Mais uma vez, a maioria de um país não obedeceu às instruções de voto. As esquerdas radicais e as elites que as esquerdas radicais têm reféns não percebem. Dominam os estúdios de televisão, as salas de aula, as fundações que dão subsídios: aí, ninguém se desviou da lição ensinada: Bolsonaro era fascista, toda a gente que não votasse em Haddad era fascista (ou, pelo menos, “branqueador do fascismo”). Acontece que fora desse mundo de conformismo e estacionamento intelectual, a máquina de fazer fascistas deixou de funcionar.

O que se passou é óbvio: no Brasil, a maioria dos eleitores, por mais repugnante que fosse a alternativa, não esteve disposta a entregar o poder ao PT. Por isso, não se deixaram enganar pela velha rábula do “fascismo”. A desonestidade, aliás, era demasiado evidente: se Bolsonaro era tão perigoso, porque é que o PT não desistiu a favor de outro candidato, em melhores condições para unir os brasileiros contra o “fascista”, logo que as sondagens, ainda antes da primeira volta, confirmaram que o acólito de Lula nunca conseguiria isso? Porque o PT, como é claro, não levou a sério a demonização de Bolsonaro: era apenas um truque para obrigar os brasileiros a caucionarem o seu sectarismo e a sua corrupção. Não resultou.

Há muitas citações tolas e abjectas no currículo de Jair Bolsonaro. Mas se o Brasil tiver de ser uma ditadura militar, é improvável que o ditador seja ele. O verdadeiro perigo da sua presidência é outro: a incapacidade de proporcionar o governo estável e reformista de que o Brasil precisa, e agravar, com isso, a crise do país. É por isso uma tragédia que a direita conservadora e liberal não tenha conseguido protagonizar o movimento de repúdio do PT. Mas porque não conseguiu? Porque essa direita, no Brasil, se descredibilizou, ao colaborar durante anos com o PT e a sua corrupção. A opção de votar Haddad, como percebeu Fernando Henrique Cardoso, teria completado esse descrédito. Mas lá e cá, onde a Lisboa política tentou imitar as eleições brasileiras como a província imita o carnaval, vimos demasiada direita a procurar pateticamente um atestado de “moderação” abraçando o PT. A “moderação”, porém, não é escolher um dos extremos: é recusar essa escolha.

Bolsonaro é um grande risco. Mas uma vitória do PT, conseguida por meio da histeria e da mentira com que Haddad, sem quaisquer escrúpulos, clamou que o general Mourão fora, aos 16 anos, um torturador da polícia, teria sido a ruína garantida da democracia no Brasil. É que uma democracia não pode ser o império da corrupção e da falsidade. Leis e instituições, só por si, não dispensam qualidades naqueles que exercem o poder.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.