Olá

835kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

André Ventura está em isolamento
i

André Ventura está em isolamento

João Porfírio/Observador

André Ventura está em isolamento

João Porfírio/Observador

Ventura nega ter posição anti-vacinas, mas quer "mais informação". Há outros casos na direção do Chega

Líder do Chega nega qualquer tipo de motivação política na origem da decisão de não ser vacinado. Admite fazê-lo quando vier a ter mais dados sobre vacina. Não é caso único na direção do partido.

    Índice

    Índice

André Ventura tem 38 anos e tendo em conta o plano de vacinação contra a Covid-19 já podia ter as duas doses da vacina. Mas decidiu não o fazer. Não é uma opção definitiva, garante, nem tem motivações políticas, diz também. É uma opção unicamente pessoal, assegura. Seja como for, Ventura, que reconhece existir uma “frente anti-vacinas muito forte” entre o seu eleitorado, não é caso único na cúpula do partido: há dirigentes vacinados e não-vacinados por vontade própria. Mas a questão, insistem, nunca foi discutida internamente.

No domingo, o líder do Chega revelou estar infetado com Covid-19 depois de ter testado positivo em dois exames rápidos. Esta segunda-feira, o teste PCR indicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS) confirmou que o líder do Chega está positivo. Ventura tem sintomas ligeiros, nomeadamente tosse e dores nas costas, e irá cumprir o isolamento profilático definido pelas autoridades de saúde.

Em teoria, líder do Chega podia ter sido vacinado há um mês e meio — o agendamento para mais de 37 anos começou a 22 de junho. Até poderia ter sido vacinado bem antes, ao abrigo do plano de vacinação para deputados. Mas o líder do Chega insurgiu-se sempre contra esse estatuto de exceção e chegou mesmo a dizer que seria o “último português a tomar a vacina“, por entender que era o mais certo a fazer.

Quando foi conhecido o diagnóstico, Ventura lançou outros argumentos. Primeiro, o líder do Chega começou por dizer aos jornalistas que não teria sido vacinado por não ter tomado ainda uma decisão. Depois, acrescentou um detalhe diferente: não o teria feito por falta de tempo na agenda. Acabou por ter um contacto de risco e contrair o vírus na noite da data em que se juntou a uma manifestação organizada pelo Chega no Porto “contra as restrições e a falta de apoios, o certificado de vacinação e a destruição da economia portuguesa”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

"Não tem a ver com ideologia nem nada. Não é uma questão de ser estruturalmente contra as vacinas por uma ou outra razão. Quero ter mais elementos científicos sobre a vacina, como pessoa responsável. Sei que para outros é suficiente o que existe mas eu quero ter mais informação sobre a vacina e acho que estou no meu direito", argumenta André Ventura.

Agora, ao Observador, Ventura volta a dizer que ainda não tomou uma decisão sobre se pretende ou não ser vacinado contra a Covid-19. Mas avança com uma explicação mais detalhada.

“Não tem a ver com ideologia nem nada. Não é uma questão de ser estruturalmente contra as vacinas por uma ou outra razão. Quero ter mais elementos científicos sobre a vacina, como pessoa responsável. Sei que para outros é suficiente o que existe mas eu quero ter mais informação sobre a vacina e acho que estou no meu direito”, argumenta o deputado.

Receio da reação do eleitorado?

André Ventura reconhece que o Chega tem uma “franja do eleitorado muito anti-vacinas e muito forte contra o processo de vacinação”. No entanto assegura que a sua decisão não está de todo relacionada com os potenciais efeitos negativos que esse gesto poderia ter na perceção dos seus eleitores.

André Ventura aponta o dedo diretamente ao Governo e às autoridades de saúde e argumenta que as vacinas estão a ser praticamente impostas aos portugueses. "É uma espécie de obrigação. Com as atuais exigências dos certificados, estão na prática a tornar a vacina obrigatória", denuncia.

O líder do Chega não se considera um negacionista e recorda que “nunca disse mal” das vacinas. Insiste que tomar “vacina é uma questão pessoal” e diz ter “dúvidas” de que ser ou não vacinado o venha a prejudicar eleitoralmente, seja por quem no Chega é anti-vacinas, seja pelos portugueses que globalmente defendem a vacinação.

“Se decidir tomar a vacina não creio que serei penalizado por isso; e se decidir não tomar também creio que não serei penalizado. Acho que as pessoas compreendem. Tomar a vacina é uma questão pessoal, não é uma obrigação“, diz ao Observador.

Seja como for, André Ventura aponta o dedo diretamente ao Governo e às autoridades de saúde e argumenta que as vacinas estão a ser praticamente impostas aos portugueses. “É uma espécie de obrigação. Com as atuais exigências dos certificados, estão na prática a tornar a vacina obrigatória”, denuncia.

