Maioria de Esquerda

São mais as pessoas que preferem mentiras

Autor
548

Se a direita não aprender a lição de 2009, repete a derrota: denunciar contas falhadas não chega. Com a mensagem certa, muitos preferirão mentiras. E o “Cenário Macroeconómico” prova que Costa o sabe.

O “Cenário Macroeconómico” do PS, elaborado há mais de um ano e construído para dar sustentação às propostas eleitorais dos socialistas, foi atropelado pela realidade. Um atropelamento mortal – dele não sobrou nada. De tal modo que, a esta distância, comparar o Portugal real com aquele que os economistas do PS imaginaram chega a ser embaraçante para a credibilidade destes – basta ler a confrontação de André Azevedo Alves para, quanto a isso, se ficar esclarecido. Mas essa é a perspectiva, digamos, académica. A questão política é, contudo, outra: que significado tem isto para a forma como, um ano depois, avaliamos a estratégia do PS?

Uma leitura possível e mais recorrente, aquela que André Azevedo Alves propõe, é a de um fracasso: para garantir o apoio de PCP e BE, o PS “está a falhar drasticamente os objectivos que o próprio PS havia delineado para o país há pouco mais de um ano atrás”. Ou seja, em função da negociação do apoio parlamentar ao governo, o plano desenhado pelo PS para o país foi sendo sacrificado até ficar desvirtuado. Nesse sentido, o fracasso do “Cenário Macroeconómico” seria um retrato da cedência dos socialistas aos seus actuais parceiros à esquerda. Ora, a meu ver, esta leitura não está exacta: o objectivo do documento nunca foi retratar fielmente o rumo da economia portuguesa, além de que o seu desfasamento face à realidade é anterior à formação do actual governo.

O “Cenário Macroeconómico” do PS surgiu, em Abril de 2015, para satisfazer uma necessidade política concreta: legitimar o discurso de António Costa quanto a alternativas às políticas de austeridade de PSD-CDS e, servindo de apoio ao programa eleitoral socialista, credibilizar medidas como a acelerada reposição de salários da função pública – que, na opinião pública, seria recebida com desconfiança enquanto medida despesista e irresponsável caso não estivesse enquadrada pelo “Cenário Macroeconómico”. Ou seja, o documento teve uma finalidade política, mediática e eleitoral, e não uma utilização prática do ponto de vista económico. Assim, o rigor das contas foi sempre o aspecto secundário da questão – de resto, substituindo-se a transparência das mesmas (o PS nunca divulgou a base de dados com que trabalhou) pela exibição do currículo de Mário Centeno, que deu a cara e a reputação pela fiabilidade das previsões. O objectivo era, portanto, simples: acertar-se na mensagem para levar o PS ao poder, mesmo que, para tal, se tivesse de errar nas contas.

Sim, o PS perdeu as eleições – e, assim, poder-se-ia considerar que também dessa perspectiva o “Cenário Macroeconómico” fracassou. Mas essa leitura seria uma precipitação. Em boa verdade, o “Cenário Macroeconómico” foi um sucesso. É que nele consta a mensagem política – uma alternativa à austeridade sustentada no crescimento económico por via do aumento do consumo – que está na base do entendimento político entre PS e partidos à sua esquerda. Não importa se o documento ficou condenado à prateleira da ficção, nem aflige a “geringonça” que essa estratégia económica esteja a derrocar. O que importa é que foi essa ficção, partilhada por PCP e BE, que permitiu o conciliar da mensagem política do PS com a dos partidos à sua esquerda. No final, o “Cenário Macroeconómico” foi uma peça determinante na estratégia socialista para chegar ao poder – e, portanto, cumpriu o seu papel.

Enfim, é expectável (e justo) que muitos assinalem, gozem ou se indignem com as incongruências, cada vez mais gritantes, do “Cenário Macroeconómico” do PS – e, até, que estas sirvam de arma retórica nos duelos parlamentares. Mas convém não esquecer que, na política portuguesa, os factos contam pouco. E que, por isso, o país se entusiasmará sempre mais a discutir as finanças públicas da perspectiva dos estados de espírito (o “pessimismo” de Passos contra o “optimismo” de Costa) do que recorrendo aos indicadores do INE. Em 2009, foi aliás o que aconteceu, quando o “optimista” Sócrates venceu a “bota-abaixista” Ferreira Leite, para dois anos depois entregar o país à troika. E, hoje, se a direita não aprender a lição, arrisca-se a brevemente repetir a derrota: denunciar contas falhadas não chega, é necessário oferecer uma ideia de futuro. Não basta ter os factos do seu lado. Porque, perante a mensagem certa, serão sempre mais as pessoas que preferirão mentiras. E o “Cenário Macroeconómico” prova que António Costa sabe isso muito bem.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maioria de Esquerda

Um país de pantanas /premium

Alexandre Homem Cristo
1.865

Greves, negociações hipócritas e atropelos constitucionais. Eis o fim de ciclo da geringonça – no governo, no parlamento e na presidência. Quem vive de ilusões também morre pelas expectativas que gera

Maioria de Esquerda

Um país de pantanas /premium

Alexandre Homem Cristo
1.865

Greves, negociações hipócritas e atropelos constitucionais. Eis o fim de ciclo da geringonça – no governo, no parlamento e na presidência. Quem vive de ilusões também morre pelas expectativas que gera

Maioria de Esquerda

Movimento Dividir Portugal /premium

Helena Matos
1.109

Portugal arrisca ser esfrangalhado por esta gente que trocou a luta de classes pela compra dos votos e que vê na fragmentação do país e na tribalização dos cidadãos uma fonte inesgotável de poder

Maioria de Esquerda

O plano ambicioso /premium

Helena Matos
553

Dia sim dia não, o Governo tem um plano ambicioso. Imediatamente notícias-poema anunciam os objectivos como se já fossem resultados. À espera de um governo não socialista está o plano catastrófico.

Maioria de Esquerda

Perguntar (ainda) não ofende? /premium

Helena Matos
1.011

Patrões responsabilizados pelos "olhares insinuantes" trocados entre os seus empregados. Registos e mais bases de dados. Um Estado acima da lei. Portugal está entregue aos activismos. Até quando?

PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
172

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)