i

Joana Ascensão/OBSERVADOR

Joana Ascensão/OBSERVADOR

“O Vegetariano”. O jornal que juntou os vegetarianos radicais portugueses de há 100 anos /premium

Os vegetarianos portugueses de há 100 anos eram radicais. Tinham um jornal próprio, hotéis, termas e hospitais “vegetarianos”. Alguns só comiam fruta e frutos secos.

Se os havia, provavelmente eram discretos e estavam dispersos pelo país. A grande expressão de vegetarianos em Portugal chegou com o jornal “O Vegetariano”, no início do século XX. A mesma publicação tornou-os unidos, extremistas e fê-los contactar com a mesma tendência noutros países, para facilmente perceberem que estavam longe de estar sozinhos.

Publicado ininterruptamente entre 1909 e 1935, “O Vegetariano” era o almanaque que aglutinava os vegetarianos dispersos pelo país. Em 26 anos, lançou 280 números e mesmo durante a guerra não deixou de ser publicado.

Três anos de investigação a relacionar os food studies com a utopia levou uma equipa de 27 investigadores de diferentes áreas, desde a filosofia à nutrição, a seguir o rasto aos vegetarianos portugueses de há 100 anos , lendo e avaliando o que por eles foi escrito. O periódico serviu de rastilho para a fundação da Sociedade Vegetariana de Portugal, em 1911, no Porto. Dois anos depois, já em Lisboa, por Bjorne Wiborg, surge o Núcleo Naturista de Lisboa.

“Aquilo que se passa com esta publicação, que não se passa com nenhum periódico de associações congéneres noutros países, é que os leitores começam a sentir-se de tal forma entusiasmados com a cura de outras pessoas ou deles próprios que escrevem quase obsessivamente para o periódico enviando fotografias e testemunhos das suas curas”
Fátima Vieira, investigadora e Vice-Reitora da Universidade do Porto

Das dietas extremistas às consultas médicas n’O Vegetariano

Em 1911, há um primeiro grupo de fundadores d’O Vegetariano, constituído por cinco pessoas do Porto. Três delas são apenas identificadas como “o industrial”, o “comerciante” e o “capitalista”, mas do dono é conhecida a identidade: Manuel Teixeira Leal, professor primário.

No entanto, o último dos cinco é talvez a personagem mais preponderante para o sucesso da publicação e para o crescimento desta comunidade em Portugal. “Porque quando estamos a falar de vegetarianismo em Portugal, estamos também a falar de naturismo, de curas e terapêuticas naturais e de uma proximidade grande da Natureza”, contextualiza Fátima Vieira, coordenadora do estudo “Alimentopia”.

Desde os primeiros números da publicação, e de forma sistemática, que o médico Amílcar de Sousa começa a dar conselhos e a indicar terapêuticas naturais para alguns problemas de saúde. Pouco tempo passou até iniciar um sistema de consultas por correspondência, que combinava com receitas culinárias. O resultado era uma apologia clara para um esforço continuado em passar de vegetariano a frugívero, aquele que apenas permite comer fruta e frutos secos crus. As fotografias de crianças e adultos sempre gordinhos e saudáveis eram igualmente comuns, assim como eram disponibilizadas histórias das famílias mais influentes da comunidade.

“Aquilo que se passa com esta publicação, que não se passa com nenhum periódico de associações congéneres noutros países, é que os leitores começam a sentir-se de tal forma entusiasmados com a cura de outras pessoas ou deles próprios que escrevem quase obsessivamente para o periódico enviando fotografias e testemunhos”, descreve ao Observador a também vice-reitora da Universidade do Porto, Fátima Vieira.

Era comum nas páginas d’O Vegetariano encontrar-se bebés com a indicação de que estavam a ser amamentados por mães frugívoras, crianças “frugívoras desde que nasceram” e homens, muitas vezes em trajes menores a evidenciarem a forma física.

Com frequência, O Vegetariano publicava fotos de atletas para mostrar que a dieta vegetariana melhorava a forma física.

A descoberta, que a partir de dia 21 de novembro será exposta na Reitoria da Universidade do Porto, desmente a ideia de que por esta altura a geografia da comunidade vegetariana se centraria apenas nas grandes cidades. Para além de estar presente em todo o país, passava as fronteiras terrestres e linguísticas e ia até ao Brasil, aos Estados Unidos e ao resto da Europa. “Em 1914, as associações vegetarianas brasileiras adotam O Vegetariano como órgão oficial”, conta Fátima Vieira.

