Rádio Observador

Eutanásia

Reflexão sobre o «benefício» da eutanásia aos 17 anos

Autor
  • Pedro Afonso
3.044

O caso de Noa transforma-se num símbolo de uma sociedade decadente que desiste facilmente. Desistimos de ajudar as pessoas, de tratar os doentes com depressão, empurrando-os para o abismo do suicídio.

A notícia recente da eutanásia de Noa Pothovem, uma jovem holandesa de 17 anos, obriga-nos a uma reflexão sobre os perigos da legalização da eutanásia. A história trágica desta jovem começa aos 11 anos, altura em que foi abusada pela primeira vez, numa festa da escola. Um ano a seguir foi novamente vítima de abuso, desta vez numa festa de amigos. Decorridos dois anos, e já com 14 anos, dois homens violaram-na no bairro de Elderveld em Arnhem.

As sequelas destes abusos, inicialmente escondidos, deixaram marcas profundas e um sofrimento prolongado. Só mais tarde é que Noa pede ajuda, tendo-lhe sido alegadamente diagnosticados uma perturbação de stress pós-traumático e uma perturbação depressiva. Terá tido acompanhamento psiquiátrico e psicoterapêutico durante algum tempo (não sabemos com pormenor quais os tratamentos que foram aplicados ao seu caso). Apesar disso, Noa desiste de viver, e formula o pedido de eutanásia, alegando «sofrimento insuportável». Após uma recusa inicial a este pedido, algum tempo mais tarde foi-lhe autorizada a eutanásia ao abrigo da lei holandesa.

Confesso que me custa imaginar como terá ocorrido o lúgubre «suicídio medicamente assistido» desta jovem, na sala de casa, rodeada pela família. Como psiquiatra é absolutamente revoltante que se tenha permitido este suicídio (tal como qualquer outro).  Noa Pothovem não foi vítima apenas do seu sofrimento; foi vítima da possível incompetência dos serviços de saúde mental holandeses, pois não lhe prestaram os cuidados psiquiátricos necessários para acudir a esta situação claramente psiquiátrica. Esta jovem foi vítima de uma sociedade que não protege os mais fracos. Uma sociedade que através da eutanásia, a pretexto da liberdade individual e de uma falsa compaixão, permite eliminar vidas humanas.

Ao contrário daquilo que a notícia refere, «Noa Pothoven conseguiu um dos seus objetivos: terminar com o sofrimento», a eutanásia não terminou com o sofrimento desta jovem, terminou-lhe com a vida. A notícia da sua morte causou-nos uma humilhação coletiva ao tomarmos consciência de que em pleno século XXI é possível, de forma legal, eliminar a vida de uma jovem com 17 anos que foi vítima de uma série de abusos e infortúnios. O caso de Noa transforma-se num símbolo de uma sociedade decadente que desiste facilmente. Com a eutanásia desistimos de ajudar as pessoas, desistimos de tratar os doentes com depressão e outras doenças psiquiátricas, empurrando-os para o abismo do suicídio.

Os defensores da legalização da eutanásia argumentam que esta está reservada para casos restritos, designadamente para indivíduos com doenças incuráveis e um sofrimento intolerável; ou seja, situações extremas e casos raros. Porém, o caso de Noa demonstra que não é verdade. Uma vez legalizada o campo de aplicação da eutanásia e do suicídio assistido vai-se alargando a mais situações. É invocado o princípio da igualdade: afinal porque haverão então estas pessoas de ficar privadas do pretenso «benefício» da eutanásia?

A lei traz consigo também uma mensagem cultural. Este caso, demonstra bem o modo como a sociedade, uma vez legalizada a eutanásia, passa a encarar a doença e o sofrimento. A morte desta jovem compromete o Estado e, em particular os serviços de saúde holandeses. Depois deste episódio, qual será a confiança que os doentes e os familiares terão nos serviços de psiquiatria holandeses?  Muitos serão dominados pelo receio de que, a determinada altura, os médicos irão desistir de lhes prestar auxílio, acabando por propor a eutanásia. É a derrocada da relação médico-doente, essencial à prática da medicina. Diria que estamos perante uma escolha: optar pelo «benefício» do suicídio assistido em vez de se escolher o verdadeiro benefício: tratar e cuidar.

Médico Psiquiatra

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mercado de Trabalho

Os castigos do trabalho em Portugal

Pedro Afonso
486

Esta é uma geração que para trabalhar abdica de quase tudo o resto; renuncia a constituir família, aos amigos, ao lazer e até à sua própria saúde. O mundo laboral sofre hoje uma grave desmoralização.

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
884

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)