Maioria de Esquerda

Descrispação: ainda alguém se lembra? /premium

Autor

O fim do mito da “descrispação” está repleto de significado. O PS pode enterrar a fórmula do poder perpétuo que, em tempos, julgara ter encontrado através do controlo hegemónico do Estado e das ruas.

Foi promovida a palavra do ano, em 2016, sob o alto patrocínio da Presidência da República. Palavra inexistente no dicionário, Marcelo apresentou-a para sinalizar a sua prioridade no início do mandato presidencial e celebrar aquela que, para ele, emergiu como a conquista inicial da geringonça enquanto solução governativa: a paz social voltara às ruas. Ora, se já à época era evidente a artificialidade da “descrispação”, agora, perante o endurecer generalizado das greves, não restam vestígios dessa ilusão fabricada por Marcelo. E se isto poderia ser um mero ajuste de contas linguístico, na verdade o seu impacto é muito mais profundo: da mesma forma que a “descrispação” visou elevar a união das esquerdas a único garante da estabilidade política e da paz social (em oposição à coligação da direita), o esfumar dessa ilusão representa uma derrota política da geringonça. Uma derrota pesadíssima, porque decorrida no seu próprio território: a rua, onde a influência da CGTP é hoje menor do que em 2015.

A tese da “descrispação” de Marcelo sempre sofreu de dois problemas estruturais. Primeiro, exaltou uma paz social artificial, obtida por via da pacificação da CGTP através do apoio parlamentar do PCP ao governo (e do silenciamento do BE) – ou seja, a ausência de contestação social não significava ausência de tensões nas várias classes profissionais, que eventualmente encontrariam um escape. Segundo, eliminou a direita parlamentar como opção governativa, sugerindo que apenas o PS à esquerda conseguiria governar sem contestação, nomeadamente em contextos sociais e económicos mais difíceis – ou seja, legitimou a ideia de que uma maioria PSD-CDS era indesejável, na medida em que faria elevar os níveis de crispação. Ideia, de resto, que o PS já havia ensaiado em 2002, através de Eduardo Ferro Rodrigues, quando assegurou que o papel do PS era o de contribuir para a “descrispação” do ambiente político. Dito de outro modo, em 2002 ou em 2016, a tese da “descrispação” serviu sempre para posicionar o PS enquanto única fonte de estabilidade política.

Essa tese está hoje completamente refutada. Por um lado, sim, a mordaça sindical que a geringonça impôs à CGTP protegeu o governo e garantiu, sobretudo entre 2016 e 2017, um ambiente de aparente acalmia, apesar da degradação acelerada dos serviços públicos (nos transportes, na saúde, na educação). Mas a insatisfação que a CGTP conteve e deixou de representar no âmbito da Concertação Social originou novos movimentos e sindicatos – menos institucionais, mais radicais e com acções menos imprevisíveis. Estivadores, enfermeiros, professores, motoristas de materiais perigosos, são cada vez mais as classes profissionais que estão a redireccionar as suas lutas para fora da esfera da CGTP e da Concertação Social – isto é, para fora do controlo político e sindical que o PCP sempre se gabou de ter nas ruas. Por outro lado, essas movimentações têm uma dupla consequência negativa para o PS: enquanto governo, não só perdeu o estatuto de garante da paz social, como a sua solução governativa está a originar formas de combate sindical ainda mais agressivas do que as tradicionais. Ironicamente, esta será uma das heranças da geringonça.

O fim do mito da “descrispação” está, por isso, repleto de significado político. Para o governo PS, que tem de enterrar a fórmula do poder perpétuo que, em tempos, julgara ter encontrado através do controlo hegemónico do Estado e das ruas. Para a esquerda, para a qual este corresponde a um momento de desorientação, com tentativas de salvar a influência institucionalizada da CGTP, de silenciar as ruas e de consequente descredibilização dos novos sindicatos – que, como referiu o jornalista António Costa no ECO, estão a ser sujeitos a níveis elevados de escrutínio que nunca se aplicaram aos sindicatos tradicionais. Para a direita, que tem aqui uma oportunidade real para compreender as inquietações destes novos sindicatos (por exemplo, nas diferenças salariais) e representar politicamente esses profissionais, furando o monopólio da CGTP. E, por fim, para o Presidente da República, principal promotor do mito da “descrispação”, à qual associou o seu mandato presidencial, e que deverá medir o impacto das suas posições imediatistas no longo prazo – quem vende ilusões é sempre apanhado em contrapé pela passagem do tempo. Entrará melhor em 2020 quem melhor corrigir os erros ou aproveitar as oportunidades que tem diante de si.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

Um vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo
156

A pergunta que importa é se, desde 2018 e com a eleição de Rio no PSD, a direita recuou na representação dos ideais que a definem desde 2011. Este episódio com os professores parece indicar que sim.

Maioria de Esquerda

Nauseante /premium

Alexandre Homem Cristo
462

Não se deve aceitar que quem branqueia opressão política na Coreia do Norte e justifica miséria e ataques contra a população na Venezuela participe numa maioria parlamentar num país democrático.

Maioria de Esquerda

Um país de pantanas /premium

Alexandre Homem Cristo
1.905

Greves, negociações hipócritas e atropelos constitucionais. Eis o fim de ciclo da geringonça – no governo, no parlamento e na presidência. Quem vive de ilusões também morre pelas expectativas que gera

Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

União Europeia

As eleições deviam ser uma maçada

Henrique Burnay

China, Estados Unidos, Rússia, energia, clima, banca, defesa, plataformas digitais e empregos do futuro. Pela discussão que aí vai não se nota, mas as europeias são sobre tudo isto e muito mais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)