Rádio Observador

Amália Rodrigues

Amália

Autor
  • Luis Teixeira

O Natal é tempo de revelações e, desde Dickens, de salvações. Este disco é uma epifania. Obrigado, filhos. E obrigado, Amália.

Neste Natal os meus filhos ofereceram-me um pequeno toca-discos portátil. Nada de iPods, mp3, smartphones – um toca-discos de vinil. Uma coisa linda, verde anos 50, uma caixa com cantos de metal e fecho e pega para poder ser transportado para todos os lados onde haja discos. LPs. Singles.

Fui logo tirar a poeira aos meus velhos discos arrumados na estante, entre os calhamaços de medicina e velhos números da National Geographic. GNR. David Bowie. Leonard Cohen. Doors. Elis. Recordam-se das ferozes polémicas de há 25 anos, quando apareceram os CDs e todos discutiam se a pureza do registo digital era melhor ou pior do que o registo analógico? Polémicas inúteis e sem interesse: guardei religiosamente os meus vinis à espera do dia em que os pudesse ressuscitar, trazer novamente à vida, acordar as estrias para o ar da noite de Lisboa.

Lá corri os meus discos, os velhos e familiares ruídos das estrias sujas de pó, os vícios dos riscos acumulados, os ressaltos das rodelas empenadas pelo calor e pelo tempo. Diverti-me a explicar aos meus filhos (que me ofereceram o toca-discos mas nada sabiam de vinis) que os discos tinham duas faces, que as músicas se separavam por riscas de silêncio entre as faixas, que se podia pôr a agulha a tocar onde se quisesse, mais à frente ou mais atrás.

E depois acabei com um disco nas mãos: Amália canta Frederico Valério. Anos 90. Não sei quantos se recordam deste disco nem quantos tiveram sequer oportunidade de o conhecer. Quando Amália ainda tinha Voz e era uma diva, uma deusa absoluta. Não há palavras para descrever este disco. Guardo uma canção em especial: o Fado do Ciúme. Fala de mulher absoluta, resistente, forte como ninguém é supostamente capaz de ser forte. E ainda outra: Confesso. Fala de um amor total, impiedoso, intolerante, absoluto como deve ser todo o amor.

O Natal é tempo de revelações e, desde Dickens, de salvações. Este disco é uma epifania. Obrigado, filhos.

E obrigado, Amália.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)