Liberdade de Expressão

A geringonça gosta da censura

Autor
2.775

A censura aos livros escolares serviu também para as esquerdas mostrarem que sabem usar o poder com a brutalidade que for necessária. A censura funciona sempre como um aviso para todos.

43 anos depois do 25 de Abril, a censura voltou a Portugal. E regressou com as esquerdas no poder, as que mais lutaram contra a censura do Estado Novo. Com o apoio dos comunistas e dos bloquistas, o governo socialista forçou a Porto Editora a retirar livros do mercado. Fez o que o Estado Novo costumava fazer. A censura aos livros escolares vai muito além da questão do politicamente correto e da igualdade do género. A discussão sobre o politicamente correto serve mesmo como uma distração. Estamos perante uma estratégia política com elementos totalitários, a qual não está disposta a tolerar opiniões diferentes. Valerá a pena reler o magnifico livro de Hannah Arendt, As Origens do Totalitarismo (para aqueles que julgam que constitui um livro de referência para a direita, convém relembrar que o Le Monde o considerou um dos 100 livros mais importantes do século XX). A leitura do livro à luz do que se passa em Portugal é perturbadora.

De certo modo, nada disto nos deveria surpreender. O PCP e o BE sempre apoiaram ideologias e regimes políticos totalitários. Aliás, a “marca” Bloco de Esquerda não é mais do que um exercício de propaganda política para esconder a natureza do PSR e da UDP. O sucesso desta operação de “marketing político” é de resto evidente. A maioria dos portugueses olha para o Bloco como um movimento moderno e progressista, quando se trata na realidade de uma coligação de forças reacionárias e totalitárias. É neste aspeto que o politicamente correto das esquerdas serve para esconder a sua verdadeira natureza. A estratégia da dissimulação é de resto bem explicada por Arendt. Quanto ao PCP, nem sequer se dá ao trabalho de disfarçar, como testemunha a sua admiração pela Coreia do Norte e pelo totalitarismo soviético.

Mas onde o totalitarismo das esquerdas radicais é altamente perturbador é na sua tentativa de acabar com a distinção entre as esferas pública e privada. Como explica de um modo admirável Arendt, os movimentos totalitários começam sempre pelo ataque à esfera privada. Nada é privado e tudo é político, como se vê hoje com a discussão política da vida privada, deste a censura à linguagem usada em conversas privadas até aos ataques públicos a hábitos de alimentação. As ideologias totalitárias procuram dominar todos os aspetos da vida dos indivíduos. Ninguém tenha dúvidas, essa é a ambição do PCP e do BE.

No entanto, a linguagem da igualdade entre géneros e raças não passa de uma propaganda das esquerdas radicais e sobretudo de um instrumento para desqualificar as direitas. Olhamos para as bancadas parlamentares e para os órgãos dirigentes do PCP e do BE, e o que mais se nota são indivíduos negros, ciganos e de outras minorias étnicas. Caso para dizer das nossas esquerdas, façam o que dizemos mas não o que fazemos. Quanto à igualdade de género, o PCP nunca na sua história teve uma líder mulher (tal como o PS). Mas não é necessário chegar ao lugar de topo, a vida do PCP em todos os níveis de direção tem sido completamente dominada por homens brancos. Passa-se o mesmo nos sindicatos ligados à CGTP. Quem são os principais rostos do sindicalismo comunista? Homens brancos. Está na altura dos defensores da igualdade do género exigirem a paridade entre mulheres e homens nos órgãos dos sindicatos. Se há pressão sobre as empresas para o fazerem, por que não sobre os sindicatos?

E a antiga União Soviética, o grande modelo do nosso PCP? Alguém se lembra de uma mulher à frente da União Soviética? Nenhuma, nem em qualquer outro regime comunista. Estudem as histórias dos regimes comunistas da Europa Central e verão que não encontram qualquer mulher entre as lideranças políticas. A igualdade de género e a inclusão étnica não passam de propaganda política. O movimento comunista internacional foi construído e liderado por homens brancos.

Mas a censura aos livros escolares serviu também para as esquerdas mostrarem que sabem usar o poder com a brutalidade que for necessária. A censura funciona sempre como um aviso para todos. A geringonça está determinada a mostrar aos portugueses o preço a pagar pela discordância, pelo pluralismo e pela dissidência. Mesmo os que discordam do conteúdo dos livros deveriam defender o direito à publicação e deveriam ter atacado o acto da censura. As nossa esquerdas totalitárias sabem explorar muito bem a passividade, senão mesmo a apatia, da maioria dos portugueses em relação a questões como a liberdade de opinião e os perigos da censura. Foi impressionante como a maioria da imprensa portuguesa desvalorizou, e em muitos casos apoiou, a censura aos livros escolares. Percebe-se que se chegou a um ponto crítico quando a comunicação social não se indigna com a censura.

E o PS, no meio disto tudo? Apesar da geringonça, continuo a distinguir o PS do PCP e do BE. É, contudo, preocupante não ouvir nenhuma figura de referência do PS a criticar um acto de censura. Caramba, ninguém se indigna com o que se passou com os livros escolares? Onde estão as vozes do PS que sempre lutaram pela liberdade e contra a censura? Onde estão os herdeiros de Mário Soares? Soares talvez fosse um defensor da geringonça, mas não aceitaria a censura. Estou certo que se fosse vivo teria criticado o Governo. O Governo socialista tem respeitado os compromissos europeus, apesar da geringonça. Deve fazer o mesmo com as questões fundamentais de liberdades e direitos. Recordando um antigo presidente socialista, o socialismo democrático deve existir para além das regras do défice. A censura constitui um ataque ao coração da democracia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

Não foi vergonha, Costa quis afastar Sócrates /premium

João Marques de Almeida
608

O que se assistiu nos últimos dias foi à consolidação do poder de António Costa no PS, contra o seu grande rival, Sócrates. O próximo Congresso será o da consagração do seu domínio absoluto do partido

Global Shapers

A liberdade da expressão que ofende

João Marecos
480

As redes sociais, este paraíso de comunicação livre, tem vindo a tornar-se num espaço de expressão governado por uma ditadura da maioria – aquilo a que se usa chamar o politicamente correto.

Liberdade de Expressão

Ofendam-me, se faz favor

Diogo Prates

O P. Gonçalo Portocarrero de Almada parece ignorar que cada vez que expressamos uma opinião, cada vez escrevemos um artigo num jornal ofendemos alguém. Como sucede com ele mesmo. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)