O presidente do partido Chega, André Ventura, participa na manifestação contra "as restrições e falta de apoios, o certificado de vacinação, e a destruição da Economia Portuguesa", no centro do Porto, 06 de agosto 2021. ESTELA SILVA/LUSA

André Ventura na manifestação de 6 de agosto no Porto depois da qual terá sido contagiado

ESTELA SILVA/LUSA

O exemplo de João Tilly

João Tilly, presidente do Conselho Nacional do Chega, líder da distrital de Viseu, conhecido no Youtube e Facebook pelas posições assumidamente anti-vacinação e teorias de conspiração sobre a origem do vírus, acabou por ser vítima do seu próprio partido.

O dirigente do Chega João Tilly foi-se defendendo, dizendo que tentou resistir "até não mais poder" e que "se adoecesse gravemente sem vacina seria um circo", dando motivos para abrir telejornais com a doença de um negacionista. "Assim não têm hipóteses…", tentou justificar-se. Acabou, no final de tudo, por apagar o vídeo.

O dirigente do Chega tem usado o blog pessoal para denunciar aquilo que no entender de Tilly são os interesses obscuros na origem das vacinas. A determinada altura, chegou mesmo a escrever um texto sobre “O negócio multimilionário das vacinas obrigatórias” e a prometer que jamais se voltaria a vacinar — sem nunca fazer referência à Covid-19.

“NUNCA na minha vida — mas NUNCA MESMO — eu me vacinaria a mim ou vacinaria um filho meu, se voltasse a ter mais algum”, pode ler-se nesse texto. Tilly participou ainda em várias manifestações que contestavam os efeitos do vírus e fez várias publicações sobre os perigos das vacinas contra a Covid-19.

Acabaria, no entanto, por se vacinar e a anunciar esse momento num outro vídeo publicado no YouTube. O gesto provocou uma onda de comentários contra João Tilly, entre os quais lhe chamavam “agente do sistema”, “incoerente”, “vendido”, “desilusão” e “desgosto”.

O dirigente do Chega foi-se defendendo, dizendo que tentou resistir “até não mais poder” e que “se adoecesse gravemente sem vacina seria um circo”, dando motivos para abrir telejornais com a doença de um negacionista. “Assim não têm hipóteses…”, tentou justificar-se. Acabou, no final de tudo, por apagar o vídeo.

"Pelo que estudei, na minha idade são mais os riscos da vacina do que da doença. Ouvi opiniões médicas e especialistas e é duvidosa a vantagem na minha idade. Com Covid-19 posso ou não apanhar [o vírus]. Com a vacina apanho de certeza. Se efeitos secundários são equivalentes ou podem ser mais graves prefiro não tomar", explica Pacheco Amorim

De vacinados a não vacinados: na direção do Chega há de tudo

A posição de André Ventura não é única na direção do Chega, que tem membros vacinados e outros que ainda não têm a vacina contra a Covid-19. Diogo Pacheco Amorim, Nuno Afonso e António Tânger Correa revelaram ao Observador que não foram vacinados por opção, mas não afastam a possibilidade de o serem no futuro.

Pelo que estudei, na minha idade [72 anos] são mais os riscos da vacina do que da doença. Ouvi opiniões médicas e especialistas e é duvidosa a vantagem na minha idade. Se efeitos secundários são equivalentes ou podem ser mais graves prefiro não tomar”, explica Pacheco Amorim, vogal da direção do Chega, que deixa claro que “não quer dizer que não venha a mudar de opinião”.

O vogal da direção do Chega, Diogo Pacheco Amorim acha que os riscos das vacinas são maiores que os benefícios

LUSA

Nuno Afonso tem uma posição idêntica e decidiu não tomar a vacina por alegar que a mesma não dá imunidade suficiente para mais de três meses. Pesando os prós e os contras, o coordenador autárquico do partido preferiu não tomar a vacina.

A vogal da direção Patrícia Carvalho confirmou que foi informada da vaga para ser vacinada contra a Covid-19 e não teve possibilidade de comparecer, mas deverá tomar a vacina. Já Rita Matias, o membro mais novo da direção nacional do Chega, ainda não foi contactada pelas autoridades de saúde.

Contrariamente, Gabriel Mithá Ribeiro, Marta Trindade, Pedro Santos Frazão, Rui Paulo Sousa e Ricardo Regalla Dias já têm a vacinação contra a Covid-19 completa. Dentro do Chega não há nenhuma linha a seguir, é a liberdade de escolha de cada um, garante Marta Trindade, vice-presidente do Chega. Todos os membros da direção do Chega contactados pelo Observador garantem que “nunca houve indicação no partido” sobre a vacinação.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas