Hungria

Nevermore: a União Europeia vive /premium

Autor

A União Europeia deu um forte sinal político através de duas das suas instituições mais importantes contra a ideia de que o continente pode voltar a conhecer governos não democráticos, iliberais.

Um país que faz parte da União Europeia ameaça violar gravemente os seus valores. E depois de anos de hesitações, avanços e recuos, a União decide iniciar um processo contra esse país, utilizando o mecanismo apropriado: o artigo 7º do Tratado da União Europeia.

E o que diz o artigo 7º? Que “Sob proposta fundamentada (…) da Comissão Europeia, o Conselho, deliberando por maioria qualificada de quatro quintos dos seus membros, e após aprovação do Parlamento Europeu, pode verificar a existência de um risco manifesto de violação grave dos valores referidos no artigo 2º por parte de um Estado-Membro”.

Que valores são esses? É o respeito pela dignidade humana, pela liberdade, a democracia, a igualdade, o Estado de direito e os Direitos do Homem. São os valores de uma civilização plural, que não discrimina, é tolerante, aplica a justiça, a solidariedade e a igualdade entre homens e mulheres.

Ora um país da União Europeia, avisa a Comissão Europeia, aprovam os deputados europeus eleitos, ameaça esses valores.

Esse país é a Hungria. Não é o único, mas este meu artigo de hoje é sobre a Hungria. Já escrevi tanto, centenas, milhares de páginas sobre a União Europeia e sempre o fiz com paixão, com gosto e o sentimento de lutar por uma causa justa, uma causa humana. Por esse caso raro na história das relações políticas entre povos, nações e Estados: a partilha voluntária do poder, visionária, em prol do bem maior desses povos, dessas nações, desses Estados.

A favor da paz (e houve paz). A favor do progresso económico (e houve progresso económico). A favor da democracia, da liberdade, dos direitos humanos (e houve tudo isso e mais).

De vez em quando, mais nos últimos tempos, escrevo com alguma tristeza. Com esforço e uma eventual desesperança. Mas ranjo os dentes e volto a crer neste projecto, nesta organização internacional, uma União preciosa de mais, importante de mais, para ser destruída pela generalizada descrença na política e nos políticos, e por uma vaga de revivalismo nacionalista que não é patriotismo, ao contrário do que alguns nos querem convencer.

Até há alguns dias, os inimigos da integração europeia criticavam a União por aceitar no seu seio práticas anti-democráticas, cerceamentos da liberdade, aquilo a que o primeiro-ministro húngaro chamou “democracia iliberal”. Agora que o Parlamento Europeu aprovou a aplicação do artigo 7º à Hungria, esses mesmos inimigos da integração europeia, que são muitos, externos e internos, criticam a Comissão e os deputados europeus, por ousarem atacar um Estado-membro pela forma como interpreta e vive a “sua” democracia. Michael Gove, ministro do Ambiente britânico e um notável “brexiteer”, explicitamente disse:

A decisão dos eurodeputados conservadores britânicos de votar contra a aprovação do artigo 7º deve-se a um “princípio antigo” segundo o qual o Parlamento Europeu não pode censurar ou interferir na democracia interna de um país em particular.

Mas não foi justamente para censurar, não a democracia interna de um país, mas justamente a falta dela, que foi aprovado o artigo 7º? Para que a União se mantenha um projecto de paz e direitos, de liberdade e justiça, solidariedade e igualdade? O Reino Unido, incluindo os conservadores, aprovou o artigo 7º, quinze países aprovaram-no quando foi criado pelo Tratado de Amesterdão em 1999. Mais tarde, Hungria e Polónia, como os outros onze países que aderiram à União nos últimos treze anos, aceitaram o artigo 7º nos respectivos Tratados de adesão, prometendo aos restantes povos europeus respeitar a União plural e democrática à qual aderiram.

Pode discutir-se se um ou outro dos actos censurados pelo executivo europeu e agora, no caso húngaro, também pelos deputados, é verdadeiramente uma violação grave dos valores europeus. Talvez não o sejam todos, e por isso o processo é longo e exigente, quer em termos do direito concedido ao Estado em causa de se defender quer quanto ao processo de aprovação. Mas a deriva é por demais evidente, e ameaça transformar a União numa espécie de organização semi-democrática: há os mecanismos para condicionar a liberdade de imprensa, há as decisões que limitam a independência dos tribunais, há a própria questão dos refugiados, exemplos que mostram a necessidade de verificar se existe ou não essa violação.

São poucas as organizações internacionais que, como a União, só aceitam democracias no sentido pleno do termo (não apenas formais). Menos ainda as que impõem o respeito por princípios da liberdade e da dignidade, mesmo depois da adesão. Ainda menos, creio que não há nenhuma, a estabelecer a possibilidade de sanções efectivas como as previstas no artigo 7º.

Isso faz da União um caso extraordinário, um exemplo para o Mundo, uma causa por que lutar. Nenhum país é forçado a permanecer – como prova o caso britânico -, mas quem o faz deve respeitar os seus valores, prosseguir a missão comum, aceitar as obrigações que acompanham os inúmeros direitos e benefícios da integração europeia. “Eu nunca faria parte de um clube que me aceitasse como sócio”, terá dito Groucho Marx. Mais vale então não pedir para entrar.

A aprovação por parte do Parlamento Europeu da verificação de um risco manifesto de violação grave dos valores europeus pela Hungria, não significa, longe disso, que venha a ser aprovada pelo Conselho, e ainda menos que venham a ser decretadas sanções. São precisos quatro quintos no primeiro caso e unanimidade (menos o país visado) no segundo.

Não interessa. Este processo é um estímulo para que esses países revejam os seus procedimentos e estanquem a deriva anti-democrática. Já na Polónia são claros, embora ainda insuficientes, os esforços nesse sentido. E até pode acontecer que o próximo quadro financeiro plurianual ligue a atribuição de fundos ao condicionalismo do respeito pelos valores europeus.

A União Europeia deu um forte sinal político através de duas das suas instituições mais importantes contra a ideia de que o continente pode voltar a conhecer governos não democráticos, iliberais, que pode voltar a ser uma fortaleza de ideologias nacionalistas extremas, inimigas das pessoas, da sua liberdade e bem-estar. Isso foi, e era, essencial.

“Nevermore”, como o corvo de Poe: nunca mais.

Ao accionar o artigo 7º, no caso polaco e agora, no húngaro, a União Europeia faz prova de vida. Grita: Nunca Mais.

Só assim pode voltar a ser respeitada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Não há divórcios suaves /premium

Paulo de Almeida Sande

O problema do Brexit é ser uma espécie de quadratura do círculo e dificilmente o divórcio será suave. Não há divórcios suaves. Sobretudo quando a data está marcada e o relógio continua a bater.

Violação

Em defesa de Ronaldo /premium

Paulo de Almeida Sande
977

Cristiano Ronaldo é um dos heróis modernos de Portugal, talvez o seu nome maior, e por isso mesmo os portugueses, mais do que qualquer outro povo, deveriam fazer profissão de fé na sua inocência.

Envelhecimento

No país do “has been” /premium

Paulo de Almeida Sande

Somos portugueses e temos orgulho em sê-lo, importa que Portugal reconheça todos, novos e velhos, façam o que fizerem ou tiverem feito, coisas grandes ou modestas, como o seu mais importante capital.

União Europeia

E agora, o que fazemos? /premium

Diana Soller
112

Orbán fez o que se previa. Vitimizou-se. Como populista competente, disse que o Parlamento Europeu estava a atacar a Hungria (e não a ele) e que iria proteger a sua população nem que fosse contra a UE

Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)