Rádio Observador

Vladimir Putin

Putinismo /premium

Autor
118

O Putinismo faz escola entre nacionalistas mal intencionados nas elites e populações europeias. A ideia de que a Rússia seria um exemplo a seguir em vários países é uma ameaça à nossa forma de vida.

Num livro recente, Arkady Ostrovsky diz que a Rússia voltou à arena internacional não pelo seu poder militar ou económico, mas por ser um competidor na batalha pelas ideias. Esta afirmação não deixa de ser parcialmente intrigante. Afinal, muitos têm apontado que parte do segredo do sucesso do presidente russo é a sua forma a-ideólogica de fazer política, recorrendo à história, tradição e religião russas para unir a população em torno da sua figura paternal, protetora e implacável com inimigos exteriores, imaginários ou não.

Mas, por outro lado, é cada vez mais evidente que Vladimir Putin, que defende a Rússia com unhas e dentes (e armas e o que mais for preciso, em prejuízo de alguns na sua vizinhança), se tem tornado um exemplo para muitos no Ocidente, não só entre elites – Viktor Orbán, na Hungria, não se coíbe de afirmar que Putin é o seu modelo – como para muitos indivíduos por esta Europa fora, que suspiram por um líder que lhes devolva a auto-estima e que ponha a casa (leia-se, o país) em ordem.

Como se explica uma coisa destas? Diria que há três fatores que concorrem para este fenómeno.

Em primeiro lugar o nacionalismo, quando instrumentalizado para fins políticos, é uma ideologia. E é uma ideologia alimentada por sentimentos das populações. No centro está a ideia de que a Rússia é uma nação à qual todos os cidadãos devem estar orgulhosos por pertencer. E Vladimir Putin é a personificação deste ideal de nação. De onde saem duas consequências. Uma interna: Putin, com elevadíssimos níveis de popularidade, está autorizado a governar o país como bem entender. As instituições russas são o próprio presidente. Outra, externa: Putin, no seu papel de protetor e impulsionador exterior da glória russa, está legitimado a agir internacionalmente sempre que achar necessário e da forma que achar adequada, não só para proteger Moscovo, mas para projetar internacionalmente o prestígio russo.

Assim, este é o segundo argumento, os líderes europeus de movimentos ou partidos anti-democráticos ou que procuram instaurar “democracias iliberais” (Putin prefere chamar à Rússia uma democracia soberana), ou que procuram inscrever nas Constituições ideias ainda mais extremistas – à esquerda e à direita – já perceberam que têm que centrar a sua legitimidade no nacionalismo. Assim, Putin é o exemplo mais perfeito dessa possibilidade, e aquele que todos gostariam de encarnar. Afinal, como foi dito acima, o líder russo tem índices de popularidade (reais) que seriam desejados por qualquer chefe de Estado no mundo.

Finalmente, ainda que as instituições sejam os verdadeiros pilares dos sistemas políticos (daí que os populistas e/ou extremistas que ganham eleições se apressem a modificar constituições e leis, a centralizar a economia e silenciar críticos de várias proveniências – imprensa, academia, oposição política, sociedade civil), há uma sensação generalizada que que a Europa já não tem, há algumas décadas, líderes suficientemente carismáticos que mobilizem as populações e lhes dêm um verdadeiro propósito. Ora, isso cria uma espécie de saudosismo que leva parte das opiniões públicas das sociedades europeias a simpatizarem com o Putinismo, nomeadamente com a figura do presidente russo, que parece ser o último homem a quem se reconhece esse carisma. Assim, mais uma vez, Putin serve um sentimento popular (mais utópico que real) que lhe garante admiração de muitos, mais preocupados com a ordem e a estabilidade – e o prestígio, sempre o prestígio – do que com a democracia e a liberdade.

Fecho com uma reflexão. Putin é um político hábil que soube transformar a situação desesperada em que encontrou a Rússia em 2000 num estado de muito maior estabilidade e muito melhor redistribuição (ajudaram os petrodólares de que nem todos dispomos). Mais, soube galvanizar os sentimentos de pertença e os ressentimentos da população a seu favor, de forma a criar uma narrativa de grandeza nacionalista não só unificadora como legitimadora dos seus métodos internos e externos. Podíamos dizer que o caso da Rússia é tão especifico que tais políticas, que incluem assassinatos, prisões exemplares, o controle das instituições políticas, económicas e dos media, e uma política externa agressiva diplomática e militar, só teriam cabimento ali.

Mas a questão principal é que o Putinismo vai fazendo escola entre nacionalistas mal intencionados nas elites e nas populações europeias. E esta ideia de que a Rússia seria um exemplo a seguir em vários países europeus é uma ameaça à nossa forma de vida. Não vinda de Moscovo, que muito já faz para minar a unidade europeia, mas das formações políticas que o querem imitar, e dos eleitores que as apoiam. É assim que, inadvertidamente, o Putinismo passou a fazer parte da batalha pelas ideias que se trava na Europa. Pela parte que me toca, é incomparavelmente preferível um liberalismo turbulento mas pluralista, com lugar para todas as minorias, uma democracia com defeitos, mas com alternância entre representantes políticos, um Estado em que o nacionalismo se baseia nos acertos e cedências de um debate plural. Um regime que não dependa só de um líder mas de uma profusão de atores que se vigiam uns aos outros. E não há nada disso na Rússia de Putin. Não há nada disso no Putinismo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

O Triunfo da Fantasia /premium

Diana Soller
151

Com a escolha de Boris Johnson para primeiro-ministro, tivemos um exemplo bem claro de que o espírito da velha Inglaterra está bem vivo e veio para ficar. Sob forma de ilusão.

Mundo

A política da saudade /premium

Diana Soller

Os sentimentos coletivos ganharam um lugar no pódio político e é uma condição cada vez mais essencial para ganhar eleições saber manipular esses sentimentos a favor de determinada candidatura.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)