Rádio Observador

Mundo

O que difere o comunismo do nazismo?

Autor
2.012

Qual era a principal diferença entre nazismo e comunismo? A minha opinião é que a diferença consistia apenas em que o primeiro matava pela raça, o segundo pela origem social. Venha o diabo e escolha.

A Rada Suprema (Parlamento) da Ucrânia decidiu equiparar o comunismo e o nazismo, proibindo no seu território a utilização de símbolos desses dois maiores regimes autoritários do séc. XX. Além disso, os parlamentares ucranianos decidiram reabilitar todas as organizações que combateram contra a “ocupação soviética da Ucrânia” entre 1917 e 1991 e abrir todos os arquivos do KGB (polícia política soviética).

Decisão semelhante já fora aprovada por outros países da esfera da antiga URSS: Polónia, Estónia, Letónia, Lituânia, etc. Todos esses países têm razões mais do que suficientes para condenarem ambos os regimes, pois milhões de seus filhos foram vítimas dos regimes criados por Hitler e Estaline.

No caso das antigas repúblicas soviéticas do Báltico e das regiões do Ucrânia e Bielorrússia ocidentais, que passaram a fazer parte da URSS devido ao pacto assinado entre Hitler e Estaline em 1939, as novas autoridades comunistas comentaram tantos crimes em apenas dois anos, até 1941, que, quando os soldados alemães entraram nesses territórios, foram recebidos como libertadores. Só mais tarde muitos compreenderam a verdadeira natureza do regime nazi e passaram a combatê-lo.

Quando as tropas soviéticas passaram à contra-ofensiva e começaram a entrar nos países que tinham sido ocupados pelos nazis, também foram, no início, recebidos como libertadores. Porém, quando Estaline decidiu instaurar nesses países regimes ditatoriais, as populações passaram a ver no Exército Vermelho tropas de ocupação, tendo surgido focos de resistência. Dezenas de milhares de estónios, letões e lituanos, incluindo crianças, foram deportadas para a Sibéria e o Cazaquistão em 1949. Será que, depois disso, os soviéticos podiam ser bem recebidos?

A actual Rússia reage sempre muito mal à decisão de equiparar o comunismo ao nazismo, apoiando-se na sentença do Tribunal de Nuremberga que condenou à morte os dirigentes máximos do nazismo alemão e proibiu a propaganda fascista. Porém, o Kremlin faz de conta não notar que as autoridades soviéticas apresentaram dados falsos aos juízes para se ilibar dos crimes por elas cometidos. O caso mais gritante é a chacina de Katyn, onde foram fuzilados milhares de soldados e oficiais polacos. Estaline acusou Hitler do crime, mas hoje sabemos que ele foi cometido às ordens do ditador soviético.

Nessa altura, os aliados ocidentais da URSS estavam mais preocupados em fazer a vontade a Estaline do que em defender a verdade. Foram eles que entregaram à força milhares de pessoas que não queriam regressar à URSS, independentemente de se tinham cometido crimes de guerra ou não. Muitas acabaram por morrer em campos de concentração soviéticos.

Com isto não quero limpar a imagem de uns ou sujar a de outros, mas de tentar compreender melhor a história com base em factos que só agora são revelados. Por isso, coloco aqui uma pergunta: porque é que os actuais dirigentes russos continuam a ter os seus arquivos fechados a sete chaves, incluindo os do KGB? Como diz o provérbio, “quem não deve, não teme”. Porque é que o Kremlin não condena de uma vez por todas os autores das páginas mais negras da História da Rússia, uma ideologia e prática que chacinou milhões de russos e de representantes de outros povos da URSS?

Porque se tenta cultivar na sociedade russa a ideia de que um país tão extenso e complexo como a Rússia só pode ser dirigido por um regime centralizado e, no mínimo, autoritário? Com um líder “duro”, “defensor da soberania nacional contra o inimigo externo”? Daí definições de Estaline como “gerente eficaz”…

Já é mais complexo o problema daqueles que lutaram contra a ocupação soviética com armas nas mãos. Não há dúvida que foram muitos aqueles que se juntaram voluntariamente aos nazis e cometeram crimes hediondos ao seu serviço, tendo participado, por exemplo, no extermínio da população judaica, mas também foram numerosos aqueles que combateram contra ambos os males.

Claro que é inadmissível, numa Europa moderna, assistir a manifestações de veteranos das SS ou de jovens portando símbolos claramente nazis ou fascistas, mesmo que um pouco estilizado. Não podemos fechar os olhos ocorra isso na Ucrânia, na Letónia ou na Rússia. Sim, na Rússia também, porque, enquanto o Kremlin chama a si o papel de centro do combate ao fascismo no mundo, fecha os olhos à realização de congressos internacionais de nazis na cidade mártir de Petersburgo/Leninegrado ou financia campanhas eleitorais de forças da extrema-direita na Europa.

Os políticos deviam preocupar-se mais com o bem-estar dos seus povos do que com a história e a sua revisão, deixando esta última disciplina para os investigadores. Talvez assim fosse mais simples responder à pergunta: afinal, qual era a principal diferença entre nazismo e comunismo?

A minha opinião é que a diferença consistia apenas em que o primeiro matava pela raça, o segundo pela origem social. Venha o diabo e escolha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Rússia

A hipocrisia da política de sanções /premium

José Milhazes
403

A Europa perdoou à Rússia a agressão à Ucrânia, a invasão da Geórgia em 2018 e dá mais uma prova de “misericórdia” em 2019. A que se deverá este acto que traz à memória o famigerado Acordo de Munique?

Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)