Amália Rodrigues

Amália

Autor
  • Luis Teixeira

O Natal é tempo de revelações e, desde Dickens, de salvações. Este disco é uma epifania. Obrigado, filhos. E obrigado, Amália.

Neste Natal os meus filhos ofereceram-me um pequeno toca-discos portátil. Nada de iPods, mp3, smartphones – um toca-discos de vinil. Uma coisa linda, verde anos 50, uma caixa com cantos de metal e fecho e pega para poder ser transportado para todos os lados onde haja discos. LPs. Singles.

Fui logo tirar a poeira aos meus velhos discos arrumados na estante, entre os calhamaços de medicina e velhos números da National Geographic. GNR. David Bowie. Leonard Cohen. Doors. Elis. Recordam-se das ferozes polémicas de há 25 anos, quando apareceram os CDs e todos discutiam se a pureza do registo digital era melhor ou pior do que o registo analógico? Polémicas inúteis e sem interesse: guardei religiosamente os meus vinis à espera do dia em que os pudesse ressuscitar, trazer novamente à vida, acordar as estrias para o ar da noite de Lisboa.

Lá corri os meus discos, os velhos e familiares ruídos das estrias sujas de pó, os vícios dos riscos acumulados, os ressaltos das rodelas empenadas pelo calor e pelo tempo. Diverti-me a explicar aos meus filhos (que me ofereceram o toca-discos mas nada sabiam de vinis) que os discos tinham duas faces, que as músicas se separavam por riscas de silêncio entre as faixas, que se podia pôr a agulha a tocar onde se quisesse, mais à frente ou mais atrás.

E depois acabei com um disco nas mãos: Amália canta Frederico Valério. Anos 90. Não sei quantos se recordam deste disco nem quantos tiveram sequer oportunidade de o conhecer. Quando Amália ainda tinha Voz e era uma diva, uma deusa absoluta. Não há palavras para descrever este disco. Guardo uma canção em especial: o Fado do Ciúme. Fala de mulher absoluta, resistente, forte como ninguém é supostamente capaz de ser forte. E ainda outra: Confesso. Fala de um amor total, impiedoso, intolerante, absoluto como deve ser todo o amor.

O Natal é tempo de revelações e, desde Dickens, de salvações. Este disco é uma epifania. Obrigado, filhos.

E obrigado, Amália.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Crónica

Partir A. Ventura /premium

José Diogo Quintela

Ventura quer mudar o sistema por dentro. É uma espécie de supositório humano: faz-se introduzir no organismo para depois exercer a sua influência. Ei-lo metade glicerina, metade convicção ideológica.

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)