Rádio Observador

Marcelo Rebelo de Sousa

A gargalhada de Salazar /premium

Autor
3.626

Portugal é uma espécie de Pátio das Cantigas agora na versão Parque da Bela Vista. No cemitério de Santa Comba a esta hora ressoa uma gargalhada escarninha.

No palco do Rock in Rio, o presidente da República canta. O primeiro-ministro dança. O presidente da Assembleia da República pula. A dirigente do Bloco de Esquerda acompanha o ritmo. O presidente da CML revela-se um verdadeiro animador de palco… Nenhum deles quer ficar para trás. Todos sabem que o limite para aquela actuação é aquele que o Presidente estabelecer… E no palco Marcelo indubitavelmente ganha a todos  pois ultrapassa pelo desconcerto do populismo qualquer veleidade que a frente de esquerda tivesse de o cercar (no palco real da Bela Vista, Catarina Martins parece uma figurante ao lado de Marcelo). Mas se a táctica funciona às mil maravilhas, como estratégia é uma armadilha: o Presidente está refém da sua popularidade. Não ousará nada que belisque o coro de palmas com que está habituado a ser recebido. E tal como acontecia antigamente com as flores nos camarins das vedetas também as palmas se têm de renovar no palco dos políticos.
As personalidades que antes iam institucionalmente a alguns espectáculos e noutros eram avistadas enquanto público tornaram-se agora elas mesmas no centro do espectáculo. Morre um cantor? Eles cantam e o seu canto é a notícia. Joga a selecção? Eles pulam e o seu pulo torna-se espectáculo. Eles celebram-se a si mesmos através dos outros. Todas as semanas “as  personalidades” ou “as mais altas figuras da nação” como escrevem uns desconcertados jornalistas apresentam constantemente  novas performances.

Afinal o espectáculo não pode parar porque se isso acontecesse podíamos perguntar: quem foi responsabilizado no relatório sobre o roubo de armas em Tancos? O que é que isso interessa? Toca mas é a cantar porque quem canta seus males (e seus medos) espanta: “Que saudades eu já tinha/Da minha alegre casinha/ Tão modesta como eu” ( o link segue para a versão original porque nestas coisas a origem conta)… Quando é que o ministro da Educação abandona o estado de holograma e responde pelas consequências de não ser capaz de controlar o monstro que libertou ao franchisar o ministério a Mário Nogueira? E para quando uma explicação sobre a alteração dos critérios da avaliação do exame de Matemática? Não se sabe mas à cautela o ministro aposta na assistência a jogos de futebol. E qual é o problema disso enquanto nos ecrans o primeiro-ministro balançar como quem se embala  ao ritmo do “Como é bom meu Deus morar/ Assim num primeiro andar/ A contar vindo do céu” na versão rokeira?…

Os outrora tão criticados espectáculos da política e a política-espectáculo deram lugar a algo completamente diferente e muito mais perigoso: o espectáculo enquanto forma de preencher o vazio da política.

Sintomática e reveladora desta mudança foi a resposta de Marcelo Rebelo de Sousa a Donald Trump sobre a possibilidade de Cristiano Ronaldo ser candidato à Presidência da República: “Portugal não é bem os Estados Unidos da América” — respondeu Marcelo a Trump e logo Lisboa foi unânime, em Portugal, nação secular, os jogadores de futebol não podem ser candidatos à Presidência da República. Espantoso, não é? Todos os dias nos enchem os ouvidos com o drama da desigualdade e das assimetrias, justificam-se verbas faraónicas para programas, unidades de missão, gabinetes e movimentos para as erradicar, fixam-se metas e definem-se calendários mas afinal, diz o nosso Presidente, um jogador de futebol não pode aspirar a ser presidente da República pois “Portugal não é bem os Estados Unidos da América”. Já o Presidente da República esse pode fazer de conta que é jogador de futebol ou treinador. Cantor ou comentador… Portugal não é de facto os Estados Unidos. Portugal é uma espécie de Pátio das Cantigas agora na versão Parque da Bela Vista. No cemitério de Santa Comba a esta hora ressoa uma gargalhada escarninha.

PS.“Ministério da Educação quer que os refeitórios de todas as escolas estejam ao serviço nas férias.” Portanto o Ministério da Educação, o tal que não consegue sequer fixar os critérios para o exame de Matemática, exige – exigir aos outros é sempre fácil para quem nada cumpre – que os refeitórios de todas as escolas funcionem nas férias. Mas para quê? Com que fim? E de todas as escolas?…  O monstro soviético da 5 de Outubro é incapaz de assegurar o essencial daquilo para que foi criado – ensinar – mas a voz engrossa-lhe na hora de cumprir a missão que cada vez mais privilegia: estatizar a vida das crianças e jovens. Substituir-se cada vez mais às famílias. Diminuir-lhes as competências. Desresponsabilizá-las. Ou seja torná-las menos capazes de tomarem conta de si e consequentemente mais dependentes do poder político. A não ser em circunstâncias excepcionais servir refeições nas cantinas escolares durante as férias é um absurdo.

É cada vez mais urgente que se avaliem as consequências daquilo que nos é apresentado como apoio social pois em vários casos todo esse arrazoado de medidas mais não faz que reforçar o protagonismo dos dirigentes e as situações de exclusão daqueles que se propõem ajudar. Além de claro proporcionarem muitos empregos e boas notícias numa imprensa que invariavelmente identifica mais Estado com melhores políticas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Marcelo Rebelo de Sousa

A trágica criatura /premium

Helena Matos
1.136

Marcelo anunciou que tem um princípio básico: atestar o carro no fim de cada viagem. Não é uma anedota. É isso mesmo que o PR faz perante cada crise: diz que logo se pronunciará entretanto vai atestar

Marcelo Rebelo de Sousa

A trágica criatura /premium

Helena Matos
1.136

Marcelo anunciou que tem um princípio básico: atestar o carro no fim de cada viagem. Não é uma anedota. É isso mesmo que o PR faz perante cada crise: diz que logo se pronunciará entretanto vai atestar

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
839

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)