Rádio Observador

Rússia

Rússia afastada da formação do mundo bipolar /premium

Autor
237

O mais grave é que os senhores do Kremlin não aprendem nada com o passado ou como presente. Pequim não se mete em aventuras militares, mas tem interesses económicos crescentes em todos os continentes

Enquanto os Estados Unidos continuam a ser a primeira potência económica, política e militar no mundo e a China ocupa cada vez mais solidamente o segundo lugar da tabela, a Rússia perde terreno devido às suas apostas políticas no campo da política externa.

O golpe militar no Sudão, que derrubou o ditador Omar al-Bashir, é o último exemplo do que foi dito. O Kremlin apostou no apoio político e militar a um regime podre e vê os seus interesses económicos e militares nesse país em risco. Quando o Tribunal Internacional já tinha emitido um mandado de captura contra Omar al-Bashir por crimes contra a humanidade, Vladimir Putin recebeu-o com pompa e circunstância na sua residência de férias em Sochi. E agora? Quem vai pagar o armamento fornecido por Moscovo à ditadura? Será que as novas autoridades irão garantir os interesses económicos russos e tolerar a presença dos mercenários da “Vagner” no seu país?

Os chineses também têm fortes interesses económicos não só no Sudão, como em toda a África, mas defendem-nos com a mestria daqueles que conseguem sair secos passando entre os pingos da chuva. Não lhes passa pela cabeça enviar militares para o outro lado do planeta.

O mesmo se pode dizer em relação à Síria, Venezuela e Líbia. Sendo situações conflituosas diferentes, o Kremlin comporta-se de igual forma, fazendo apostas arriscadas. É verdade que a intervenção russa na Síria contribuiu para a manutenção de Bashar Assad no poder, mas o que é que a Rússia vai ganhar com isso? Um ponto estratégico no Médio Oriente, mas que lhe está a ficar extremamente caro do ponto de vista económico.

Na Líbia, embora Serguei Lavrov e outros diplomatas russos afirmem apoiar a posição das Nações Unidas de reconhecimento do governo líbio de Tripoli e de estar a favor do diálogo entre as partes do conflito, é sabido que, ao mesmo tempo, Moscovo ajuda o rebelde marechal Khalifa Haftar com armas e homens.

Os mercenários da “Vagner” estão também presentes neste conflito e combatem ao lado das tropas de Haftar. O Kremlin desmente a presença militar russa, mas é mais do que sabido quem dirige essa organização (Evgueni Prigojin, mais conhecido por “cozinheiro de Putin) e que um dos seus objectivos é, entre outros, encobrir a presença russa oficial no terreno.

A guerra civil na Líbia está longe do fim e é difícil acreditar que a Rússia retire dividendos económicos de mais esta aventura.

A situação repete-se na Venezuela, a milhares de quilómetros do território russo. O Kremlin aposta num ditador odiado pela esmagadora maioria da população, oferece-lhe apoio militar, mas terá capacidade para normalizar a situação económica nesse país da América Latina? Para o conseguir fazer, deverá investir milhares de milhões de dólares, que terão de ser desviados do Orçamento de Estado russo.

A Rússia ainda está a pagar também a pesada fatura da invasão da Crimeia e da ocupação do Leste da Ucrânia. Podíamos também acrescentar a intervenção da Rússia na República Centro-Africana, mas é já claro que o Kremlin está a cometer o mesmo erro dos comunistas soviéticos:  em nome de sonhos imperiais, que podem ter vários nomes como, por exemplo, “internacionalismo proletário”, “Moscovo – Terceira Roma”, “contrapeso ao imperialismo norte-americano”, etc., os dirigentes russos privam os seus cidadãos de uma vida mais digna e conduzem o país à bancarrota.

Num mundo em que a ordem (ou caos) é ditado pelos mais fortes, Putin pode chamar a si o direito de se comportar como os americanos. Trata-se de uma das explicações mais absurdas da propaganda russa actual, pois para isso não basta ter os tais mísseis invisíveis, que só o são porque ainda ninguém os viu a não ser em imagens demonstradas pelo dirigente russo. É necessária capacidade financeira para manter a máquina militar e propagandística ganhando, ao mesmo tempo, terreno no campo da modernização do país e da influência económica internacional.

Além disso, é indispensável que as empresas russas invistam no estrangeiro e, neste campo, as sanções económicas ocidentais vieram dificultar a sua actividade nos principais mercados. Resta o gasoduto “North Stream-2”, mas que irá funcionar apenas a 50% devido à legislação europeia que exige que metade do gás transportado por essa via seja exportado por empresas privadas, o que não acontece devido ao monopólio da Gazprom neste sector.

Durante a recente visita de João Lourenço, Presidente de Angola, os acordos conseguidos parecem apontar no sentido de uma maior diversificação nos contactos económicos e comerciais entre Luanda e Moscovo, o que vai de encontro à política proclamada por Vladimir Putin de “maior pragmatismo”. Mas este novo rumo poderá afogar-se na tradicional filosofia expansionista militar russa.

Um país como a Rússia, cuja economia constitui apenas 1% da economia mundial, não pode correr em ambições militares nem com os Estados Unidos, e nem sequer com a China. E o mais grave é que os senhores do Kremlin não aprendem nada com o passado, nem com o presente. Pequim não se mete em aventuras militares, mas tem interesses económicos cada vez maiores em todos os continentes. Se Putin imita a política chinesa, isso é feito para limitar as liberdades dos cidadãos e isolar o seu país do mundo. A ideia da criação de uma “Internet russa” é um bom exemplo disso.

P.S. Continuo a afirmar que a invasão da Crimeia pelas tropas russas em 2014 foi um erro fatal na política de Vladimir Putin. Ela desmantelou as pontes que se estavam a construir entre a Rússia e a União Europeia. Não obstante os erros cometidos por ambas as partes, a aproximação era uma realidade. Não sei se voltaremos a ter outra possibilidade de aproximação tendo em conta que Putin aposta claramente na destruição da União Europeia e esta última não consegue encontrar novos caminhos para sair da crise em que se encontra. Nenhuma dessas políticas promete bonança no Velho Continente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
243

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Rússia

Chega de brincar à democracia! /premium

José Milhazes
360

A polícia e os tribunais russos viram o que ninguém viu e vários manifestantes e candidatos a deputados foram acusados e serão julgados por "organização de desordens em massa", podendo ficar presos.

Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
243

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)