Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Temos pela frente as semanas mais difíceis da pandemia.” O alerta é de Manuel Carmo Gomes, investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, e foi feito esta terça-feira durante a reunião de especialistas no Infarmed para balanço da situação epidemiológica em Portugal.  O cenário previsto para os próximos 15 dias é sempre assustador, mesmo que o Governo opte pelo confinamento total para tentar travar a pandemia: “Dificilmente evitaremos os 14 mil casos daqui a duas semanas.” A média de mortes será nessa altura de 150 por dia e os internamentos em cuidados intensivos rondarão os 700 doentes, segundo as previsões do epidemiologista.

Sem medidas restritivas, o futuro é ainda mais negro: a 19 de janeiro, o país estará a braços com mais de 18 mil contágios por dia e, a 26 de janeiro, o valor chegará aos 37 mil casos, defendeu o especialista. No melhor cenário possível, com confinamento, apenas daqui a 6 semanas Portugal terá estabilizado as novas infeções entre os 7 mil e os 3.500 casos por dia.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.