Rádio Observador

Eleições

A pesca ao voto /premium

Autor
132

Igual ou pior do que este leilão de votos comprados a baixo preço mas muito bem escolhidos a dedo só o familismo e o amiguismo de que o actual governo é, lamentavelmente, o maior abusador desde sempre

Suspendamos por momentos questões tão graves e que nos afectam de tão perto como o Brexit ameaçado por Boris Johnson com o apoio triunfante de Trump, pretendendo entre outros «truques» poupar a dívida de 50 mil milhões de euros e separar a Irlanda da União Europeia; bem como o impasse espanhol, onde o PSOE pretende – mas não tem conseguido – governar sem maioria conforme o PS fez. Para já, somos nós que temos de percorrer um pouco mais de dois meses até às próximas eleições legislativas enquanto o candidato à vitória, com pretensões a maioria absoluta, não cessa de estender os tentáculos do polvo familiar e clientelar em que enredou o país.

Até com os incêndios que o governo não é capaz de impedir nem de apagar eficazmente o familismo reinante arranjou maneira de ganhar dinheiro e empregos! O caso das «golas incendiárias», que seria ridículo se não fosse trágico sob todos os aspectos, é apenas mais uma das infinitas medidas pontuais do PS anunciadas a conta-gotas, a fim de pescar voto a voto até 6 de Outubro. Não passa um dia em que o governo cesse de tentar angariar votos.

Ainda há pouco jornais complacentes anunciavam o insólito pagamento estatal de «60€ mensais a crianças até aos 24 anos que necessitam de óculos», pois haveria muitos pedidos nesse sentido… Crianças de 24 anos? Os óculos não são já comparticipados? Subsídio mensal? Considera-se isso normal quando o Estado ainda há pouco concedeu cerca de 80€/mês a adultos com pelo menos 60% de incapacidade comprovada? E no minuto em que estou a escrever fico a saber, pela primeira página do «Público» de terça-feira, que há «subsídios de ‘deficiência’ requeridos por crianças com asma». Em todas as famílias há de haver alguma doença…

A primeira iniquidade grosseira destes remendos contínuos de um sistema de segurança social cada vez mais parecido com o dos últimos anos do «Estado Novo» é a maneira descaradamente eleitoralista de pulverizar a-torto-e-a-direito pequenos subsídios – esticando e/ou encolhendo o critério de «deficiência» antes definido pelos médicos – sem uma política definida e articulada com as demais medidas no campo da saúde, do trabalho e da previdência!

Nos termos democráticos do welfare state, segundo os clássicos, não deve haver «subsídios» mas sim direitos definidos claramente por lei e assegurados pelo Estado. Esse tipo de «dádivas» aleatórias são características dos sistemas políticos em que as elites põem e dispõem conforme as súplicas populares. Num caso como o nosso, trata-se simplesmente de compra de votos: clientelismo puro e duro que não tem diminuído desde o primeiro minuto em que a «geringonça» foi combinada para impedir a aliança eleita com mais votos!

Igual ou pior do que este leilão de votos comprados a baixo preço mas muito bem escolhidos a dedo só o familismo e o amiguismo de que o actual governo é, lamentavelmente, o maior abusador desde sempre, bem como um indício indiscutível do abastardamento democrático do regime e do absenteísmo maciço, como veremos em breve…

O improvável caso das «golas incendiárias» e de centena e tal mil euros que os contribuintes portugueses pagaram por elas revelou-se, finalmente, mais um exemplo do modo como as redes familiares e o amiguismo se estendem e reproduzem a níveis aparentemente remotos como o de pequenos concelhos como Arouca. Vamos ver como se sai a desacreditada equipa ministerial da Administração Interna, não só o ministro Cabrita como o ignoto Secretário de Estado Artur Neves, cacique do PS em Arouca e arredores desde o século passado…

Despropositada cereja em cima do bolo desse familismo político típico do caciquismo reinante na Europa do Sul, lemos que, graças a um feliz jogo de sucessivas tabelas, o actual presidente da Junta de Freguesia de Campo de Ourique (Lisboa) se iria candidatar a deputado nas eleições de 6 de Outubro em posição elegível e que o seu sucessor na Junta seria – nem mais nem menos – do que o actual vice-presidente, Pedro Costa, filho do primeiro-ministro…

E nós que julgávamos serem as juntas de freguesia lugares exemplares de labor em favor das populações locais e não uma mera plataforma, como se viu ser o caso da Câmara Municipal de Arouca, para ascender à primeira divisão da representação nacional… Imagino contudo que, neste momento, tal equívoco seja evitado sob pena de afastar mais eleitores ainda da urna de voto. Conforme alguém disse, a única razão por que António Costa se arrisca a ganhar as eleições é que a oposição, em especial o líder do PSD, fez tudo para isso. Confirma-se assim que o espaço político português não é daqueles que se renove facilmente: a última vez foi há mais de 45 anos e a anterior há mais de 45 anos foi!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

O fórum e o mercado /premium

Manuel Villaverde Cabral

As eleições serão marcadas pela crise da representação materializada pela abstenção maciça, enquanto os votantes efectivos se pautarão pelos benefícios que terão ou não recebido da "geringonça".

PS

"Vogliamo Tutto" ou… a campanha em marcha /premium

Manuel Villaverde Cabral

É falso que o esquelético crescimento económico actual esteja a "evoluir em contraciclo com a economia mundial", como se a nossa economia não dependesse da europeia desde a criação do Euro.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)