O primeiro casamento frugívoro do mundo e o primeiro livro vegetariano português

O Vegetariano foi também palco para a prova de que foi em solo português que se realizou aquele que é descrito como “o primeiro casamento frugívoro do mundo. No copo de água não foram servidos quaisquer despojos cadavéricos”, lê-se noticiado n’O Vegetariano. Em 1914, a única comida que houve na festa de Julieta Ribeiro e Jerónimo Caetano Ribeiro foi fruta.

A fotografia d’O Vegetariano anunciava o primeiro casamento frugívoro do mundo.

Depois de casada e de aparecida ali pela primeira vez, Julieta começou a ter um contributo também preponderante para a comunidade. Fazia sucesso com a partilha no jornal, de algumas receitas, de tal forma que em 1916 publicou aquele que se considera ser o primeiro livro vegetariano português. Culinária Vegetariana, Vegetalina e Menus Frugívoros agrupa 1200 receitas e 79 fotografias. Foi “um sucesso tal que teve quatro edições”.

Julieta não marcava esta comunidade apenas pela culinária. Talvez sem saber, a autora apelava indiretamente ao fim “dos tachos e das cozinheiras”,  quando explicava como as mulheres frugíveras poderiam passar menos tempo na cozinha, uma vez que servir a família era agora tão simples quanto colocar fruta numa taça, na hora de ir para a mesa. “Todo o tempo gasto com a alimentação deixa de ter expressão. Então a mulher começa a ter mais tempo”, reforça Fátima. A própria indumentária feminina é ali apelidada de “racional”. As mulheres deveriam deixar de usar o espartilho, por forma a não sentirem os órgãos aglutinados, deveriam optar por sapatos rasos e recusar usar peles. Julieta criava com aquele volume um paradoxo de uma liberdade trancada em casa, dentro de uma sociedade avessa a grandes feminismos.

O livro de receitas de Julieta Ribeiro é considerado pelos investigadores o o primeiro livro vegetariano português.

A biblioteca e os hotéis de quartos arejados onde só entravam vegetarianos

Em 1914, eram 3.814 os assinantes do jornal. Apesar de alguns serem apenas simpatizantes, muitos já se tinham “convertido” em vegetarianos ou mesmo frugívoros.

Por conta da expressão que a comunidade começava a ter em Portugal, foi criada a Biblioteca Vegetariana, uma editora dedicada a “traduzir e a publicar os principais livros sobre naturismo e sobre vegetarianismo publicados no estrangeiro”. Apesar de ser uma realidade surpreendente para os investigadores, a verdade é que era notória, desde a fundação d’O Vegetariano, a ambição de chegar a públicos estrangeiros, ou não estivessem traduzidos para inglês e para francês muitos dos textos ali publicados.

Um exemplo do sucesso do esforço multi-linguístico veio dos Estados Unidos e por carta, quando Will Keith Kellogg, dos cereais Kellogg’s, escreveu aos editores do jornal O Vegetariano a agradecer o envio de alguns números. Não há forma de o confirmar, mas Kellogg chegou mesmo a considerar traduzir e publicar alguns na revista GoodHealth, da qual era detentor.

Receita de uma pasta dentrífica naturalista.

O esforço de internacionalização era grande para levar os pensamentos dos vegetarianos portugueses ao estrangeiro. Durante a investigação, Fátima Vieira chegou a encontrar, numa biblioteca em Paris, referência a um congresso naquela cidade que, mesmo antes de criada a Sociedade Vegetariana Portugal — só viria a ser fundada nove anos depois — contou com a representação portuguesa de Francisco Namorado, de Estremoz.

Foram publicadas fotografias de Bjorne Wiborg n’O Vegetariano para mostrar o seu aspeto antes e depois de ter iniciado uma dieta frugívera.

As páginas d’O Vegetariano também viviam muito das descrições pormenorizadas de algumas famílias mediatizadas naquela comunidade, uma espécie de Big Brother mensal no qual a família Wiborg fazia questão de aparecer. O pai, Bjorne Wiborg, ganhava notoriedade a ser mais um dos “doutores por correspondência” do jornal, mesmo não tendo qualquer formação médica, e não demorou até arrastar toda a família para as páginas da publicação.

