Rádio Observador

Livros

Um simpático “reaccionário minhoto” /premium

Autor

O nosso “reaccionário minhoto” desafia todos os dogmas politicamente correctos. Mas nunca é agressivo; nunca está zangado; e transmite uma atitude critica, mas tolerante, de “live and let live”.

Na passada sexta-feira, o meu querido amigo e colega João Pereira Coutinho entrou no meu gabinete, no nosso comum Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica, e depositou suavemente um livro sobre a minha velha mesa de madeira. “A new book, Sir?”, perguntei-lhe-ei eu, na nossa linguagem idiomática. No tom bem-disposto que sempre o caracteriza, ele respondeu simplesmente: “Just the Preface, Sir,  I’m afraid. Trata-se de um presente de Natal atrasado, ou/e de um presente de Ano Novo”.

Olhei para a bela capa do livro, uma praia sob neblina, com montanha ao fundo, e li com surpresa o título — O Crepúsculo em Moledo e outras elegias. Terei até lido alto o nome do autor — António Sousa Homem — e terei perguntado “Quem é?”. Só depois reparei num subtítulo em letras mais pequenas, “Crónicas de um reaccionário minhoto”, seguidas de “Prefácio de João Pereira Coutinho”. E terei dito qualquer coisa do género “um reaccionário do Minho com um Prefácio seu? Terei de ler isto com a maior urgência.”

E assim fiz, logo que várias incontornáveis obrigações me permitiram começar a folhear o livro. E, desde que comecei, ainda não parei. E senti um impulso irresistível para escrever sobre este verdadeiro “achado” — já nesta crónica de hoje (que, como se compreende, tive de escrever ontem, antes mesmo de ter concluído a leitura do dito “achado”).

O “achado” denuncia aliás uma grave ignorância minha. Afinal, o autor — nascido em 1921 (!) — já escreveu crónicas no Independente e escreve agora no Correio da Manhã. Cúmulo dos cúmulos, já publicou dois livros de crónicas, um com Prefácio de Maria Filomena Mónica, outro com Prefácio de Pedro Mexia. E eu fui mantido em total ignorância!

Que posso dizer resumidamente sobre este “achado” que tenho lido com imenso prazer e interesse crescente? Obviamente, em primeiro lugar, a notável qualidade literária: doce, elegante, envolvente, irresistivelmente clássica. Em segundo lugar, a vasta cultura literária, estética e política que deixa transparecer — sem nunca ceder à tentação vulgar de exibir. Em terceiro lugar, e creio que acima de tudo, a tranquilidade da escrita. O nosso “reaccionário minhoto” desafia todos e cada um dos dogmas politicamente correctos actualmente dominantes entre nós (e não só entre nós). Mas esse desafio nunca é agressivo; o autor nunca está zangado; e sempre transmite uma atitude de suave distanciamento, critico mas tolerante, de “live and let live”.

O autor por vezes parece atribuir esse “fair-play” ao facto de sua família ter sido “Uma família sempre do lado errado” (p. 291) — desde que defendeu D. Miguel em 1834, depois se opôs à República em 1910 e nunca acreditou em Salazar durante o Estado Novo. Não posso nem devo questionar essa interpretação de quem conhece, herdou e viveu essa tradição familiar. Mas gostaria de recordar que há pelo menos duas maneiras de perder, ou de “estar do lado errado”.

Uma, a mais vulgar, é o ressentimento — que em regra gera ódios tribais e zangas permanentes . Outra, a mais elevada, é a do “fair-play” — que aceita a derrota, sem por isso ter de abandonar os pontos de vista derrotados. Esta é seguramente a atitude do autor, António Sousa Homem. Por isso mesmo, João Pereira Coutinho diz no excelente Prefácio que o “reaccionário minhoto” é na verdade um conservador, não exactamente um reaccionário.

Não preciso de acrescentar que existe um forte elemento anglófilo na atitude de “fair-play” de António Sousa Homem. Ele próprio deixa-nos saber repetidamente ao longo do livro a intensa tradição anglófila de sua família e dele próprio — onde encontrei com gosto a comum preferência pelo tweed e pelo Daily Telegraph.

O mais marcante traço anglófilo, no entanto, reside noutro lugar: na disposição do autor para apreciar e usufruir o seu próprio modo de vida, que ele e seus antepassados  nunca autorizaram que fosse centralmente desenhado por terceiros. Michael Oakeshott descortinou nessa disposição para usufruir (a disposition to enjoy) modos de vida descentralizados o elemento distintivo do conservadorismo liberal inglês. Esta disposição para usufruir está patente ao longo de todo o livro de António Sousa Homem, com passagens de rara beleza. Apenas um exemplo:

“Esta impressão de aparente desordem faz de Moledo um caso único na história balnear portuguesa. Há pinhais atravessados por um comboio que não cumpre horários [este ponto talvez não fosse indispensável, digo eu], há grãos de areia  na esplanada do P’ra Lá Caminha (em cuja esplanada escrevo esta crónica com a mesma Parker que serviu ao velho Doutor Homem, meu pai, e a Dona Ester, minha mãe, para assinarem o assento de casamento), há pessoas que vejo há trinta anos a descer o areal em busca de sol bravo do Estio, como se fosse uma salvação. Se isto não é o sinal de uma beleza inequívoca, é porque passei uma vida inteira enganado.” (p. 94)

Não creio que tenha passado uma vida inteira enganado, Sir. E, já agora, seja-me permitido acrescentar que o sentimento de felicidade, patente nesta e em muitas outras passagens do livro, foi definido como estando no centro do chamado “espírito inglês” pelo excêntrico historiador de Oxford, A.L. Rowse:

“No centro do espírito inglês está a felicidade, uma profunda fonte de contentamento com a vida, o que explica o desejo mais profundo do inglês, que o deixem em paz, e a sua disposição para deixar os outros em paz, desde que eles não perturbem o seu repouso”. (A. L. Rowse, The English Spirit: Essays in History and Literature, London, Macmillan, 1945, p. 36).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)