O ‘candidato da Constituição’ orgulha-se do título, a que já chamou de medalha, e deixa feliz o camarada e secretário-geral do partido que o apoia na corrida a Belém, Jerónimo de Sousa. O secretário-geral diz que João Ferreira “faz bem em falar muito” da Constituição da República porque isso é sinónimo de “ir às raízes da revolução de Abril que se transformou no ato mais moderno e avançado da nossa época contemporânea”. Mas não foi (só) para falar da Revolução de Abril que Jerónimo picou o ponto na caravana de João Ferreira esta segunda-feira. Falou sobre uma revolução sim, mas a de 18 de janeiro de 1934, quarenta anos antes. Uma revolução de vidreiros, na Marinha Grande, contra a Constituição e as leis laborais aprovadas pelo regime de Salazar.

Passo a passo o tema entrou na campanha de João Ferreira e está a tornar-se prioritário. O candidato presidencial está empenhado em provar que tem força suficiente para “honrar” a “herança de luta” contra o fascismo em Portugal. Luta essa onde o PCP desempenhou um papel central. Cabe agora a João Ferreira dar provas disso, mas Jerónimo já vai avisando que transformar a eleição num “truque” de quem fica em segundo lugar não é nada. É que o voto em João Ferreira é, considerou,”o voto mais seguro e consequente na derrota de projetos antidemocráticos e de confronto com a Constituição da República Portuguesa e no aprofundamento da democracia”. Jerónimo teme que o voto útil da esquerda em Ana Gomes — para impedir André Ventura de ficar em segundo lugar — prejudique João Ferreira.

Numa breve resenha histórica sobre o papel dos vidreiros marinhenses, “que se levantaram contra o fascismo”, Jerónimo homenageou as centenas de operários que saíram para a rua nesse dia 18 de janeiro de 1934 deixando “as sementes” para o que gerações futuras haveriam de transformar na revolução de Abril. A mensagem que o PCP quer passar é só uma: estamos atentos.

O resultado eleitoral de domingo preocupa os comunistas que, a par de ações de contacto com os trabalhadores que não podem confinar ou que foram severamente afetados pela pandemia, vão dando lições de como enfrentar fenómenos populistas “ou fascistas, como preferirem” (nas palavras de um dos apoiantes de João Ferreira, durante uma ação da campanha).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.