rosé é de nacionalidade francesa, ambos chegaram ao mercado norte-americano em meados de junho e nem a pandemia travou a ambição de Diaz em colar o seu nome aos rótulos.

© avaline/Instagram

O vinho branco é feito com uvas oriundas de Penedès, uma Denominação de Origem Protegida para vinhos da Catalunha, e na sua composição encontramos as castas Macabeo, Malvasia e Xarel-lo, muito conhecidas por serem usadas na produção de Cava. Segundo o título The Drink Business, o vinho branco do duo Diaz e Power apresenta-se como sendo seco e delicado, com aromas de frutas cítricas. Já o rosé veio da Provença e é um blend das castas Cinsault, Grenache, Cabernet Sauvignon, Syrah e Caladoc. É tido como leve e refrescante.

O conceito da marca — que nasceu numa tarde primaveril de 2018, com a dupla a passar dois anos em provas e a aprimorar o produto — aposta em trazer transparência à indústria do vinho. Os vinhos são vegan e as suas produtoras gabam-se da não utilização de concentrados (custam 24 dólares cada um).

Drew Barrymore

A primeira incursão da atriz no mundo dos vinhos aconteceu em 2012, quando se juntou ao artista de rua Shepard Fairey, conhecido pelo cartaz “Hope” de Barack Obama. Na altura, o vinho era feito com uvas de origem italiana. Mais recentemente, Drew Barrymore uniu esforços com o produtor Kris Kato, de Carmel Road, para criar três rótulos: um blend de Pinot Noir, um Pinot Grigio e um rosé feito também a partir de Pinot Noir. Curiosamente, o site dedicado aos vinhos da artista já não existe e no Instagram desta as referências ao vinho datam de alguns anos. De referir ainda que a atriz não se livrou de algumas críticas.

© drewbarrymore/Instagram

Mary J. Blige

Um dia, a cantora Mary J. Blige, que sempre gostou de vinhos brancos frescos e com mineralidade, perguntou a um amigo qual era o melhor Pinot Grigio do mundo. A resposta levou-a à região italiana Friuli Venezia Giulia onde conheceu Marco Fantinel, dono da produtora que lhe leva o apelido emprestado desde 1969 (e que vende vinhos em mais de 90 países). Depois de percorrer as vinhas e de provar vinhos com a família Fantinel, a cantora sentiu-se em sintonia com o sítio e com as pessoas, o que a inspirou a criar a sua própria marca de vinhos com Marco Fantinel. É assim que nascem os vinhos Sun Goddess, um nome peculiar que Mary Blige diz remeter para a infância e para alcunha pela qual a mãe tratava a artista agora com 49 anos.

© sungoddesswines / Instagram

“Fazer provas de vinhos é uma das minhas paixões. Vinho é cultura. Vinho é comunidade. Vinho é estilo de vida. Vinho é emoção.” A descrição consta no site oficial da marca lançada em parceria no final de junho deste ano, que resulta em dois vinhos: um Pinot Grigio Ramato (“Ramato” diz respeito ao estilo de vinho; em italiano significa “cobre”) e um Sauvignon Blanc, ambos com dominação de origem controlada no rótulo e ambos à venda por 17,50 euros.

Kylie Minogue

Enquanto gravava o 14º álbum, no verão de 2017, Kylie Minogue tentou derrubar o calor das noites de Nashville com copos de rosés nascidos e criados na Provença. Foram esses goles que a inspiraram a desenhar os próprios rótulos, tal como contou à publicação The Drinking Business. Regressada ao Reino Unido, onde vive desde os anos 90, procurou possíveis parceiros — preferencialmente produtores do sul de França —, mas acabou por desistir quando a parceria mais promissora caiu por terra. Mal sabia ela que daí a não muito tempo receberia um telefonema de Paul Schaafsma, da distribuidora Benchmark Drinks, com uma proposta semelhante.

