Rádio Observador

Foto de Vasco Pulido Valente

Diário de
Vasco Pulido Valente

Religião

Onde se meteu a “correcção política”

Autor
478

…hopes expire of a low dishonest decade… (W. H. Auden)

Espicaçado por um artigo encomiástico de António Lobo Antunes na última Visão resolvi ler a tradução da Bíblia de Frederico Lourenço. A Bíblia dos Capuchinhos não é uma obra-prima e Portugal precisava de uma versão de confiança numa língua impecável e legível. Bem sei que os portugueses não lêem a Bíblia nem sentem a necessidade de lê-la. A ignorância dos católicos sobre a sua própria fé chega a ser inacreditável. Os políticos citam frases do Novo Testamento, declarando que são ditados populares. Escritores a quem se presumia um módico de educação atribuem descrições, episódios e parábolas a outros escritores ou à sua própria fantasia. E quase ninguém reconhece uma citação directa dos Evangelhos. Dirão que isto é normal num país católico e que de qualquer maneira não tem grande importância. Para quem acha que tem, a tradução de Frederico Lourenço (directamente do grego) veio dar uma grande ajuda à pequena parte dos indígenas que ainda conservam alguma coisa dentro da cabeça.

Dito isto a tradução não me entusiasmou. Admito que Lourenço é um grande gramático, como ele nas notas de pé de página abundantemente prova. Reconheço também que a ideia de tornar os números dos versículos quase imperceptíveis faz reviver a pontuação natural e torna a leitura mais fácil e fluente. Em contrapartida, a estrita adesão aos tempos verbais gregos (segundo me pareceu, porque não tenho autoridade para decidir sobre isso) não permite que o português tome o tom solene e, às vezes, majestático que devia tomar. Lendo Frederico Lourenço nunca se perde a noção de que se está a ler Frederico Lourenço e não Marcos, Lucas ou Mateus. Seria injusto que nesta hora e data alguém lhe pedisse para escrever a Bíblia do Rei James. Mas com certeza que há sucedâneos com mais nobreza do que este.

Sobre isso, para mim, a parte imperdoável desta Bíblia é a tradução de “Filho do Homem” por “Filho da Humanidade”. O próprio Frederico Lourenço confessa que não tem uma justificação estritamente gramatical. Só que a justificação que ele dá e que acha “a mais relevante” não faz sentido algum. É ela a seguinte: não se pode chamar, “em português” (?), a Jesus “Filho do Homem”, porque Jesus, de acordo com o Novo Testamento, “não é filho de nenhum homem: é filho de Deus e de um ser humano, Maria”. Fora que o argumento é absurdo porque a designação “Filho do Homem” se destina precisamente a lembrar a presença simultânea naquela pessoa do divino e do humano. “Filho da Humanidade”, como Frederico Lourenço sabe muito bem, rompe com uma tradição milenar e automaticamente evoca a linguagem anticlerical do século XIX. Pior do que isso, contribui para obscurecer o entendimento da Bíblia, com a sua ressonância das profecias de Daniel, que anunciavam a vinda do “Filho do Homem” e, através dele, uma refundação do Templo e do judaísmo. E que, apesar de apócrifas, eram verdadeiras para toda a gente no século I. Finalmente, Jesus disse com toda a clareza que só vinha para as “ovelhas tresmalhadas” da casa de Israel; e considerava os gentios, ou seja, quase a humanidade inteira, “porcos” (daí as pérolas a porcos) e “cães”. Sim, “cães”.

Porquê então desceu Frederico Lourenço a esta trapalhada? Pelo que havia de ser? Por causa da “sensibilidade de género”, que de resto se manifesta pela tradução inteira: onde aparece “homem”, se possível Lourenço escreve “ser humano”, enquanto as mulheres são sempre mulheres. Esta conformidade estúpida ao “politicamente correcto” data e deforma a tradução, além de a tornar inútil para qualquer construção teológica.

Falta dizer que na sombra pesa o movimento a favor do sacerdócio das mulheres. Tão pesado que até Frederico Lourenço, no recato de uma nota de pé de página, tem de meter na ordem o nosso conhecido Frei Bento Domingues, que pretendeu fazer passar por apóstolos umas servas de Jesus.

Onde se foi meter a “correcção política”?

P.S.: Frederico Lourenço não discute a sério a datação dos Evangelhos e aceita a sequência tradicional: Mateus, Marcos, Lucas e João. Por mim continuo a preferir a prioridade de Marcos, porque o anti-judaísmo (não confundir com anti-semitismo) perceptível em Mateus e agressivo em Lucas os liga a uma época relativamente tardia da expansão do cristianismo helénico; e pelo menos Lucas escreveu depois da destruição de Jerusalém no ano 70. João é um caso mais complicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Pôncio Pilatos era português? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
507

“‘Se se põe de parte o direito, em que se distingue então o Estado de um grande bando de salteadores?’ – perguntava Santo Agostinho.”

Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)