O distrito de Setúbal é hoje um bom exemplo daquilo que foi a acção deste governo PS apoiado no parlamento por PCP e BE, vejamos então:

  • Transportes: Com o objectivo de garantir o apoio do PCP ao seu governo e para se tornar primeiro-ministro, o Dr. António Costa não hesitou em sacrificar uma das poucas reformas do governo anterior, e logo tratou de reverter a subconcessão da Soflusa, o que se seguiu foram anos de tormenta para todos aqueles que usam o barco para chegar à outra margem do Tejo devido às sucessivas supressões por greve dos mestres das embarcações. Hoje quem mora por exemplo no Barreiro e usa o transporte fluvial para chegar a Lisboa já é descriminado na hora de procurar trabalho no outro lado do Tejo como mostra esta reportagem do Observador. Os interesses dos passageiros foram menosprezados em nome de um interesse maior, o interesse dos sindicatos, do PCP e por fim de António Costa.
  • Saúde: No dia 20 de Junho de 2018 a SIC noticias anunciava: “Foi esta sexta-feira assinado o acordo para a construção do novo hospital do Seixal. Vai ser construído em terrenos doados pela Câmara e só o projeto custa ao ministério da Saúde um milhão de euros”. Depois da promessa eleitoral e da assinatura passou uma legislatura e esta maioria voltou a falhar à população, o novo Hospital do Seixal não está construído e não se sabe quando o será. No Hospital Garcia de Orta a urgência pediátrica ameaçou fechar alguns dias da semana e no Hospital do Litoral Alentejano a Ordem dos Médicos denunciou que a urgência pediátrica estava a funcionar sem o número de especialistas em pediatria mínimo exigido.
  • Pobreza: A esquerda advoga-se no direito de falar em nome dos pobres, adora o termo “combater as assimetrias socias”, como se não fosse o distrito de Setúbal onde o PCP e o PS governam a totalidade das Câmaras Municipais um dos distritos em que as assimetrias sociais mais são visíveis, onde temos lado a lado a Quinta do Perú e o Bairro da Jamaica. O distrito de Setúbal é hoje o quarto mais pobre do país de acordo com um estudo apresentado pela Plataforma para o Desenvolvimento da Península de Setúbal (PDPS) em 2018: “Entre 2000 e 2013, a população envelheceu, perdeu 31 mil jovens entre os 20 e os 34 anos, e o PIB per capita divergiu da média europeia, atingindo, em 2016, 55%, e pode, em 2027 “sem medidas correctivas”, ser apenas de 47% da média da EU”.

Apesar de todas as suas potencialidades, o distrito de Setúbal continua pobre e esquecido apesar de estar apenas a um rio de distância de Lisboa. Foi por todas estas razões e outras que decidi aceitar o desafio da Iniciativa Liberal para ser o cabeça de lista por este distrito, porque acredito convictamente que as famílias de Setúbal merecem melhor saúde, melhores transportes, melhor educação, melhor justiça e mais segurança; não estamos condenados a ser o parente pobre de Lisboa, temos a capacidade de gerar riqueza e melhorar o nosso nível de vida.

Na saúde a Iniciativa Liberal propõe alargar a ADSE a todos os portugueses e investir no SNS, este governo investe hoje menos no SNS em percentagem do PIB do que investiu o governo anterior e investe menos que a média da União Europeia em saúde.

Nos transportes comprometemo-nos em retomar a subconcessão da Soflusa e abrir o transporte fluvial de passageiros no Tejo a privados, prestando desse modo um melhor serviço aos passageiros.

Acreditamos que só com um clima de negócios competitivo será possível gerar riqueza e proporcionar as condições de vida que os habitantes deste distrito merecem e ambicionam para si. O caminho da pobreza não é único que nos está destinado. Existe outro caminho para Setúbal.

Cabeça de lista da Iniciativa Liberal por Setúbal