Os futuros governos têm de ter liberdade de acção política para prosseguir estratégia legítima desde logo a que vier a ser sufragada a 10 de Março” – foi com esta frase que António Costa terminou a sua intervenção de ontem.

Nas 26 palavras desta frase está o que de mais crucial para a democracia portuguesa vai estar em jogo nos próximos anos: a autonomia do ministério público vai manter-se?

Sim, António Costa pediu desculpa pelos envelopes de dinheiro apreendidos no gabinete do seu chefe de gabinete.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.