Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Autor
661

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

E cá estou eu, em mais um voo de 10 horas de duração, fazendo contagem regressiva. Ontem, ao encontrar alguns familiares, eu disse que estava cansada. “Cansada de trabalhar?”, perguntaram eles. E eu respondi “de trabalhar nem tanto, estou cansada mesmo é de viajar”. Todos caíram na gargalhada, jogaram as cabeças para trás e disseram “Quem me dera! Quem me dera estar cansado de viajar!”.

De fato, a maioria das pessoas associa viagem a lazer, às férias e aos passeios. Realmente a maior parte das pessoas nunca vivenciou a dinâmica das viagens impostas, nas quais nós não temos muito poder de escolha nem muita chance de dizer não. E, através dessa ótica, trabalhar viajando pode mesmo parecer uma sorte das grandes.

Mas a verdade é outra, bem diferente. Experimente a sensação de ter saudades quase constantes da própria casa. Experimente a sensação de ter uma criança que te diz “De novo? Você precisa mesmo ir? Por que você não fica dessa vez?”. Experimente a sensação de nunca poder guardar as malas no alto de um armário, por saber que ela logo será refeita.

Experimente a sensação de procurar seu marido ou sua mulher na cama durante a madrugada e lembrar-se de que você não está em casa e ele não está lá. Experimente a sensação de flagrar-se com atos mecânicos, quase como um robô programado para passar no raio-x do aeroporto, tirando o computador, o celular, o relógio e o cinto sem nem pensar mais no que está fazendo.

Não se trata de um drama ou de um pedido de piedade. Temos consciência da nossa sorte de ter um bom trabalho, que nos proporciona experiências interessantes. Mas só queremos ter o direito de estar cansados dessa rotina sem que ninguém nos condene por isso. Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Nos tornamos os ausentes corriqueiros. Os que faltam nos aniversários, chegam mais tarde nos jantares e, apesar de tentarem fazer seu melhor, seguem com a sensação de que estão sendo pouco. Somos aqueles que frequentemente conhecem a geografia do aeroporto melhor do que a do próprio bairro, embora não achem graça nenhuma nisso.

Somos os que estão sempre em dívida, seja consigo mesmo ou com os outros. Os que olham para o calendário como um encadeado de dias fracionados, divididos entre “aqui” e “lá”. Os que são sempre um pouco punidos pela própria família por conta da sua ausência, embora todos saibam que nós gostaríamos muito de ficar. Somos os que estão realmente muito cansados, embora tenham a constante sensação de não ter o direito de estar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Parem de falar sobre o Sporting /premium

Ruth Manus
1.821

Nunca vi no Brasil, o famoso país do futebol, uma questão relativa ao esporte que tomasse tamanhas proporções como a do caso de Bruno de Carvalho no Sporting. 

Crónica

Chefe é mais importante que filho /premium

Ruth Manus
3.864

É assim quem se passam todas as nossas semanas. Reunião em vez de filho. Cliente em vez de casamento. Burocracia em vez de saúde. Investidores em vez de amigos. Amigos distantes em vez de amores.

Crónica

Pensar com as mãos /premium

Djaimilia Pereira de Almeida
106

A caligrafia é uma técnica humana que acompanha o pensamento. O que perdemos ao deixarmos de ser capazes de pensar com as mãos e de transmitir às mãos aquilo em que estamos a pensar?

Crónica

A visita ao bispo e outras histórias /premium

Maria João Avillez

Duas Europas que se olham com azeda desconfiança cada uma combatendo com as suas iradas tropas, em surdina ou com estrondo, o antagónico universo da outra. Um combate entre dois desastres.

Crónica

Longe da praia /premium

Djaimilia Pereira de Almeida

Não ser daqui não é apenas não ter aquilo a que se costuma chamar uma terra, mas passar por aqui sem um reconhecimento da natureza — paralelo do reconhecimento humano, muitas vezes também ausente.

Crónica

As cidades /premium

Paulo Tunhas

Compreender uma cidade é chegar ao sentimento de a perceber, na sua variedade, como um todo, mesmo que seja um todo do qual temos, de muitas das suas partes, uma percepção obscura e quase inconsciente

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)