Rádio Observador

Caso José Sócrates

A casa das meninas e outros contos de encantar /premium

Autor
3.277

Sabe-se só que, com extraordinária rapidez e intuição, várias meninas desataram a confessar em uníssono a vergonha, a imensa vergonha, a vergonha do caraças da má fama que a casa injustamente adquiriu

Era uma casa espaçosa, onde durante anos, nalguns casos décadas, viveu uma quantidade apreciável de meninas. Ali, as meninas recebiam cavalheiros, a quem, sozinhas ou em parelhas, prestavam favores sexuais de ordem diversa a troco de estipêndio combinado. Dentre as meninas, a Madame distinguia-se pela experiência e pela imaginação, o que a tornava a preferida dos reputados clientes, banqueiros incluídos. Além disso, a Madame tentava o “dirty talk” em francês, competência que naturalmente a favorecia nas ancestrais artes lúbricas.

Porém, cada menina possuía habilidades próprias. E todas se especializaram em ficar atentas à aproximação da polícia, impertinência que as deixava furiosas e a clamar pela seriedade da casa. Mesmo quando a Madame exagerou nas jóias e nas peles e nos amigos, e foi detida para averiguações, as meninas rasgaram as vestes (aliás escassas) em público. O público, ou parte dele, condoeu-se delas. Certos vizinhos, que regularmente recebiam compensações em dinheiro ou géneros, juraram pela conduta impecável daquela impecável gente. E até casas concorrentes, com receio de perseguições ao negócio comum, concorreram a afiançar a dignidade da coisa.

Sucede que um triste dia alguém divulgou gravações da Madame em pleno acto, bem feito e bem pago. A primeira reacção passou pela indignação face à devassa da privacidade. A segunda consistiu no embaraço. Só agora, tanto tempo decorrido e tanto prazer derramado, é que, com aparente espanto, as meninas começaram a desconfiar que a Madame e uma ou outra menina são um bocadinho putas e que aquilo tudo é um bordel. A razão da sinceridade súbita? Um mistério. Sabe-se apenas que, com extraordinárias rapidez, oportunidade e intuição, diversas meninas desataram a confessar em uníssono a vergonha, a imensa vergonha, a vergonha do caraças da má fama que a casa injustamente adquiriu. Mas, excepto a Madame, que hoje anda rancorosa pelas esquinas, nenhuma menina saiu de lá: a casa ainda existe, e de portas abertas para bem servir. Sirva-se.

A banalidade da idiotia

O ministro da Cultura, obscuridade cuja existência será desconhecida pela própria mãe, visitou o Forte de Peniche e comparou-o a um campo de concentração nazi. O DN “online” citava o ministro e trazia uma manchete sobre “a Auschwitz portuguesa”. Depois, porque percebeu o grotesco erro ou porque recebeu ordens para corrigi-lo, mudou o título para “maior símbolo do sistema prisional fascista” e recambiou a referência a Auschwitz para as letras miudinhas. Boa nota para a preocupação do jornal em retocar a imagem dos governantes. E nota máxima para o governante em causa, que pelos vistos comparou de facto um lugar onde morreram mais de um milhão de pessoas a outro onde, que eu saiba, não morreu uma única. No fundo, é como chamar ao tal ministro “o Malraux de Idanha-a-Nova”, na medida em que ele também possui dois pés, duas orelhas e uma cabeça – ainda que esta, à semelhança do crematório de Peniche, tenha estado sempre vazia.

Intervalo para publicidade institucional

Decorrerá nos dias 5, 12 e 19 de Maio, na escola de São Vicente de Telheiras, um Curso de Iniciação à Bicicleta, organizado pela câmara de Lisboa, pago pelos contribuintes e destinado aos munícipes que não sabem pedalar e são demasiado imbecis para aprender sozinhos. Nos meses seguintes, haverá cursos para ensinar a avançar uma perna de cada vez enquanto se caminha, a usar o trato gastrointestinal na ingestão e digestão de alimentos e a não cuspir para cima com a boca aberta. Em data a confirmar, também terá lugar um workshop para ajudar adultos a interpretar as luzinhas dos semáforos.

Impunidade parlamentar

Era uma vez o socialista Simões, deputado famoso por residir a 500 km de casa e prometer (mas não cumprir) bofetadas a colunistas. O socialista Simões acha os adeptos portistas “uma coisa horrível”, própria de “casa de alterne”. Está no seu direito. Aliás, está no seu dever: se, quando jura pelo fim da austeridade enquanto saqueia cada tostão, a esquerda em peso insulta os portugueses em peso, um espécime do bando é livre de insultar alguns portugueses em particular. De resto, é treta a conversa de que os parlamentares estão obrigados a superior responsabilidade e recato. Um deputado pode perfeitamente ser um laparoto e uma besta quadrada. E, com frequência, é.

O homem mais azarado de Portugal

Toda a gente sabe que o sr. Salgado nunca corrompeu uma alminha que fosse. De resto, ele próprio o garante e seria paradoxal questionar a seriedade de indivíduo tão sério. Mas impressiona que, de cada vez que se descobre uma trafulhice qualquer do Minho a Luanda, o sr. Salgado lá acabe injustamente envolvido. São subtraídos três abacates a uma quitanda de Santarém? É inevitável que o meliante refira proximidade ao sr. Salgado. Desaparecem mil milhões em operações bancárias esquisitas? Aguarda-se dez minutos e eis que o nome do sr. Salgado irrompe pelo assunto dentro. Nem chega a ser a história da cavadela e da minhoca: não vale a pena cavar que o bicho aparece sozinho. Assim à primeira vista, tudo indica tratar-se de uma enorme conspiração para lixar o infeliz, com recurso a encosto, mau-olhado e restante tecnologia de ponta. Ou então o sr. Salgado tem muito azar. Culpa, desculpem, é que não tem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)