© kylieminoguewines/Instagram

A 28 de maio, no dia em que Minogue celebrou 52 anos de vida, o primeiro vinho de assinatura foi lançado no mercado britânico — um rosé francês da colheita de 2019 (18 libras), um blend feito a partir das castas Carignan (80%) e Cabernet Sauvignon (20%). As uvas foram escolhidas de vinhas plantadas ao longo da costa do sul de França e colhidas durante a noite. A garrafa, de gargalo longo e em forma de sino, foi escolhida por Minogue, que garante ter estado envolvida em todos os processos do vinho, e é semelhante ao popular rosé Miraval, de Brad Pitt e Angelina Jolie — já lá vamos.

Não esquecer que, a par da nova marca de vinhos que tem direito a site próprio, Kylie Minogue é uma empresária de sucesso, tendo em seu nome um perfume, mas também linhas de roupa e de lingerie. Apesar de ter sempre evitado fazer publicidade ao álcool, decisão que tomou desde cedo em conjunto com a família, sentiu que esta era a “altura certa” para lançar um (ou mais) vinhos.

Jon Bon Jovi

“Bed of rosés”? O sucesso do rosé que Jon Bon Jovi criou com o filho, Jesse Bongiovi, é tanto que apetece fazer o trocadilho fácil. O artista de 58 anos apostou num vinho “nascido em França, criado nos Hamptons” cujo nome de batismo evoluiu de “Diving into Hampton Water”, em 2018, para o mais curto “Hampton Water”. O rosé nasceu da colaboração com o produtor francês Gérard Bertrand e, como qualquer vinho digno de ficar na memória, tem uma história pessoal por trás: o nome do vinho remete para o período em que pai e filho passavam férias juntos nos Hamptons.

© hamptonwater/Instagram

“Sou culpado de beber frequentemente rosé”, disse Jon Bon Jovi quando foi convidado para discursar na edição de 2018 da New York Wine Experience, evento promovido pela prestigiada revista Wine Spectator. Na introdução da marca, o cantor afirmou que este não era um vinho de celebridades, mas antes o produto de algo feito por “amor” e em “família”. Para surpresa de alguns, senão muitos, o vinho tornou-se um sucesso de vendas — em março de 2018 era notícia que toda a colheita de 2017 já tinha sido vendida aos fornecedores — e fez furor também entre os críticos: o vinho ocupa a posição número 83 no Top 100 da Wine Spectator (foi um dos dois rosés a figurar na cobiçada lista). O vinho está disponível por cerca de 20 dólares.

Brad Pitt e Angelina Jolie

O casamento pode ter chegado ao fim, mas a aventura no universo do vinho continua a ganhar asas. Mesmo divorciados, os atores permanecem envolvidos na produção do muito popular rosé Miraval. Nascido na Provença em parceria com a família Perrin, a marca do ex-casal é muito provavelmente a primeira do seu género a surgir no mercado e também a mais famosa, tal como escreve o norte-americano The Washington Post. O primeiro rosé a chegar ao mercado foi a colheita de 2012 e, desde então, tem sido um caso de sucesso. De lá para cá existem mais um rosé, chamado Studio, e três vinhos brancos. A mesma publicação faz uma nota interessante tendo particularmente em conta o rosé de três celebridades  — Brangelina, Jon Bon Jovi e John Legend — ao dizer que estes vinhos não devem ser desconsiderados pelo facto de serem de celebridades: “São vinhos bem feitos e de grande qualidade.”

© miraval/Instagram

John Legend

Durante a quarentena, o cantor deu um concerto em direto para quem o seguisse no Instagram no qual a mulher, Chrissy Teigen, fez de audiência — foi uma participação um tanto memorável, uma vez que o outfit escolhido para o evento caseiro foi, nada mais, nada menos, do que uma toalha. Sentada em cima do piano, enquanto o marido tocava e cantava, Teigen bebia um copo de rosé que podia muito bem ser aquele cunhado pelo marido. O cantor entrou no mundo dos vinhos em 2015, quando lançou a marca LVE (Legend Vineyard Exclusive) em colaboração com o produtor de vinhos Jean-Charles Boisset, dono da Raymond Vineyards, no Napa Valley, entre outras produtoras na Califórnia e também na Borgonha, em França. Os vinhos de Legend são primeiramente originários de Napa, mas também há um rosé e um espumante rosé do sul de França.

© lve_wines/Insta

Sarah Jessica Parker

“O que é incrível em relação ao Sauvignon Blanc é que é boa companhia”, diz Sarah Jessica Parker num vídeo que pretende explicar como a atriz de 55 anos participou no processo de produção do vinho, ao ajudar a escolher o blend que agora assina em parceria com a empresa produtora de vinhos da Nova Zelândia Invivo Wines. A estrela de “O Sexo e a Cidade” tem dois vinhos: o branco já referido, que conheceu a luz do dia em setembro último, e um rosé, colheita de 2019, vindo do sul de França. SJP é responsável pelo design dos rótulos, sendo o “X” seguido da vírgula uma referência a como atriz se despede em todos os emails e também no Instagram: “X, SJ.”.

© invivoxsjp/Instagram

Post Malone

Foram precisos 50 blends para encontrar o rosé perfeito, mais uma vez vindo do sul de França — como parece ser moda entre as celebridades. O rosé do artista de apenas 25 anos chegou ao mercado em junho (resultou de uma parceria com James Morrissey, da Global Brand Equities, e do manager Dre London; é composto pelas castas Grenache, Cinsault, Syrah e Merlot) e, de acordo com o TMZ, as 50 mil garrafas esgotaram em apenas dois dias quando foram disponibilizadas em pré-venda por 21,99 dólares a unidade. O nome do vinho, Maison No. 9, é inspirado na carta de Tarot preferida do artista, o 9 de Espadas, que representa a superação de desafios.

© postmalone/maison9wine/Instagram

Fergie

Ferguson Crest é uma produtora de vinhos familiar, fundada em 2006 por Fergie, que ascendeu à fama no papel de voz feminina do grupo The Black Eyed Peas, e pelo pai. A propriedade em Santa Bárbara, na Califórnia, aposta em vinhos tintos e brancos, sendo que o rótulo mais vendido é, aparentemente, o “Fergalicious”, que leva o nome do hit musical emprestado.

© fergusoncrest/Instagram

Francis Ford Coppola

O famoso realizador está a anos-luz de ser um estreante no mundo dos vinhos, até porque a produção é coisa de família: Agostino Coppola, o avó, costumava fazer vinho na cave do apartamento onde morava em Nova Iorque, usando tonéis de concreto que ele mesmo construiu. O gosto passou de geração em geração, até porque Francis Ford Coppola comprou a primeira vinha em Napa em 1975 usando parte das receitas geradas pela trilogia de filmes “O Padrinho” (o último data de 1990). Depois de mais de 35 anos enquanto produtor, escreve a Forbes, o realizador reabriu ao público, em 2000, a Francis Ford Coppola Winery em Sonoma, na Califórnia.

© coppolawine/Instagram

Mais recentemente é notícia que Coppola vai assinar cópias de guiões do filme “O Vigilante”, de 1974, aos enófilos que gastarem 800 dólares em vinho. O negócio vem acompanhado de uma conversa via Zoom com os consumidores e um link para o visionarem o filme, protagonizado por Gene Hackman, Teri Garr, Harrison Ford e Robert Duvall.

Snoop Dogg

Também o lendário rapper tem um vinho, lançado este verão. O tinto nasce em parceria com a 19 Crimes, criada em 2012, cujo nome está diretamente relacionado com a época em que Inglaterra bania pessoas condenadas por crimes para a Austrália. A referência remete para o século XIX, sendo que o nome deriva da lista de crimes que levavam ao exílio — muitas das pessoas que figuram nos rótulos dos vinhos, explica a Fast Company, estiveram relacionados com o resgate de Catalpa, em abril de 1876, quando seis irlandeses conseguiram fugir (um deles escapou para Boston, onde haveria de se tornar num jornalista de sucesso, mas também num escritor e ativista contra a escravatura). Agora, o mais recente rosto a ocupar os vinhos da 19 Crimes é o de Snoop Dogg (12 dólares a garrafa).

© snoopdogg/Instagram