Rádio Observador

António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

Autor
302

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Se há forma que caracteriza este governo é a desconsideração pelos outros, o não se calcularem os efeitos do que se diz e do que se faz pois o que quer que se diga ou que quer que se faça não produz quaisquer consequências na esfera daqueles que dizem e que fazem. No fundo, é o desrepeito que nasce da impunidade.

As atitudes de desrespeito de quem governa são inúmeras. Começam em António Costa, não só com a própria formação da geringonça, desrespeitando o voto, mas também no modo como joga com os argumentos, como fez com o da cor da pele em pleno Parlamento, quando afirma que a economia portuguesa cresce acima da europeia, conclui que um défice reduzido equivale a menos dívida pública, ou quando esconde que a redução do défice se deve à custa da maior carga fiscal de sempre e das cativações no funcionamento do Estado social. O modo como desvaloriza as críticas de eleitoralismo, as previsões de menor crescimento, o aumento dos juros que Portugal pagou na colocação da dívida a 10 anos, ou as polémicas como as do comboio do PS a que a CP deu passagem atrasando as normais ligações ferroviárias. A forma como o primeiro-ministro desrespeita, desconsidera, e assim se desresponsabiliza. Costa é exímio não em mentir, que é algo facilmente descoberto, mas na distorção da verdade, na fabricação da meia-verdade, que é pior que a mentira, já que a esconde e não a expõe.

Infelizmente Costa não está sozinho. Veja-se o caso de Carlos César, o líder parlamentar do PS, quando se refere (sem os especificar) aos laços familiares das irmãs Mortágua: não interessa que estas sejam deputadas por mérito próprio e por acaso irmãs, algo completamente diferente da nomeação para cargos públicos de familiares de membros de outros cargos públicos. O que interessa para César é que, sendo Joana e Mariana Mortágua familiares, o exemplo seja confundível.

Mas Costa e César, mais velhos e experientes, têm feito escola. Atente-se no parlapiê de Pedro Nuno Santos para justificar a nomeação da sua mulher como chefe do gabinete do secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, José Duarte Cordeiro. Em benefício de Pedro Nuno Santos diga-se que, para quem se dá ao trabalho de escrever um texto tão longo a justificar algo tão obviamente reprovável, ainda lhe resta um mínimo de pudor. Pena é que, no meio de tantos caracteres, o novo ministro das Infrasestruturas e da Habitação não tenha reparado que a questão não está em não prejudicar a sua mulher por ser sua mulher, mas em a não beneficiar precisamente por ser sua mulher. Uma pequena diferença que seria de maior não fosse a desrespeito uma nova forma de governar.

Claro que este tipo de comportamento conduz a um desprestígio dos políticos e da actividade política, o que devia preocupar alguém como Costa, César e os já não tão jovens turcos do PS. Mas não os inquieta porque os socialistas sabem melhor que ninguém que o desprestígio de uma instituição, de um cargo, profissão, ou pessoa, só é relevante se quem os avalia, os eleitores, têm prestígio, que aqui se pode traduzir por influência. E não têm. É aqui que está o busílis da questão: quem vota não influencia, não atrai, não vale, nem conta. Assim é porque o socialismo não estagnou apenas a economia. Paralisou também o espírito, a opinião, o sentimento de justiça, a essência da democracia. A desvalorização, a desconsideração, o desrespeito que levam à desresponsabilização são possíveis porque foram aceites em troca de lugares, salários e favores. Na sua maioria o país vergou-se. O PS sabe isso muito bem pois foi ele quem o conseguiu.

Advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Brexit

Um elogio ao parlamentarismo britânico /premium

André Abrantes Amaral

O referendo, com o seu carácter limitativo da discussão em causa, não permite um debate verdadeiro com negociação e cedência. Passada a tempestade, a democracia parlamentar britânica sairá reforçada.

Política

8 discursos universais

João Araújo

Os discursos universais são o instrumento que permite inocular grandes doses de narrativa inativada gerando um espaço público pimba ao imunizar as pessoas contra o que realmente conta: a substância.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)