Angola

A nossa democracia vale mais do que os milhões da elite angolana

Autor
  • Miguel Pinheiro
431

Até há pouco tempo, Angola dava o dinheiro e Portugal fornecia a impunidade. Agora, há muito nervosismo da classe política e dos ex-governantes portugueses que se transformaram em homens de negócios.

Nota-se o nervosismo. Nos últimos anos, a oligarquia angolana já teve alguns problemas em Portugal, pequenos incómodos que a obrigaram a pressionar, a ameaçar e a afastar — mas agora, com vários processos a chegarem ao final, seja no Ministério Público ou nos tribunais, tudo se complica. As investigações iniciais arquivam-se e as notícias apagam-se, mas as acusações e os julgamentos expõem.

Colocado entre a fúria diplomática, que vem de fora, e o avanço judicial, que vem de dentro, o poder político português, com escassíssimas excepções, refugiou-se na velha ladainha em relação a Angola: somos dois Estados soberanos e somos dois “países-irmãos”. O objectivo, como percebe qualquer criança saída da primária, é disfarçar um negócio que estava a funcionar muito bem até há pouco tempo e que se resume assim: Angola dava o dinheiro e Portugal fornecia a impunidade.

Ao contrário do que insinuam os oligarcas que se sentem ameaçados, o dinheiro angolano não é colocado em Portugal como uma simpatia ou um favor. Em muitos outros países, essas fortunas seriam apreendidas para, com implacável eficácia, servirem de prova em tribunal. Aqui, merecem dos políticos medalhas, elogios e agradecimentos; no estrangeiro, merecem distância, escrutínio e investigação.

Há uma razão para que isso aconteça lá fora. Quando um país normaliza a circulação de dinheiro como este, sabe que fica dependente das práticas que o criaram e, portanto, passa a ser uma questão de tempo até as suas instituições democráticas (o que inclui políticos, jornais e justiça) correrem o risco de contaminação.

A nossa classe política sabe que é assim. Por isso, nos momentos em que se torna difícil defender o dinheiro de Luanda, usa como escudos morais os portugueses que vivem em Angola. Segundo nos querem convencer, a relação próxima entre Lisboa e Luanda não se estreita porque os milhões fazem falta — estreita-se como virtuosa forma de proteção dos mais de 100 mil emigrantes que trabalham no país.

É interessante, porque esse santo argumento não ocorre a mais nenhum Estado responsável e respeitável. Espanha, por exemplo, tem cerca de 200 mil emigrantes na Venezuela, mas não lhe passa pela cabeça desculpar ou proteger a oligarquia criada por Hugo Chávez e alimentada por Nicolás Maduro. Desde o “Por qué no te callas?” de Juan Carlos, até às missões do ex-primeiro-ministro Felipe González e às denúncias que levaram à expulsão recente do embaixador espanhol em Caracas, as diferenças em relação ao comportamento de Portugal com Angola deixam-nos sem fôlego e com vergonha.

Madrid acha que a melhor forma de proteger os espanhóis na Venezuela é defendendo a democracia e o Estado de Direito, porque só assim haverá condições para os seus emigrantes viverem de forma próspera e segura; Portugal diz acreditar que a melhor forma de proteger os portugueses em Angola é defendendo um regime em que a economia depende de generais e de familiares de poderosos.

Se o exemplo espanhol for curto, vejam como o Reino Unido lidou com o Zimbabwe de Mugabe. Ou como a justiça francesa está a investigar os próximos de Denis Sassou Nguesso, do Congo, de Omar Bongo, do Gabão, e de François Bozizé, da República Centro Africana, e a condenar Teodorin Obiang, que acumula o cargo institucional de vice-Presidente com o cargo familiar de filho do Presidente da Guiné Equatorial, a antiga colónia espanhola que é nossa “irmã” na CPLP.

Em Portugal, onde muitos governantes têm a desagradável tendência de se transformarem em homens de negócios, tudo tem sido diferente. Lisboa faz o que pode e Luanda faz o que quer. Até ao dia em que, pelos tribunais, tudo muda.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
Eleições Europeias

O vazio que alimenta o PAN /premium

Miguel Pinheiro
755

Os 5,1% que o PAN teve este domingo nas eleições europeias são um aviso. E um aviso sério. Os partidos do sistema estão a ignorar um dos temas que mais preocupa os eleitores jovens: o ambiente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)