Rádio Observador

Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

Toda a verdade sobre as notícias falsas!

Autor
  • Pedro Oliveira
274

Agora, como no passado, precisamos de jornalismo não enviesado e critico, de leitores exigentes e de ser responsáveis quando difundimos algo nas redes sociais. E quando nos enganamos, devemos corrigir

Soubemos recentemente que uma das primeira medidas de Barack Obama ao tornar-se Presidente dos EUA foi mandar retirar o busto de Winston Churchill da Casa Branca. Essa medida, só agora tornada pública, causou um natural desconforto entre os dois países e fortes aliados. Entretanto, na sequência da eleição presidencial, o promotor do Brexit, Nigel Farage, pediu ao futuro Presidente para recolocar o busco no local, tendo Trump acedido de imediato. Percebe-se que o enredo descrito acima tenha gerado controvérsia e contribuído para formar a opinião geral sobre os intervenientes. Tudo isto seria normal, não fosse o detalhe da notícia ser falsa e de Obama não ter retirado o busto da Casa Branca. Winston Churchill, que antes ocupava um lugar na Sala Oval, ocupa agora um lugar de destaque à entrada do “Treaty Room”, o gabinete privado do Presidente. Obama poderia muito bem ter mandado retirar a estátua, mas não o fez. Nas suas palavras “It’s there voluntarily ‘cause I can do anything on the second floor. I love Winston Churchill, I love the guy”.

Também o New York Times noticiava recentemente como Eric Tucker, um empresário do Texas que se tornou numa estrela do Twitter (onde tinha apenas 60 seguidores) ao “twitar” que os ativistas anti-Trump tinham montado uma manifestação em Austin por terem transportado apoiantes em autocarros organizados. Esta mensagem acabaria por alimentar uma teoria da conspiração e viria a ser partilhado pela campanha de Trump para além doutras 350.000 partilhas no Facebook e 16.000 no Twitter. Mais uma vez, o único problema desta notícia, é ser falsa. Em sua defesa, Eric disse que é uma pessoa muito ocupada e sem tempo para verificar a veracidade do que publica online, até porque, nunca pensou que pudesse ter ampla divulgação.

Mas será que a verdade interessa? A verdade é que, salvo raras exceções, a realidade é uma seca. Os factos objectivos são normalmente fastidiosos e demoram demasiado tempo a relatar/ler e por isso interessam cada vez menos a quem mal tem tempo para ler os títulos. A verdade nua e crua não atrai leitores nem eleitores. Por outro lado, uma história romanceada e apimentada é mais apelativa e depois as redes sociais encarregam-se de amplificar de forma desigual verdades e ficções bem montadas (e quase nunca desmentidas). Um estudo da BuzzFeed mostrava que as “Top 20 notícias falsas” sobre as eleições americana tinham gerado mais interesse e atividade no Facebook do que as 20 principais noticias dos 19 jornais mais lidos (8.711.000 vs 7.367.000 reações, partilhas e comentários).

E foi assim que chegamos à “pós-verdade”, definida pelos Dicionários Oxford como “circunstâncias em que os factos objetivos têm menos influência na formação de opinião pública do que os apelos emocionais e as opiniões pessoais”. O “pós” serve para salientar a irrelevância ou rejeição da palavra que se segue. De acordo com a mesma entidade o uso de “pós-verdade” aumentou 2000% em 2016 face a 2015 e por isso foi considerada a palavra do ano.

Porventura ilusoriamente, houve um tempo em que tínhamos a sensação de que conseguíamos aferir a veracidade de uma notícia. Quando a coisa parecia absurda, normalmente era. Recordemos o suposto apoio do Papa Francisco ao candidato Trump. Quem conhece minimamente o Santo Padre nunca poderia acreditar em tal noticia, obviamente falsa. Mas depois demos por nós a ler, estupefactos, notícias reais que — de tão surreais — nos pareciam falsas. Lemos o Público com a sensação de estar a ler o Inimigo Público.

E agora? Agora, como no passado, precisamos de jornalismo não enviesado e critico, de leitores exigentes e precisamos todos de ser responsáveis quando difundimos algo nas redes sociais. E quando nos enganamos, devemos corrigir. A propósito: caro leitor, se acreditou na pós-verdade do título, as minhas desculpas por ter vindo ao engano.

Senior Associate Dean for Faculty and Research

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)