Aos leitores eram descritas as condições em que os filhos se “levantavam, faziam uma data de exercícios, iam a pé para a escola, eram os melhores alunos”, conta Fátima Vieira. Com 16 anos e a estudar na Suíça, a filha do doutor Wiborg já era descrita como a mulher mais saudável de Portugal. “A legenda diz mesmo “Frugívera desde que nasceu. Fala fluentemente seis línguas””, numa tentativa constante de associar a dieta ao sucesso escolar e profissional.

Por ser uma parte da História que falha na memória coletiva dos portugueses, é vontade dos investigadores levar até às pessoas a ideia de que “os seus avós ou bisavós poderão ter sido vegetarianos”, como aconteceu a Manuel Wiborg quando foi confrontado pela investigadora Fátima Vieira.

Apesar de não saber se a avó e a tia-avó terão sido outrora vegetarianas frugíveras, até porque sempre as conheceu a comer carne, o ator português pôde comprovar agora que elas, como tantos outros nomes agora publicados num site criado pelos investigadores, haviam sido “das mais influentes ativistas” daquela comunidade.

De vestido preto, esta fotografia da família Wiborg mostra, em criança, a avó do ator Manuel Wiborg.

A propaganda das famílias mais ativas e carismáticas da comunidade acontecia também (ou principalmente) quando se dirigiam ao estrangeiro. Quase como guias turísticos, era obrigatória ir dando conta dos locais encontrados “próprios para vegetarianos”, como restaurantes, hotéis e até hospitais, como era o Hospital Frugívero Lady Margaret, em Inglaterra.

A situação não era diferente da que acontecia dentro de portas, onde, em 1913, foi inaugurado o primeiro estabelecimento hoteleiro dedicado à comunidade vegetariana – o Hotel Vegetariano, Pensão Naturista, que anunciava “25 quartos arejados”. Localizava-se na Rua dos Caldeireiros número 26, no Porto. No mesmo ano abria na cidade invicta o Restaurante Fruti-Vegetariano na Rua Sá da Bandeira, que prometia café sem cafeína e mais tarde a Padaria Cunha, precursora da Confeitaria Cunha, que anunciava pão de glúten.

Mas não só no norte se inauguravam espaços. Lisboa, com a abetura da Maison Végétarienne, entre outras estruturas hoteleiras, mas também Coimbra, eram palco da medrança da comunidade. A certa altura, até estâncias termais publicitavam tratamentos específicos para vegetarianos.

O Hotel Vegetariano, no Porto, foi o primeiro estabelecimento hoteleiro dedicado à comunidade vegetariana.

O estilo de vida e pensamento político dos vegetarianos e naturistas eram vistos como uma ameaça ao Estado-Novo, o que terá ditado o apagamento dos antepassados vegetarianos da memória coletiva e da História. Finda a publicação, no ano 1935, muito por força da censura que já a acutilava desde 1928, perdeu-se o rasto à comunidade.

Para a investigadora, “o final, está completamente irreconhecível. Enquanto que no início nós encontramos a ideia de uma imensa transformação da sociedade que seria, em grande parte, atribuída ao papel da mulher, no final nós encontramos somente algumas receitas, algumas terapêuticas e sobretudo conselhos de horticultura”.

Fátima Vieira coordenou a investigação que dará origem à exposição “Pêros, Avelãs e Figos. Os vegetarianos utópicos de há 100 anos”, inaugurada dia 21 de novembro na Universidade do Porto.

Joana Ascensão/OBSERVADOR

Fátima Vieira admite que o extremismo dos ideais propagados pode ter sido preponderante para a extinção d’O Vegetariano, em 1935. No entanto, o lançamento do último número também coincide e anuncia a morte do seu fundador, Manuel Teixeira Leal.

Este “manancial de informação” foi deixando entusiasmados os investigadores, sobretudo por perceberem “que não se tratava de um caso isolado, que não era só um grupo pequeno do Porto” e que esta comunidade foi precursora na ideia de vegetarianismo utópico enquanto solução para os problemas dos mais diversos setores: os conflitos deixariam de existir porque “pessoas violentas são pessoas que comem carne”, propagavam. A fome no mundo acabaria ao mesmo tempo que todas as pessoas teriam dinheiro para se alimentarem.

Recomendamos

Populares

Últimas

A página está a demorar muito tempo.